22/02/2019 às 08h17min - Atualizada em 22/02/2019 às 08h17min

Gratuidade faz viagens de UdiBike subirem 180%

Número de usuários do serviço em Uberlândia também cresceu, de 2017 a 2018, em 32%

MARIELY DALMÔNICA
Coordenador do projeto, Clóvison Helberth, em um dos pontos de retirada de bicicletas, na av. Rondon | Foto: Mariely Dalmônica
Quando o projeto UdiBike foi lançado em Uberlândia, em março de 2016, o valor da diária era de R$ 3, o plano semanal custava R$ 10, o mensal, R$ 20, e o anual, R$ 50. Há cerca de um ano, porém, o serviço se tornou gratuito, o que fez os empréstimos mensais saltarem de 626 para 1.742, um aumento de quase 180%. Entre 2017 e 2018, o número de usuários também aumentou, passando de 16.161 para 21.463 ciclistas cadastrados, alta de 32%.

Para o fundador do Instituto Saúde e Equilíbrio e coordenador do projeto, Clóvison Helberth, além da gratuidade, o número de empréstimos aumentou porque as pessoas estão mais conscientes. “A bicicleta é muito boa, só tem três marchas, a regulagem do banco é simples e o pneu é próprio para cidade. Com as bicicletas a mobilidade urbana é maior, você tem qualidade de vida, economiza e conhece a cidade”, afirmou.

O UdiBike conta com quatro estações, com 14 vagas, e 40 bicicletas. Elas ficam no Centro de Tecelagem, no viaduto da avenida João Naves com a Rondon, em frente ao Corpo de Bombeiros, e na entrada do bairro Granja Marileusa, o que corresponde a cerca de 20 km de ida e volta. Segundo Clóvison, novas estações podem ser instaladas em breve. “A gente quer aumentar pelo menos duas estações. Sonhamos muito com o Parque do Sabiá e uma próximo ao Rio Uberabinha”, afirmou.

O estudante Jeferson Abreu usa o serviço desde que se mudou do Espírito Santo e voltou para Uberlândia, há cerca de seis meses. O estudante, que está se preparando para o vestibular e pretende cursar medicina, usa as bicicletas para ir para o curso. “Eu pego na estação do Corpo de Bombeiros e consigo vir até o shopping. Vou para o curso, vou para casa almoçar na hora do almoço e depois volto”, disse.

Jeferson afirmou ser muito envolvido com exercícios físicos e que o serviço já faz parte da rotina dele. “Descobri o UdiBike porque vi as estações, ninguém me falou. Li as regras, me cadastrei e desde então não parei de usar. Isso me chamou muito a atenção.” Mesmo trabalhando em casa, a geógrafa Ana Laura Lomolino usa as bicicletas do projeto frequentemente para visitar familiares e para relaxar. “Pego para passear mesmo. Tenho bicicleta em casa, mas é difícil arrumar um lugar seguro para deixar”, afirmou.

Ana Laura usa o serviço há cerca de seis meses, e costuma pegar as bikes nas estações do Centro de Tecelagem e do Center Shopping, que ficam próximo do bairro Cazeca, onde ela mora. “[O serviço] é muito inteligente, tem toda uma questão social e ambiental, o deslocamento, não afeta o meio ambiente, tem a questão do exercício. Acho que as pessoas poderiam usar mais”, afirmou. As bicicletas ficam disponíveis por 2 horas, mas para Ana Laura, o tempo deveria aumentar. “Quando quero usar por mais tempo, coloco de volta na estação e depois pego de novo.”

SERVIÇO

Quem ainda não conhece e tem o interesse em se cadastrar no UdiBike, deve entrar no site (udibike.tembici.com.br) e retirar uma bicicleta em um dos quatro pontos da cidade. A utilização é gratuita.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »