30/03/2019 às 10h00min - Atualizada em 30/03/2019 às 10h00min

Vereadores reforçam ações contra dengue em Uberlândia

Assessores e carros de som vão ajudar a mobilizar e alertar a população

NÚBIA MOTA
Parlamentares e funcionários da Zoonoses traçaram novas metas de combate ao mosquito | Foto: Núbia Mota/Diário de Uberlândia
Representantes dos poderes Legislativo e Executivo se reuniram, nesta sexta-feira (29), na sala João Pedro Gustin, na Câmara Municipal, para tratar sobre a intensificação da campanha publicitária de combate à dengue em Uberlândia. Os 17 vereadores presentes no encontro se dispuseram a colocar seus assessores e carros de som à disposição e mobilizar os grupos onde eles têm acesso para alertar à população sobre a epidemia pela qual a cidade está passando nesse ano, quando uma morte já foi confirmada e há sete sob suspeita ainda em investigação.

Uma planilha com novas ações, indicando os pontos com maior nível de notificações, será elaborada nos próximos dias pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e repassada para o presidente da Câmara, Hélio Ferraz, o Baiano.

Para o coordenador do CCZ, José Humberto Arruda, a participação da Câmara Municipal, como voz ativa, com líderes de igrejas e de associações é um reforço importante nesse momento. “Eu tenho experiência de frequentar as igrejas, falar com as pessoas e perceber que quando os pastores ou padres citam a eliminação de um foco, aquilo acontece mais rapidamente. Por isso, acredito, que através dessas manifestações, que parecem mínimas, podem surtir resultado”, afirmou.

Na reunião, ainda estavam presentes representantes do Corpo de Bombeiros, do Exército Brasileiro e do Sindicato da Habitação do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (Secovi-TAP).  De acordo Ronaldo Arantes, presidente do Secovi, já há muitos anos o sindicato alerta a população por meio do site e da revista e todas as imobiliárias disponibilizam as chaves dos imóveis desocupados para que os agentes de zoonoses façam a vistoria desses locais.

Hoje, ele acredita que devem ter em torno de 10 mil chaves de imóveis para alugar e vender. “Semanalmente, eu vejo o carro da zoonoses na minha imobiliária. Direto eles vão lá. É uma causa nobre e vamos ver o que podemos fazer pra melhorar de agora em diante”, disse Ronaldo.

Durante o encontro, José Arruda também foi questionado em alguns momentos pelos vereadores. Como, por exemplo, por que só agora a Prefeitura decidiu multar os donos de imóveis com reincidência de foco do mosquito do Aedes Aegypt, sendo que a lei já é antiga. Também foi indagado que funcionários da própria unidade teriam dito que havia mais focos em lotes vagos do que em residências. Arruda, no entanto, afirmou que deixaria para responder as questões em momento mais oportuno.

“Eu tenho certeza que não partiu da fonte oficial. Nós temos 500 funcionários e nem todos têm a informação de forma completa. A maioria absoluta dos imóveis com foco é residência. Por uma questão matemática, o criadouro acaba predominando em residência. Isso é cultural”, afirmou Arruda.

Ao Diário, Arruda disse que a Prefeitura nunca quis penalizar os moradores, mas agora virou um “mal necessário” e, por isso, os fiscais estão circulando, notificando, e se necessário, vão multar sim. A fiscalização é feita por via terrestre ou por meio de drones.
Nesta semana, a Prefeitura de Uberlândia divulgou que irá aplicar multas aos proprietários de imóveis que apresentarem reincidência de focos do Aedes aegypti em casa ou no comércio.

A autuação é prevista na legislação municipal e os valores podem variar de R$132,54 a R$ 1.270,48, dependendo da gravidade do caso. “Existe muita atitude por medo, mas muito tímida em relação ao que se precisa. Consciência vem de berço e cresce com você. Mas se você cresce achando que jogar um papel na rua é normal, não tem informação nenhuma que te muda depois de adulto”, frisou Arruda.
 
EPIDEMIA
Em reunião na última terça-feira (26), no Ministério Público Estadual, na qual participaram o prefeito Odelmo Leão, o secretário de Saúde, Gladstone Rodrigues, e a secretária de Governo e Comunicação, Ana Paula Junqueira, o promotor de Justiça Fernando Martins recomendou que o Município intensifique a campanha publicitária contra a doença.

Durante a reunião, o secretário de Saúde afirmou que a dengue se tornou um problema nacional, mas reconheceu que a epidemia em Uberlândia fugiu do controle. Até na segunda-feira (25), segundo Gladstone Rodrigues, 8.747 casos prováveis foram registrados na cidade.

O Município de Uberlândia aguarda resultado laboratorial de sete mortes que estão em investigação por suspeita de dengue. São cinco casos registrados em Unidades de Atendimento Integrado (UAI), um no Hospital Santa Genoveva e um no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU).

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »