07/10/2018 às 09h00min - Atualizada em 07/10/2018 às 09h00min

Se você está com calor, imagina eles

Cães e gatos também sofrem com altas temperaturas; veterinária recomenda certos cuidados neste período

MARIELY DALMÔNICA
O husky siberiano Billy recebe tratamento especial dos donos para aguentar o calor, como frutas congeladas e gelo na água | Foto: Divulgação
No último mês, a temperatura de Uberlândia chegou aos 35°C, com a umidade relativa do ar atingindo uma das taxas mais baixas do ano. Se nós, humanos, já sofremos com o calor, imagine os animais de estimação. A pelagem dos cães e dos gatos, por exemplo, são como aquecedores térmicos naturais e suas glândulas sudoríparas estão localizadas apenas nos coxins, como são chamadas as almofadinhas das patas. 

Para evitar que os animais de estimação se sintam muito incomodados na primavera e no verão brasileiros, a veterinária Yasmin Rumin recomenda alguns cuidados, como passeios em horários com menor incidência de sol. “É melhor dar preferência para passear em um horário mais fresco. Devemos lembrar que a gente anda sempre calçado, mas eles não. É preciso ter cuidado com a patinha, porque ela queima mesmo. Se tiver muito quente, pega no colo”, disse. 

Segundo a veterinária, os donos também podem usar a criatividade na hora da alimentação. “Pode manter sempre a mesma ração e fornecer frutas frescas, que não sejam cítricas. Pode fazer picolé de banana, maçã e de água de coco natural, e colocar pedras de gelo na água. Tem bebedouro que tem a opção de colocar garrafinha, eu mesmo congelo as garrafinhas e troco duas vezes ao dia”, afirmou Yasmin. 

No mercado também existem itens para facilitar a vida dos proprietários e dos animais de estimação. “Tem vasilhas com um gel que mantém a água sempre gelada. É bom para quem não tem tempo livre para trocar a água sempre. E existe a fonte de água, a maioria dos gatos preferem porque a água é corrente e fresca”, disse a veterinária. 

HUSKY

O ideal é que alguns proprietários também saibam como cuidar das especificidades de cada animal. A estudante Ana Clara Borges, de 16 anos, é dona do Billy, um husky siberiano de 1 ano e 7 meses, que recebe cuidados especiais durante o ano todo. “Eu escolhi um husky pela beleza, imponência e por ser um animal exótico. Os cuidados que tomo são o de  passear diariamente, dar ração de ótima qualidade, rasquear quinzenalmente, dar banho uma vez por mês com boa secagem, além de dar remédios antipulgas e carrapatos mensalmente”, disse. 

A mãe de Ana Clara, a cirurgiã dentista Débora Faria Borges, disse que, desde que resolveu ter um husky em casa, estudou muito para cuidar do animal, e descobriu que ele se adapta bem ao clima quente, diferentemente do que dizem. “O Billy toma sol todos os dias por conta própria ao meio-dia. É um mito achar que eles sentem tanto calor. Em épocas quentes, a gente coloca pedras de gelo na água, damos frutas congeladas, como banana, e a ração continua a mesma. A pata de qualquer cachorro é muito sensível, então passeamos o mais cedo possível e à noite”, afirmou Débora. 

Segundo Débora, poucos cuidados diferenciam um husky de outros cães. “Em relação à raça, o que ele precisa é de ter um espaço grande, porque necessita de gastar energia. O Billy também não pode tomar muitos banhos, ele toma mensalmente porque a secagem dele é difícil, e mesmo no calor continuo dando uma vez ao mês”, disse.

CUIDADO REDOBRADO 

Atualmente, a publicitária Sabrina Ávila é dona de 11 cachorros, e, na época de calor, se desdobra para cuidar do Billie, da Frida, do Júnior, do Jack, do Bruce, da Matilda, da Nala, do Estopa, do Lobinho, do Botinha e do Timão, todos vira-latas. 

“Eu os deixo no lugar mais fresquinho da casa e como são muitos, lavo onde eles ficam todos os dias. Coloco água filtrada e gelada, e cubinhos de gelo na água para manter fresquinho. Passeio com eles só à noite e coloco um sachê na ração para ficar mais fresco e gostoso, mas eles comem pouco quando está muito quente”, disse Sabrina. 

A hora da brincadeira e a quantidade de banhos dos cachorros da Sabrina também mudam na primavera e no verão. “Eles amam brincar de bolinha, mas quando está calor, nós só jogamos bolinha para eles de noite. Dou banho em todos, todo final de semana, e durante a semana eu molho a nuca deles um pouquinho para refrescar”, afirmou a publicitária. 



Segundo a veterinária Yasmin Rumin, a frequência de banhos pode aumentar, mas é necessário ter cuidado com os cães mais peludos. “Tem muito animal que gosta de se molhar, é uma opção boa, mas temos que ter bastante cuidado com o fungo, principalmente os animais mais peludos, como o golden retriever e o shih-tzu. Tem que ter uma certa restrição, porque usar o secador também é ruim. O banho pode ser mais fresco, mas não gelado”, disse.

Yasmin ainda alertou que alguns cachorros, como o husky siberiano, devem tomar banhos mais espaçados. “Mas se o animal não tiver nenhum problema de pele, pode dar o banho uma vez por semana. Em relação à tosa, pode abaixar um pouco o pelo do animal, principalmente se ele é acostumado.” 

DOENÇAS

Yasmin disse que as zoonoses, doenças que passam dos animais para os humanos, são muito comuns nesta época do ano. “É importante ter cuidados nos passeios, não deixar o animal cheirar as fezes de outros cães e ter a consciência de coletar as fezes de seu próprio cachorro. A doença do carrapato também é muito comum agora, essa época de calor e chuva tem uma grande proliferação de carrapatos”, afirmou a veterinária. 

O ideal é vacinar normalmente, dar comprimidos e colocar coleiras contra carrapatos, segundo Yasmin. “Mesmo que o animal não tenha carrapatos, é bom prevenir, porque uma picada é suficiente para adoecer o animal”. 

ACIDENTES
Animais também podem ser vítimas de escorpiões


LÍVIA MARRA | FOLHAPRESS

Acidentes com escorpiões têm crescido no Brasil, e a dolorosa experiência não fica restrita a humanos -animais de estimação também podem ser vítimas. Tradicionalmente, picadas de escorpiões costumam aumentar a partir de setembro, graças ao clima quente e úmido, que facilita a proliferação do aracnídeo. 
Segundo a veterinária Carla Berl, diretora do Pet Care, é importante reconhecer rapidamente se um cão ou gato foi atacado, especialmente se o animal morar ou estiver em férias em área com registro de escorpiões. Caso apresente sintomas, deve ser levado imediatamente para atendimento médico.

A veterinária afirma que o pet pode chorar -o que demonstra dor-, lamber a região afetada, ficar inquieto, babar, ter pupilas dilatadas, tremores e até perder o controle de urinar e defecar, além de ficar muito ofegante e apresentar paralisia progressiva.

Quanto menor o bichinho, mais risco de morte ele corre. Por isso, o atendimento veterinário precisa ser rápido. A medicação aliviará a dor e os outros sintomas -não é usado soro antiescorpiônico em cães e gatos.

Ainda de acordo com Carla, esses mesmos sintomas podem ocorrer se o animal for picado por cobra ou por aranha marrom. Identificar a origem do ataque torna o tratamento mais eficaz.

COMO EVITAR
Manter casa e terreno limpos, sem madeira velha, folhagens, entulho e lixo acumulados pode manter escorpiões, cobras e aranhas afastados. Vedar ralos e frestas também ajudam a evitar acidentes.

Escorpiões têm hábitos noturnos, mas buscam esconderijos durante o dia. Podem se esconder em cantinhos, em um pano no chão e até dentro de sapatos.
Uma das explicações para o aumento de casos registrados é a fácil adaptação dos escorpiões ao ambiente urbano, que se expandiu com os anos, mas é fonte de abrigo e alimento.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »