07/06/2019 às 13h32min - Atualizada em 07/06/2019 às 13h32min

Evento em Uberlândia reúne cerca de 30 artistas mulheres no domingo em Uberlândia

Segunda edição do Grrrl Day tem o objetivo de apoiar o trabalho independente

MARIELY DALMÔNICA
Lérida França e Jordana Lara estão entre as participantes do evento | Foto: Mariely Dalmônica
Artesãs, tatuadoras, musicistas, psicólogas e outras profissionais irão se reunir no Grrrl Day, evento criado por mulheres que querem dar voz para artistas independentes de Uberlândia, no próximo domingo (9). A cabeleireira e musicista Lérida França, junto com outras amigas, criou o Grrrl Day em 2015, ano em que a primeira edição do evento foi realizada.

Na época, cerca de 300 pessoas, entre homens e mulheres, prestigiaram a feira. Neste ano, a organizadora espera que o evento receba um público ainda mais variado e maior. Cerca de 30 expositoras de diferentes áreas irão vender produtos e serviços durante a tarde e noite de domingo.

“A ideia sempre foi ter só expositoras mulheres, mas vamos receber todo mundo. Queremos dar espaço para a mulher artista, artesã e empreendedora, porque esse espaço é escasso e não vemos nenhuma feirinha voltada só para mulher em Uberlândia”, disse França, que pretende montar o coletivo “Mulheres em Rede” com as organizadoras e participantes do evento, que em breve acolherá mais mulheres da região.

Além de divulgar as artistas e criar parcerias com diferentes empreendedoras, a cabeleireira disse que o evento também tem a intenção de mostrar como as mulheres estão inseridas na cultura da cidade. “A gente quis misturar música com arte, vamos ter bandas ao vivo”, afirmou França.
 
PARTICIPANTES

Além de estar ajudando na organização da feira neste ano, Carolina Clementino é uma das artesãs que irá expor no evento. Ela trabalha há dez ano vendendo pulseiras, bolsas, carteiras, colares, incensários e outros produtos, tudo feito à mão. “É um estilo de vida, e eu escolhi ser assim”, afirmou a artesã, que viajou por todo País e hoje mora em Uberlândia com os filhos e o marido.

Segundo Clementino, pode não parecer, mas existe muito machismo no meio em que ela trabalha, e um dos objetivos do Grrrl Day é mostrar o trabalho dessas mulheres empreendedoras, que muitas vezes são desvalorizadas no mercado de trabalho. “Vivemos em uma cultura machista. Por isso, quanto mais mulheres participarem, melhor. Temos que lembrar que somos todas iguais, temos que nos apoiar”, disse. A intenção é que pelo menos uma edição do evento seja realizada por ano.

Além de diferentes tipos de artesanato, a feira também irá receber mulheres que trabalham com alimentação, brechó, massoterapia e tatuadoras. Jordana Lara é uma das três tatuadoras que irá expor na feira e também ajudou a criar o movimento em 2015 junto com a amiga Lérida, com quem também tem uma banda, a Afasia. Para ela, independente do setor em que a mulher trabalha, ela é deixada de lado. “Por isso é importante dar essa visibilidade. Queremos continuar, fazer outras edições, trazer mais bandas conhecidas também”, afirmou.

Nesta edição, Lara irá oferecer flashes tattoo, tatuagens pequenas e mais rápidas de serem feitas. “Já estou preparando vários desenhos para o próximo fim de semana”, disse a tatuadora.
 
SERVIÇOS
Além da venda de produtos, palestras que abordarão temas como cuidados íntimos da mulher, empoderamento feminino, empreendedorismo, identidade de gênero e violência doméstica serão oferecidas durante o domingo. O evento também contará com aula de defesa pessoal e um espaço com acompanhantes terapêuticas do Apiá Coletivo de Acompanhantes Terapêuticos, mesmo local onde o Grrrl Day será realizado.

Durante o evento, as psicólogas irão realizar um “plantão de escuta” para qualquer pessoa que tiver interesse. “Vimos que poderíamos oferecer esse lugar de fala. Para nós é muito importante”, afirmou Mônica Rodrigues, uma das fundadoras do Apiá.

O coletivo foi criado há quase dois anos e é integrado pelos psicólogos Carolina Ribeiro, Gabriela Machaim, Gil Marques, Giovanna Menezes e Rodrigues. O acompanhamento terapêutico é uma prática que pode acontecer em qualquer cenário, como praças e shoppings. O Apiá fica em um galpão, um espaço amplo, um pouco diferente dos consultórios terapêuticos convencionais.

ENTRADA
Ainda há vagas para expositoras na segunda edição da feira. Quem deseja se juntar ao Grrrl Day deve pagar uma taxa de participação, que será usada na organização do evento. Não será cobrado nenhuma taxa para quem deseja visitar a feira. A entrada é a contribuição é um item de higiene pessoal, que posteriormente será entregue, em kits, para mulheres em situação de rua.

A taróloga Kamilla Knox criou o coletivo Nós por Todas há cerca de dois meses, e 15 mulheres já estão envolvidas no projeto. “Recolhemos absorventes, sabonetes, pastas de dente e escovas de dente. Aceitamos doações de qualquer pessoa, mas só mulheres cuidam do projeto e estão envolvidas nas decisões”, afirmou. O Nós por Todas é recente e ainda precisa de contribuição com doações e ajuda na distribuição dos produtos.

Além de auxiliar na organização do evento, Knox, que trabalha como taróloga há cerca de quatro anos, também marcará presença na feira oferecendo atendimento de tarologia. “Essa é a segunda feira que irei participar, gostei muito da experiência”, afirmou. Segundo ela, o trabalho envolve muita energia e é bastante cansativo.
 
SERVIÇO
O QUE: Grrrl Day – 2ª edição
QUANDO: domingo (9 de junho)
HORÁRIO: das 13h às 22h
LOCAL: Apiá Coletivo de Acompanhantes Terapêuticos (av. Lázara Alves Ferreira, 1105, bairro Jardim Finotti)
ENTRADA: um item de higiene pessoal
INFORMAÇÕES: Lérida França - 99198-9260
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »