26/06/2018 às 07h57min - Atualizada em 26/06/2018 às 07h57min

Ministro anuncia repasse de R$ 2,5 mi para a saúde

VERBA IRÁ HABILITAR 26 LEITOS NOS HOSPITAIS MUNICIPAL E DE CLÍNICAS

MARIELY DALMÔNICA | REPÓRTER
Anúncio foi realizado durante encontro entre autoridades no Centro Administrativo (Secom)
O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, anunciou, nesta segunda-feira (25), o repasse de R$ 2,5 milhões para ampliar a assistência hospitalar no Sistema Único de Saúde (SUS) em Uberlândia. Dessa verba, R$ 525,6 mil serão destinados para a habilitação de 10 leitos de Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCINCo) do Hospital Municipal, R$ 840,9 mil para habilitar 16 leitos de UCINCo no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU), e R$ 1,2 milhão para habilitar um serviço de cardiopatia congênita infantil. Também foi anunciada a doação de dois veículos para ações de vigilância no município O ministro se reuniu com o prefeito Odelmo Leão e representantes das microrregiões do Vale do Paranaíba (Amvap) e do Vale do Rio Grande (Amvale) durante evento realizado na tarde deste dia 25, em Uberlândia. Os principais pontos discutidos durante a reunião foram a falta de leitos no HC-UFU e no Hospital Municipal, a falta de verbas para investimento e contratação de novos médicos em outros municípios da região, e a não conclusão das obras das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Córrego do Óleo, Novo Mundo e Pacaembu. „ HC-UFU O reitor da UFU, Valder Steffen Júnior, representou o Hospital de Clínicas durante a reunião e afirmou que o hospital precisa de mais leitos e de um maior repasse para o funcionamento e finalização das obras de ampliação, que tiveram início em 2012. “O Hospital tem uma dupla função: ele é um cenário de práticas para os estudantes e também tem a responsabilidade de atender a população, [por isso] precisamos finalizar nossas obras”, disse. O investimento inicial era de R$ 94 milhões e, com as atualizações, o montante da obra ultrapassa R$ 120 milhões. Como o HC é vinculado ao Ministério da Educação (MEC), o ministro da Saúde afirmou que entrará em contato com os representantes do órgão. “O MEC tem cerca de 50 hospitais federais no Brasil inteiro e ele que tem feito esses repasses. Mas eu me coloco à disposição para ser um interlocutor em Brasília”, afirmou. De acordo com informações divulgadas pelo Ministério da Saúde, além do repasse para assistência hospitalar anunciado durante a reunião realizada nesta segunda-feira, o hospital recebe por ano R$ 7,8 milhões de Incentivo à Adesão à Contratualização ao SUS e R$ 2,8 milhões da Rede Cegonha, iniciativa voltada para o acompanhamento da mulher durante o pré-natal, parto e pós-parto. No ano passado, a unidade também recebeu um recurso de R$ 18,8 milhões através do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), parceria do MEC e da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). Atualmente, o HC possui 507 leitos, o que representa mais de 50% da capacidade de atendimento da cidade e quase 50% das internações registradas na região. „ UPAS Durante a reunião, Occhi também afirmou que poderá haver mudanças em relação às três UPAs que tiveram as obras iniciadas em Uberlândia. O ministro, no entanto, descartou mais repasses para a continuidade ou conclusão das obras. “Uma UPA de qualquer modelagem tem um custeio grande porque exige uma equipe médica que funcione 24h por dia. E o Presidente da República autorizou que, caso haja situações dessa natureza, pode ser pedida a transformação em uma UBS [Unidade Básica de Saúde], por exemplo, porque ela não funciona o dia todo”, afirmou. Neste mês, o Ministério da Saúde revogou uma Portaria de 2010 que habilitava o Município de Uberlândia a receber investimento para a construção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Córrego do Óleo, no bairro Mansour, na zona oeste. O motivo, segundo consta em uma publicação do Diário Oficial da União, é o descumprimento do prazo para a entrega da obra. Ainda de acordo com o documento, a União já repassou R$ 1.950.000 de um total de R$ 2,6 milhões previstos na proposta aprovada em 2010. A UPA Córrego do Óleo começou a ser construída em 2014 com previsão de término no ano seguinte, quando o trabalho foi interrompido ainda na fase de montagem da estrutura metálica. Atualmente, a obra está abandonada, com o material exposto e com risco de sofrer deterioração com o tempo. Das três UPAs que foram iniciadas em Uberlândia, a do Córrego do Óleo é a que menos teve continuidade – 25% das obras foram concluídas. A UPA Pacaembu foi a única a ser concluída e entregue no fim de 2016. Ela chegou a adquirir mobília, mas apesar disso, nunca entrou em funcionamento. 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »