29/06/2018 às 08h16min - Atualizada em 29/06/2018 às 08h16min

Vacinação de crianças e grávidas continua baixa

Situaçã geral alerta; imunização foi ampliada a outros grupos

NÚBIA MOTA COM PORTAL DA SAÚDE
Mais de 2,5 mil doses foram aplicadas em pessoas que integram novos públicos-alvo (Divulgação)
Desde segunda-feira (25), quando a campanha de vacinação contra a gripe foi ampliada para novos grupos, nas unidades de saúde de Uberlândia foram aplicadas 2.562 doses em adultos de 50 a 59 anos e crianças de 5 a 9 anos. Os dados correspondem ao computado até quinta-feira (28). As vacinas ainda estão disponíveis para o público-alvo prioritário do início da campanha e serão distribuídas até acabarem os estoques. Uma das maiores preocupações é em relação às crianças e grávidas, grupos em que o índice de vacinação não atingiu a meta prevista, em Uberlândia, chegando a 65% e 60% do total, respectivamente.
Muitas mães ainda têm receio em vacinar os filhos por medo de alguma reação ou de piorar um quadro clínico, já que, nesta época do ano, são comuns as doenças respiratórias, alergias e outros tipos de enfermidade. É o caso, por exemplo, da analista fiscal Carla Cristina da Silva, mãe de Maria Fernanda, de 4 anos, e Maria Júlia, de 5, que ainda não foram vacinadas. Da primeira vez que a família procurou o posto de saúde, as meninas estavam gripadas e a atendente pediu para voltarem em outro dia. Da segunda vez, as doses da vacina tinham acabado e a mãe foi aconselhada a procurar uma Unidade de Atendimento Integrado (UAI). “Agora eu estou receosa, porque a Maria Fernanda tem sinusite muito forte, o tempo está muito seco e eu tenho medo dela vacinar e piorar ainda mais. Ainda vou definir com o pai delas se vacinamos”, disse Carla.  A analista fiscal disse que o medo de vacinar as filhas também se deve a um aborto espontâneo sofrido assim que ela própria foi imunizada contra a gripe.
Segundo o pediatra Alessandro Ribeiro Lemos, a vacina contra a gripe só não é indicada caso o paciente esteja com febre. Para crianças gripadas, que estejam tomando antibiótico ou que tenham problemas em decorrência do tempo frio, por exemplo, não há contraindicação. “As pessoas não vacinam por desinformação. É um equívoco. Não tem nada a ver falar que vai gripar ou piorar. A vacina não é feita do vírus vivo, é supersegura, tanto que é indicada para bebês de 6 meses. Vacinar é fundamental, ainda mais com os vírus em circulação”, afirmou.
O médico disse ainda que, recentemente, acompanhou duas crianças, em Uberlândia, um bebê de 7 meses e outro de 2 anos, que não vacinaram e foram internadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com suspeita de  Influenza. O vírus causador da gripe já matou 36 pessoas em Minas Gerais neste ano, segundo boletim divulgado nesta semana pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). Em Uberlândia, foram cinco mortes confirmadas.
 
IDOSOS

Entre o grupo de idosos, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, 105% da meta estipulada para vacinação contra a gripe foi atingida. Mas existem as exceções. Uma delas é a aposentada Maria Naves, de 78 anos, que não se vacinou e não sabia da prorrogação da imunização nas unidades de saúde de Uberlândia, Ela disse que, na semana passada, chegou a procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS), no bairro Bom Jesus, próximo a casa dela, mas as doses tinham acabado. Por telefone, o Diário de Uberlândia entrou em contato com a unidade e foi informado que novas vacinas chegaram, mas em número limitado. “Eu acho que agora eu vou lá. Estou com medo, mas vou”, disse Maria Naves, ao ser informada sobre o novo estoque. Na UBS do bairro Custódio Pereira, as doses da vacina também estavam em falta até a última semana, antes mesmo de acabar a campanha de imunização, mas segundo a atendente chegaram novas unidades.
A Secretaria Municipal de Saúde, por meio da assessoria de imprensa, disse que todas as doses foram repostas às unidades de saúde durante a campanha de vacinação e agora serão disponibilizadas até o fim do estoque.
 
Ministério da Saúde
 
Dobra o número de mortes em crianças de até 5 anos

  
O Ministério da Saúde já registra 44 mortes de crianças com até 5 anos por complicações relacionadas à gripe no Brasil. O número é mais do que o dobro do mesmo período do ano passado, quando foram 14 óbitos, e acende um alerta para pais e responsáveis levarem os pequenos aos postos de vacinação. Assim como em Uberlândia, em todo o país este grupo prioritário é o que registra menor cobertura vacinal, com 67,7% das 12,6 milhões que devem receber a vacina. Assim como as crianças de seis meses a 5 anos de idade, as gestantes também registram os menores índices de vacinação contra a gripe, com cobertura de apenas 71%.
O Ministério da Saúde reforça a importância da proteção com a chegada do inverno, período de maior circulação dos vírus da gripe e orienta estados e municípios que continuem a ofertar a vacina para grupos prioritários, em especial as crianças, gestantes, idosos e pessoas com comorbidades, público com maior risco de complicações para a doença.
A escolha dos grupos prioritários para a vacinação contra a gripe segue recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Essa definição também é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias. 
 
VACINAÇÃO UBERLÂNDIA

Cobertura vacinal total: 91,06%
Crianças – 65,21%
Trabalhador de Saúde – 92,39%
Gestantes – 60,98%
Puérperas – 69,21%
Idosos – 105,43%
Professores 135,50%
                   
Números de vacinas aplicadas: 
Primeiro grupo: 152.186 doses
Novo grupo: 2.562 doses
 
Poderão ser imunizados*
Crianças de 6 meses a 9 anos;
Adultos entre 50 a 59 anos;
Idosos com mais de 60 anos;
Trabalhadores da saúde;
Gestantes;
Puérperas (mulheres que estão amamentando);
Professores das redes pública e privada;
Profissionais do sistema prisional
Pessoas com doenças que aumentam o risco de complicações em decorrência da influenza.
A contraindicação da vacina é para quem tem alergia severa a ovo.
 
*Para tomar a vacina é necessário levar um documento de identificação e, se possível, a carteira de vacinação e cartão SUS. Quem tem doenças crônicas deve levar a receita da medicação que usa com data dos últimos seis meses.

Copa do Mundo
Na segunda-feira, dia 2, no dia do jogo da Seleção Brasileira, o atendimento das unidades de saúde será das 13h30 às 18h.                                                  
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »