04/12/2018 às 09h27min - Atualizada em 04/12/2018 às 09h27min

Chuva provoca interrupção de 14 horas no aeroporto

Entre os dias 1º e 2, pelo menos 15 voos foram afetados pelo mau tempo

VINÍCIUS LEMOS
Vários passageiros que tinham viagem marcada tiveram que passar a noite em Uberlândia | Foto: Núbia Mota
A chuva que caiu em grande quantidade no último fim de semana provocou muitos transtornos aos passageiros com voos com destino ou embarque em Uberlândia. Segundo informou a Infraero, dos 86 voos programados para o sábado (1º) e domingo (2), oito foram cancelados na origem (outras localidades) e, consequentemente, sete voos deixaram de partir de Uberlândia. Houve ainda 11 registros de atrasos. Somando os períodos de suspensão das operações, foram em torno de 14 horas de interrupção no Aeroporto Tenente Coronel Aviador César Bombonato.

A Infraero afirmou ainda que os atrasos e cancelamentos foram causados “por condições meteorológicas adversas, sem nenhuma relação com a drenagem da pista”, conforme relato de alguns passageiros ouvidos pela reportagem. Ontem pela manhã os problemas causados pelo clima ainda persistiam e apenas dois de nove voos programados estavam no horário. Além dos atrasos, três voos foram cancelados.

O aeroporto ficou fechado para pousos ontem entre 6h15 e 8h35 e foi operado por instrumentos durante todo o resto da manhã. Houve neblina durante o início do dia. Por causa da chuva, passageiros de outras localidades também foram afetados.

Em nota, a Latam Airlines Brasil informou que, em razão das fortes chuvas que acometeram a cidade de São Paulo durante a última sexta-feira (30), a malha aérea da empresa em todo o Brasil foi fortemente impactada e vários voos foram alternados ou cancelados. A companhia informou ainda “que não mediu esforços para prestar a assistência necessária aos passageiros nos aeroportos com reflexos das chuvas”. Segundo a Latam, 50 voos foram cancelados no sábado devido a um remanejamento de malha aérea.

Já a Azul informou que teve dois voos cancelados no domingo e três ontem, entre saídas ou chegadas de Uberlândia, por conta das condições meteorológicas adversas. A Azul ressaltou ainda “que prestou toda a assistência necessária, conforme prevê a resolução 400 da Anac, e reacomodou seus clientes em outros voos e por via terrestre”.
 
 REFORMAS
Obras na pista custaram R$ 7 milhões
 
Única intervenção de grande porte iniciada em 2018, a reforma da pista de pouso e decolagem foi finalizada em novembro ao custo de R$ 7,15 milhões. Foi feito o recapeamento total do pavimento e correção parcial da geometria. A obra durou aproximadamente oito meses. Ainda de acordo com a empresa de infraestrutura aeroportuária, a melhoria vai “aperfeiçoar a condição operacional e de segurança das operações, além de diminuir a possibilidade de fechamento em caso de condições adversas, já que os trabalhos também irão aprimorar o escoamento da água”.

Falta ainda finalizar a adequação do balizamento luminoso da pista, que está em execução desde setembro deste ano e vai receber R$ 3 milhões, com previsão de conclusão para dezembro.
 
AMPLIAÇÃO
 
Como o Diário informou no domingo (2), está previsto para o dia 10 deste mês a abertura de recebimento de propostas de grupos interessados em fazer as obras de ampliação e reforma do terminal de passageiros do Aeroporto de Uberlândia. O edital foi publicado pela Infraero no início de novembro e a obra, assim que emitida a ordem de serviços, terá uma duração de 15 meses, segundo informação da empresa pública. A análise das propostas na licitação de ampliação do terminal de passageiros do Aeroporto Tenente Coronel Aviador César Bombonato está prevista para 15 de janeiro de 2019, como publicado no site da Infraero. Após a definição da empresa ou consórcio que vencer a disputa, a Infraero fará a assinatura de contrato e emissão da ordem de serviço. Não existe um prazo definido para início da ampliação. O anúncio para que o projeto saísse do papel aconteceu em junho.
 
TRANSTORNOS
Passageiros afetados falam sobre dificuldades


A secretária Monica Chialastri tentou, pela segunda vez, voltar a São Paulo (SP) na manhã de ontem depois que o voo dela foi cancelado. Ela embarcaria às 20h55 para a capital paulista ainda no domingo (2), mas teve a viagem remarcada para às 10h10 de segunda (3), no entanto só conseguiu sair às 11h30. “Atrapalhou minha vida porque tenho filha e trabalho em São Paulo. Venho pelo menos três vezes por ano a Uberlândia. Tenho familiares aqui e ultimamente tem 
dado problemas no aeroporto. Não sei o motivo, se é por mau tempo, mas estrutura aqui (no aeroporto) não tem”, afirmou a passageira.

O marido de Mônica, o militar Márcio Souza, reclamou da falta de clareza nas informações. “Falta de estrutura do aeroporto e de informações e organização das empresas. Tudo que ficamos sabendo foi por terceiros, não foi da companhia, que só pedia para que esperássemos”, disse. Na noite do último sábado (1º), o publicitário Fábio Berringer não conseguiu sair de Uberlândia para São Paulo, como o previsto. Com o aeroporto cheio de outros passageiros com voos atrasados ou cancelados, ele foi levado para um hotel onde passou a noite. A informação extraoficial era que cerca de 1,2 mil pessoas tinham dificuldades para sair ou chegar em Uberlândia. No domingo (2) à noite, ele ainda teve que esperar cerca de uma hora dentro do avião até que pudesse, enfim, viajar. “Falaram que a pista não escoava a água da chuva. Chegaram a dizer que poderia conseguir encaixe apenas na segunda-feira. Pessoal enfurecido e as companhias não dão parecer. É um pavor esse aeroporto. Chove em toda cidade do Brasil, mas só aqui os aviões não saem. Por isso a passagem em Uberlândia é tão cara, porque as companhias tem gasto de hospedagem, alimentação, tudo”, afirmou.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »