28/05/2018 às 13h38min - Atualizada em 28/05/2018 às 13h38min

Ceasa abre com 80% de desabastecimento nesta segunda

Alta de preços também é consequência da greve dos caminhoneiros

VINÍCIUS LEMOS | REPÓRTER
 
A Ceasa de Uberlândia abriu com 80% de desabastecimento de produtos e com itens até 400% mais caros nesta segunda-feira (28). A redução na oferta se deu por causa da paralisação dos caminhoneiros, que chegou ao seu oitavo dia. Cálculos da própria central de abastecimento mostram que a normalização pode demorar cerca 15 dias, caso caminhões voltem a entregar produtos.

A reportagem do Diário de Uberlândia fez um levantamento que mostrou que frutas como maçã, kiwi, nectarina, melão, melancia e abacaxi já não são facilmente encontradas na Ceasa. Demais produtos importados também faltam. Entre os produtos ainda encontrados na Ceasa, nota-se que a quantidade também está reduzida, como é o caso de banana, chuchu, abobrinha e outros produtos produzidos em municípios próximos a Uberlândia.

O funcionamento da central de abastecimento hoje foi reduzido, uma vez que nos últimos dias, dos cerca de 500 caminhões que eram esperados na unidade, apenas 20 chegaram.

PREÇOS ALTOS

Alguns produtos tiveram grandes altas nos preços. A saca de 60kg de batata, por exemplo, que estava a R$ 80 antes da paralisação dos caminhoneiros, hoje foi vendida a R$ 400. A caixa de tomate saltou de R$ 50 para R$ 150. Outro produto que teve forte aumento foi a cebola, cuja saca aumentou de R$ 60 para R$ 200.

O alho aumentou quase três vezes na unidade e teve o preço reajustado hoje para R$ 300, sendo que o preço anterior era de R$ 110 a caixa.

SEM GÁS

O Diário entrou em contato com cerca de 30 revendas de gás em Uberlândia e o produto não foi encontrado durante a manhã desta segunda-feira (28). Dos poucos estabelecimentos que funcionavam e não dispensaram os funcionários, nenhum deles tinha o produto para pronta-entrega.
 
 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »