13/06/2018 às 09h12min - Atualizada em 13/06/2018 às 09h12min

Número de casos de dengue diminui 40% em 2018

Apesar da queda, Ministério da Saúde alerta para a necessidade de intensificar ações de combate ao mosquito

MARIELY DALMÔNICA | REPÓRTER
Município atribuiu queda ao aumento de ações de combate ao mosquito, inclusive em casas (Secom/PMU)
Os casos de dengue confirmados no município diminuíram 40,5% em relação ao ano passado. Os dados são da Prefeitura de Uberlândia e correspondem aos cinco primeiros meses de 2018. Mesmo com a queda, o Ministério da Saúde alerta para a necessidade de se intensificar as ações de combate ao mosquito Aedes aegypti durante o outono e inverno em todo o país.
Segundo dados da Secretaria de Saúde, Uberlândia registrou 813 casos de dengue de janeiro a maio deste ano, enquanto em 2017 foram confirmados 1.367 casos no período equivalente. Em 2016 os números foram altos, com 8.691 casos confirmados no mesmo período.
“O número de casos se dá pela conjugação de outros fatores determinantes e não apenas pelo fator dos níveis de infestação em um determinado território, como por exemplo: se existe ou não destinação correta do lixo, existência de tratamento adequado do saneamento básico, maior ou menor intensidade de migração da população, nível de envolvimento das pessoas no cuidado com os domicílios, notificação e acompanhamento dos casos prováveis em tempo oportuno”, disse Fernando Rodrigues, referência técnica em endemias da Superintendência Regional de Saúde de Uberlândia.
José Humberto Arruda, coordenador do Programa Municipal de Controle da Dengue, disse que ações foram intensificadas para conter as infestações na cidade nos últimos anos. “Estamos fazendo ações específicas para cada problema. Nós conseguimos acompanhar as pessoas com casos suspeitos, encontramos os focos e evitamos que outras pessoas peguem a doenças. Também recadastramos borracharias e recolhemos 22 mil pneus a cada mês”, afirmou.
Ainda segundo o coordenador, mesmo com a recomendação do Ministério da Saúde, o período de estiagem costuma ser mais tranquilo em relação à infestação de Aedes aegypti. “A dengue acompanha o período chuvoso e os picos da doença são no começo de maio. Neste ano não tivemos surto e vamos nos preparar para que o número de casos seja ainda menor no próximo ano”, disse.
 
ZIKA E CHIKUNGUNYA
 
Segundo dados da Secretaria de Saúde, os casos de zika vírus e chikungunya também diminuíram neste ano. De janeiro a maio de 2018, seis casos de zika vírus foram confirmados, o que representa uma queda de 50% em comparação à mesma época do ano passado.  
Já com relação à febre chikungunya, foram cinco casos confirmados neste ano, o que representa uma queda de 28% em comparação com 2017 (sete casos) e de 92,7% em relação à 2016, quando foram confirmados 69 casos.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »