05/03/2018 às 20h02min - Atualizada em 05/03/2018 às 20h02min

Uberlândia inicia ano com saldo negativo em emprego

Foram 130 postos fechados em janeiro; número é puxado pelo Comércio

VINÍCIUS LEMOS | REPÓRTER
Saldo negativo é puxado pelas dispensas no Comércio das vagas de Natal | Foto: Vinícius Romario

Uberlândia começou o ano com o fechamento de 130 vagas de trabalho, de acordo com os dados de janeiro do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O resultado é puxado principalmente por demissões no comércio, que estão relacionadas, em sua maioria, às contratações temporárias de Natal. O saldo negativo, no entanto, é visto com naturalidade pelo setor, que espera por mais contratações ao longo do ano.

No primeiro mês de 2018, ao todo 8.258 pessoas foram contratadas, contra 8.388 demissões no mesmo período. O saldo negativo de 130 vagas, entretanto, se mostrou melhor que o de janeiro de 2017, quando 369 postos de empregos foram fechados.

Começar o ano com o saldo no vermelho em empregos é tido pelo mercado com algo normal. Segundo a gerente executiva da Fundação CDL, Bânia Poli, empresas que não conseguiram vender o esperado para o fim de ano também passam a cortar custos em janeiro. “Não só [funcionários] temporários são demitidos. Há demissões para reduzir quadros e se ajustarem”, explicou.

O número registrado em janeiro deste ano também não assusta. Bânia Poli lembrou que há outros fatores e setores que têm grande rotatividade e que colaboram com os números gerais do Município, como os serviços. Um levantamento apenas entre as vagas oferecidas pelo Sine e pela Fundação CDL mostra quase 200 vagas em aberto hoje na cidade em diversas áreas. Número que, sozinho, é maior que o saldo negativo de janeiro. No caso da CDL, as contratações desejadas são, principalmente, de analistas, assistentes e para vendas.

SETORES

Dentro dos setores, segundo o Caged, o comércio teve o pior resultado, com o fechamento de 285 postos de emprego. Ele foi seguido, pela agropecuária, que teve 156 desligamentos a mais do que contratações no período. O setor de serviços, que normalmente têm grande empregabilidade, fechou 52 posições de trabalho no primeiro mês deste ano.

Já entre os resultados positivos, destacou-se a indústria de transformação, que abriu 163 vagas em janeiro e foi o grande empregador. Em primeira análise, o resultado do setor está ligado à safra de verão no Município. Enquanto isso, a construção civil começou o ano com 152 admissões a mais que demissões.

CONTRAMÃO

Uberlândia esteve na contramão de Minas Gerais, que em janeiro, segundo o Caged, contratou 139,7 mil pessoas ao mesmo tempo em que registrou 131,3 mil desligamentos. O saldo do período foi positivo em 8,3 mil posições de trabalho.

Enquanto isso, em todo o País, houve a criação de 77,8 mil novos postos formais de emprego. O resultado é o melhor para um mês de janeiro desde 2012 e é a primeira vez desde 2014 que as contratações superam as demissões. O saldo é resultado de 1,3 milhão de admissões e 1,2 milhão de desligamentos.
 
CAGED – JANEIRO/2018

- UBERLÂNDIA
Contratações: 8.258
Desligamentos: 8.388
Saldo: -130 vagas
 
Indústria de Transformação
Contratações: 857
Desligamentos: 694
+163 vagas
 
Comércio
Contratações: 1958
Desligamentos: 2243
-285 vagas
 
- MINAS GERAIS
Contratações: 139.731
Desligamentos: 131.395
Saldo: +8.336 vagas
 
- BRASIL
Contratações: 1.284.498
Desligamentos: 1.206.676
Saldo: 77.822 vagas
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »