25/09/2018 às 11h57min - Atualizada em 25/09/2018 às 11h57min

Amigos se reúnem para uma noite com música e arte para apoiar Valtênio Spíndola

ADREANA OLIVEIRA
Valtênio Spíndola durante o lançamento de seu livro “Náufrago”, em março passado | Foto: Noite Literária/Divulgação
O cartunista Valtênio Spíndola comemorou ontem 57 anos. O traço do artista é referência em Uberlândia, onde iniciou a carreira em 1981. Os tons fortes marcam sua charge divertida e crítica. Hoje ele ganha uma festa no Rock n´Beer feita por uma legião de amigos. Valtênio no momento está engajado numa luta contra um câncer que encara com seu costumeiro bom humor. Amanã à noite (26), além de celebrar a vida, a bilheteria será voltada para tratamentos alternativos do artista. Haverá ainda venda do livro “Náufrago” (Ed. Subsolo), lançado em março.

Chico de Assis, amigo de longa data Valtênio, reforça que ele esteve sempre ligado visceralmente com a produção de quadrinhos e humor gráfico na região, desde os primórdios no jornal “Primeira Hora”, publicações de fanzines como o “Kakunda” (1984), “Rabo de Galo” (1998), improvisando exposições como o “Salão de humor do bar do Cowboy” (1994), e sobretudo nas páginas do jornal “Correio de Uberlândia”, onde foi um dos principais responsáveis por abrir grande espaço para cartunistas locais no início dos anos 90, uma fase marcante na produção e difusão dos quadrinhos da cidade.

“Seu trabalho tem características muito próprias, ler os trabalhos do Valtênio é como andar pelas ruas do bairro, balcões de mercearia, pontos de ônibus, mesas de sinuca, bancas de feira livre, senhoras conversando na janela ou estendendo roupas no varal. Embora trate frequentemente de temas existenciais, de elaboração complexa, é sempre através da sensibilidade do “homem comum” do olhar cotidiano que esse discurso nos é apresentado”, disse ele que completa que Valtz é um artista sensível, que não se cansa de admirar as pequenas mágicas do dia a dia. “E sorte nossa, traduzi-las e registrá-las em seu magnifico traço”, elogiou Chico. Assim como sua arte atemporal, Valtênio tem uma gama de amigos de diferentes gerações e isso reflete no som que será tocado nesta noite.

Tem o punk rock da Don Dillinger, o balanço da Mafu, o rock do Rudes e ainda os vocalistas convidados Fábio Ferreira, Michel Platini (Platinados), Ariane Torga (Dama de Espadas), Maurício Ricardo (Octopus) e Ítalo Miranda (AP7). O bluesman Maurício Winclker e o guitarrista Beto Rosa integram a lista. “Considero o Valtênio é um sobrevivente da última safra de bons cartunistas do Brasil, junto com Angeli, Glauco, Laerte. Anarquista convicto, sempre que o vejo pelas ruas minha visão é de que ele poderia ser um dos personagens de Angeli. No show desta quarta a Mafu vai tocar para ajudar não só um amigo, mas um patrimônio criativo e sagaz de Uberlândia. Será uma bela reunião com amigos fazendo uma bagunça organizada para o Valtz segurar as pontas até poder voltar ao trabalho”, disse Alexandre Barbosa, baixista da Mafu.


Alexandre, Woody e Tico, da Mafu, prometem uma “bagunça organizada” nesta noite | Foto: Divulgação


SERVIÇO
O QUE: Show Apoio ao Valtz
QUEM: vários artistas
LOCAL: Rock n´Beer (Av. Floriano Peixoto, 18, Centro)
QUANDO: amanhã (26) – abertura da casa às 20h e início dos shows às 20h
INGRESSO: R$ 20 revertidos para tratamento do cartunista
INFORMAÇÕES: 3231-1772
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »