23/10/2018 às 07h59min - Atualizada em 23/10/2018 às 07h59min

Prefeitura demite ex-dirigente sindical

WALACE TORRES
Naara Bernardelli comandou o sindicato dos servidores de 2003 até o início deste ano | Foto: Aline Rezende/Secom PMU
A ex-presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Uberlândia (Sintrasp) Naara Augusta Rezende Bernardelli foi demitida do cargo ao qual estava lotada na Secretaria Municipal de Educação. Ela foi acusada de conduta irregular de servidor enquanto exercia a presidência do sindicato, órgão responsável por representar os interesses dos servidores da Prefeitura de Uberlândia.

Um processo administrativo disciplinar, instaurado pela Secretaria de Administração em 2017, apontou a violação de algumas regras do Estatuto do Servidor. A investigação concluiu que a servidora utilizou a área do Clube do Servidor para fins diferentes daqueles para os quais o espaço foi criado. Ainda de acordo com a decisão, Naara fez uso do cargo que ocupava para obter proveito pessoal e para terceiros, independentemente de ter ganhado ou não vantagens com tal ação, e, portanto, não foi leal ao Sintrasp e à Prefeitura de Uberlândia.

Naara Augusta esteve à frente do Sintrasp durante quatro mandatos consecutivos, de 2003 até o início deste ano, sendo que parte desse período sustentada por liminares. O foco da investigação sobre a conduta da ex-presidente é uma área de 8 mil hectares no bairro Jardim das Palmeiras, doada pelo Município no início da década de 1980 ao Sintrasp para a construção da sede social do sindicato e área de lazer, esporte e recreação dos servidores municipais.

Em 2012, uma denúncia apresentada à Câmara Municipal apontava indícios de que a então presidente da entidade, Naara Bernardelli, havia desviado a finalidade do imóvel e a área estava sendo utilizada em benefício próprio e da família da dirigente sindical. Em 2014 foi instaurada uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que confirmou o desvio de finalidade e a utilização do imóvel em benefício de Naara.

O relatório da CPI deu origem ao processo administrativo disciplinar na Prefeitura, que resultou na demissão da servidora. “A servidora não foi leal às instituições a qual servia, tanto o sindicato, quanto a Prefeitura Municipal de Uberlândia, pois, ao não proteger os interesses desses entes e cometer conduta que privilegiou particular, violou o pacto firmado com esta municipalidade e prejudicou o interesse dos servidores filiados ao sindicato”, aponta trecho da decisão que culminou na demissão, publicada na edição do dia 18 de outubro do Diário Oficial do Município.

A comissão processante que apurou os fatos ainda sugeriu a remessa de cópia do processo ao Ministério Público para providências cabíveis, uma vez que ficou configurada a prática de ilícito criminal e ato de improbidade administrativa. A atual diretoria do Sintrasp, que tomou posse em maio, informou que irá reinaugurar a área de lazer dos servidores em novembro, implantando novos projetos abertos à comunidade.

O Diário de Uberlândia tentou falar com a ex-presidente, mas as ligações caíram na caixa postal.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »