26/02/2019 às 08h41min - Atualizada em 26/02/2019 às 08h41min

Pais e professores protestam contra mudanças no transporte escolar em Uberlândia

A principal reclamação é a necessidade de deslocamento até pontos pré-estabelecidos para embarcar nos ônibus; Prefeitura se posicionou sobre a situação

NÚBIA MOTA
Foto: Núbia Mota
Pais e alunos se reuniram na manhã desta terça-feira (26), na região da Tenda dos Morenos, para protestar contra as mudanças feitas no transporte escolar da zona rural, em Uberlândia. Outras mobilizações também ocorreram nesta manhã na zona rural. A Prefeitura Municipal se posicionou sobre a situação.

Desde segunda-feira (25), quando começaram as aulas na zona rural, com uma semana de atraso em decorrência de problemas com o transporte, as vans não pegam mais os estudantes em frente às casas. Isso obriga eles a se deslocarem por trechos de até 15 km para chegar a uma linha mestra, que fica na estrada do Pau Furado, onde os ônibus escolares passam.

Segundo um motorista de um ônibus, que não quis ter o nome divulgado, a rota foi passada pela Prefeitura à empresa para qual ele trabalha.  A instrução é pegar os alunos apenas na rodovia. 

“Eles querem os meninos na rodovia correndo risco de acidente, porque não tem acostamento, e é carro que passa a mais de 100 km, caminhão voando. Todo mundo vai preferir um filho fora da escola do que correndo risco na beira de uma rodovia”, desabafou a auxiliar administrativo, Mariane Ferreira Costa mãe de Mateus, de 9 anos, que há três anos estuda na Escola Municipal do Moreno, na comunidade de Tenda dos Morenos.

A dona de casa, Jéssica Cristina Gonçalves Barbosa mãe de Karoliny, de 8 anos, chegou a pagar R$ 20 para o vizinho levar a filha na escola, na esperança de que as vans voltassem a pegar as crianças perto de casa.

“Custei a achar uma vaga para ela nessa escola, porque mudei pra cá há pouco tempo, e agora não tem como ela ir. É muito longe a minha casa da estrada do Pau Furado, não dá. Tenho outro filho de 1 ano e 9 meses, não tenho carro, e não dá pra vir com os dois na beira da estrada todo dia e nem pagar R$ 20 todo dia. Não tem jeito, ela vai ficar sem estudar”, disse Jéssica.
 
O caso do filho de Raquel Borges Marinho Rastrelo e de Cláudio Augusto Rastrelo também é  complicado, porque Roberto é aluno especial, diagnosticado com autismo e atraso motor. Apesar de já ter 13 anos, o menino pronuncia poucas palavras e não participa das aulas durante todo o tempo, assim como os colegas. “Não importo de trazer, tudo bem, porque ele adora estudar, mas na hora de voltar? Quem vai levar ele? ”, disse Raquel.
 
PREFEITURA
De acordo com uma nota emitida pela assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal de Educação, a Prefeitura de Uberlândia disponibilizou, a partir desta semana, um serviço de transporte escolar dentro do modelo temporário elaborado para atender emergencialmente alunos e servidores da zona rural. Até que o processo de cadastramento individual de 170 vans seja concluído, ônibus serão utilizados para auxiliar na prestação do serviço.

Ontem, segundo acompanhamento da pasta, houve aumento na quantidade de estudantes presentes nas escolas e todas as unidades estavam preparadas para realizar suas atividades pedagógicas. Pelo menos na Escola Municipal do Moreno, onde a manifestação foi realizada, apenas os ônibus com alunos vindos da cidade tinham passageiros. Em um dos veículos que faz a linha rural, apenas um aluno desceu na porta da escola.
 
Ainda em nota, a administração municipal reforçou que, em 2019, adotou nova modalidade de contratação de vans em atendimento a uma recomendação do Ministério Público Estadual. A orientação indicou que o Executivo deveria contratar motoristas de forma individual e não mais por intermédio de cooperativa. Desta forma, o edital de contratação individual foi aberto e continua em andamento por ainda não ter preenchido todas as vagas para o atendimento na zona rural por meio de vans.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »