09/04/2019 às 11h40min - Atualizada em 09/04/2019 às 11h40min

Aporte de R$ 400 mil será usado para ações contra a dengue em Uberlândia

Agentes do Estado já estão atuando na cidade para intensificar combate ao Aedes

MARIELY DALMÔNICA
Agente do Estado visita um dos 6,8 mil imóveis alvos da ação no bairro São Jorge | Foto: Mariely Dalmônica
A Secretaria de Estado de Saúde (SES) irá enviar ao Município, na próxima semana, uma verba extra de R$ 400 mil para ser investida nos trabalhos de combate ao Aedes aegypti. Além desse montante, o governo mineiro, por meio do Comitê Estadual de Enfrentamento das Arboviroses, disponibilizou uma equipe com 45 agentes para intensificar o bloqueio ao mosquito. Os trabalhos tiveram início ontem e ficarão restritos à região do bairro São Jorge até o dia 17 deste mês.

Segundo Boletim Epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (8), Uberlândia registrou 9.978 casos suspeitos e dois óbitos por dengue desde o início do ano. O quadro epidêmico e a confirmação das mortes pela doença foram os critérios apontados para trazer os agentes de endemias para o Município, bem como disponibilizar recursos extras.

“Esse dinheiro pode ser usado na contratação de pessoas, equipamentos e outras ações”, afirmou Dionísio Pacceli, referência técnica do Programa Estadual de Controle de Doenças Transmitidas pelo Aedes. Ele é um dos agentes do Estado que iniciaram ontem os trabalhos pelo bairro São Jorge.

No total, a equipe conta com três supervisores, dois motoristas de apoio e 34 agentes de campo. Todos atuam em conjunto com os Agentes Comunitários de Saúde (ACSs) de Uberlândia em um trabalho de intensificação das ações do Controle Vetorial, de Atenção Primária e Nível Hospitalar, da Vigilância Epidemiológica e da comunicação e mobilização contra o mosquito durante esta primeira quinzena de abril.

Segundo Dionísio Pacceli, a meta é visitar 6,8 mil imóveis em 238 quarteirões do bairro. “Criamos uma equipe com agentes de todo o Estado. Nós disponibilizamos o equipamento e os inseticidas para o Município. O objetivo dessa visita é eliminar recipientes que podem se tornar criadouro do mosquito, e onde não for possível, usaremos o tratamento químico”, afirmou.

A ação de campo também fará um bloqueio num raio de 150 metros das unidades de saúde que possuem salas de hidratação. Além disso, está sendo planejada a realização do mesmo tipo de bloqueio por meio do Ultra Baixo Volume (UBV) leve, que é a bomba costal, nas principais escolas da cidade.

Segundo o coordenador do Centro de Controle de Zoonoses, José Humberto Arruda, a ajuda da população é indispensável e ainda é desafio para o Município. “A proposta da ação encaixa bem no bairro. Acreditamos que essa parceria possa viabilizar uma rapidez. Precisamos vestir a camisa, ir no quintal e tirar o criadouro”, disse Arruda.

Durante o primeiro dia da ação, a reportagem do Diário de Uberlândia acompanhou um agente do Estado em visita a algumas casas. Cerca de três moradores não atenderam ou se recusaram a receber a equipe de controle do Aedes.

MULTA
No último mês, a Prefeitura determinou a aplicação de multas aos proprietários de imóveis que apresentarem reincidência de focos do Aedes aegypti nas residências. A autuação é prevista na legislação municipal e os valores podem variar de R$ 132,54 até R$ 1.270,48, dependendo da gravidade de cada caso.

De acordo com Arruda, algumas abordagens já foram feitas, mas a ideia é que a ação seja continua, mesmo quando o Município sair da fase de epidemia.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »