06/06/2019 às 08h00min - Atualizada em 06/06/2019 às 08h00min

Diogo Vilela atinge plenitude em “A verdade”

Produção celebra os 50 anos de carreira do ator e chega a Uberlândia no final de semana

ADREANA OLIVEIRA
Diogo Vilela e elenco se apresentarão no Teatro municipal de Uberlândia em duas sessões no sábado e uma no domingo (Dalton Valério/Divulgação)
Aos nove anos o pequeno Diogo Vilela já sabia bem o que queria da vida: se dedicar ao teatro e a tudo que estivesse relacionado à atuação. “Eu já havia planejado minha carreira na minha cabeça. Comecei indo às óperas com a minha tia e fiz o meu primeiro teste para TV por volta dos 12 anos. Meu pai era engenheiro e construiu um teatro de marionetes pra mim em casa. Eu já mexia com iluminação, som e tudo mais, tinha até cobrança de ingresso”, recorda o ator que estará em Uberlândia no sábado (8) e domingo (9) com o espetáculo “A Verdade”, uma comédia que celebra seus 50 anos de carreira.

E todo aquele aprendizado de vida serve até hoje ao ator que naquela época “brincava profissionalmente”. Em entrevista ao Diário de Uberlândia, Diogo Vilela conta que a peça não contou com recursos de leis de incentivo e os produtores tiveram que correr atrás de apoio para realizar a montagem. E valeu a pena. A temporada de estreia no Rio de Janeiro, no teatro Maison de France, foi sucesso absoluto.

“Surpreendeu a mim, ao diretor Marcos Alvisi, aos produtores porque a gente não espera o êxito na verdade principalmente por estarmos trabalhando com o texto de um autor novo, que pouca gente conhecia”, disse Vilela.

Ele refere-se ao escritor e dramaturgo francês Florian Zeller, que aos 39 anos tem visto suas obras ganharem palcos em todo o mundo. “Essa produção foi um processo muito bonito desde o início, desde a primeira leitura. Percebemos que essa peça tem uma mensagem filosófica que além de ser engraçada é moderna no que se propõe. Apesar de ali descrever a relação entre dois casais abrange muito mais que isso de forma simples e direta, assim como é feito o cenário, por exemplo”, comentou.

No último final de semana no Rio de Janeiro, uma pessoa em especial chamou atenção na plateia. “Fernanda Montenegro estava lá nos apoiando. Ela que é uma mulher de teatro, nós somos o seu legado e vê-la ali só coroou esse processo lindo. Não me recuperei até hoje da emoção”, contou o artista.

SINOPSE

“A Verdade” gira em torno de Michel (Diogo Vilela), sua mulher Laura (Claudia Ventura) e o casal de amigos formado pelos atores Paulo Trajano e Carolina Gonzales. Os dois casais vão revelando ao longo da trama suas inverdades e omissões do cotidiano, e Michel, que costuma ir de uma mentira para outra, suspeita que seus três conhecidos estão mentindo para ele. A trama já foi montada com grande sucesso na França, Alemanha, Itália, Espanha, Bélgica, China e Inglaterra e foi detentora de vários prêmios.
“Florian Zeller tem sido comparado a Molière. Meus amigos ficaram loucos quando conheceram e já compraram o direito para outras montagens. Faz tempo que não vejo uma plateia que se diverte tanto durante um espetáculo como nesse”, disse Diogo Vilela.

O RETORNO

Diogo Vilela esteve em Uberlândia há mais de 20 anos com o monólogo “Diário de um louco”, após uma apresentação memorável, que esta repórter teve o prazer de assistir, o ator voltou após o descer das cortinas para pedir, gentilmente, que se pensasse melhor a estrutura do teatro, que sem ar condicionado, na época, gerava desconforto para a plateia e para os artistas.

O ator ficou triste ao saber da desativação do teatro. “Gostaria de voltar lá. Se conseguimos sensibilizar para o ar condicionado quem sabe não conseguimos sensibilizar mais gente para que o espaço volte a funcionar?"

Para o artista, não tem nada igual ao teatro. “Nos dá a possibilidade de nos transformarmos, de nos identificarmos, é um sonho ao vivo, a coisa mais linda que tem. Por isso sou tão apaixonado por ele”, disse o ator.

“Minha carreira é ligada a esse processo existencial desde a infância, o teatro tem a predominância da identificação de vida e ao fazê-lo sinto que nasci pra isso”.

Vilela comenta que a classe artística são meio que iguais, apesar das diferenças de cada setor (dança, pintura, teatro, cinema, música). “O anseio de um corrobora com o anseio de outros. Nossa capacidade de criar é impressionante e creio que os brasileiros estão descobrindo isso agora. É preciso piorar para melhorar. Creio que vivemos um momento de revolução espiritual política, estamos aprendendo a lidar com a democracia de uma outra forma, estamos amadurecendo”, disse o ator.

Ele completa que tem fé no Brasil, mesmo que haja, em relação a arte, mais demérito que incentivo, e quer continuar fazendo teatro aqui, não em outro país. Claro, sempre que tiver oportunidade de viajar para festivais será sempre uma honra representar a arte brasileira. “Teatro pra mim não tem a ver com vaidade, realização pessoal. Faço teatro para o público e me sinto feliz e seguro com isso mesmo que em alguns momentos nos ataquem como se estivéssemos fazendo algo irresponsável, o que não é verdade. Por isso, quero que vocês de Uberlândia, apareçam no teatro porque não tem como não se divertir”.

SERVIÇO

O QUE: espetáculo “A verdade”
QUANDO: sábado (8), às 18h e 21h e domingo (9) às 19h
LOCAL: Teatro Municipal de Uberlândia
INGRESSOS: a partir de R$ 30 à venda nas lojas Provanza do Center Shopping e Uberlândia Shopping, Lynx Óptica (Av. Getúlio Vargas, 1.655, Tabajaras) e pelo megabilheteria.com (com taxa de conveniência)
CLASSIFICAÇÃO: 14 anos
DURAÇÃO: 90 min
INFORMAÇÕES: 3235-1568
 
FICHA TÉCNICA
Diretor: Marcus Alvisi
Cenário e Figurinos: Ronald Teixeira
Luz: Maneco Quinderé
Trilha Sonora: Liliane Secco
Fotos: Dalton Valério
Direção de Produção: Marília Milanez
Produção Executiva: Marco Aurélio Monteiro
Realização: Nitiren Produções Artísticas Ltda.
Produção local: Carlos Guimarães Coelho (Uberlândia na rota do teatro)

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »