31/01/2019 às 07h52min - Atualizada em 31/01/2019 às 07h52min

Mês teve temperatura média 4ºC maior

DANIEL POMPEU | ESPECIAL PARA O DIÁRIO
O ano de 2019 começou mais quente e seco do que o esperado. Enquanto a média prevista de precipitação para janeiro foi de 290 milímetros, apenas 83 milímetros de chuva foram registrados, 70% a menos do que o normal. De acordo com Paulo Cézar Mendes, professor de climatologia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), a falta de chuvas ajudou a elevar a temperatura média do mês em quatro graus. A temperatura mais quente do período, 34°C, foi registrada no dia 22, uma terça-feira.

Apesar do calor de janeiro, os próximos meses devem ter chuvas e temperatura normais para o período, explica o professor. “Fevereiro e março devem voltar com a média de chuva histórica. Em fevereiro a chuva deve ficar próximo aos 200 milímetros e março também”, disse Mendes.
A temperatura no próximo mês também deve ficar na margem esperada, com média máxima de 27°C e mínima de 19°C.
 
CHUVA
 
De acordo com informações do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), há previsão de pancadas de chuva em Uberlândia a partir do próximo dia 6 até 12.
Mesmo se ocorreram, as precipitações na margem do esperado não deverão compensar a falta de água em janeiro. “O normal é chover no mês de janeiro próximo a 300 milímetros, mais 400 milímetros em fevereiro e março e, se a somar um pouco de abril, daria entre 700 e 800 milímetros de precipitação. Neste ano, a tendência é que a gente tenha acumulado entre 500 e 600 milímetros, quase 200 milímetros a menos, como se a gente tivesse um mês inteiro sem chuva”, explica o professor.

O fenômeno El Niño, que provoca alterações no clima a partir de elevações da temperatura da água no Oceano Pacífico, não deve ter grandes consequências em Uberlândia, considerada uma “região de transição”, de acordo com Mendes. Os resultados do evento devem ser sentidos principalmente no norte e nordeste do país, onde pode haver intenso período de seca, e no sul, onde o El Niño contribui para o aumento de chuvas.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »