14/02/2018 às 17h43min - Atualizada em 14/02/2018 às 17h43min

Campanha católica aborda a violência

Tema vai nortear ação da Igreja durante a Quaresma, que teve início hoje, Quarta-feira de Cinzas

ISABEL GONÇALVES | REPÓRTER
Padre benze cinzas que são usadas para ungir fiéis durante as missas que abrem a Quaresma / Foto: Melissa Ribeiro

A Quaresma, tempo de oração, silêncio e penitência que prepara os cristãos para a Semana Santa, teve início hoje, Quarta-feira de Cinzas. Nestes 40 dias, a Igreja Católica desenvolve a tradicional Campanha da Fraternidade, quem em 2018 traz o tema: Fraternidade e superação da Violência. Já o lema será “Em Cristo somos todos irmãos (Mt 23,8)”.

Segundo o padre Claudemar Silva, vigário do Santuário Nossa Senhora Aparecida, esta é a segunda vez que a violência é abordada como tema central da campanha, a primeira foi em 1983. “Durante a Quaresma, um tempo de maior sensibilidade e reflexão entre os cristãos, nós aproveitamos para propor algumas ações. Sabemos que vivemos em um contexto de violência, seja no trânsito, em casa, nos espaços de convivência. Nesse sentido, queremos propor que os católicos sejam agentes transformadores”, disse.

Segundo Silva, o Brasil é retratado como pacífico, mas dados evidenciam uma cultura de violência disseminada pelo país. “Segundo dados do Ipea, o número de mortes violentas no Brasil supera os índices registrados em países em guerra civil. Já conforme o Atlas da Violência de 2017, cerca de 318 mil jovens brasileiros foram mortos entre 2005 e 2015. São muitas pessoas assassinadas e o perfil geralmente é o mesmo: jovens, pobres e negros”, afirma.

Para o padre, esses dados sociais ligados à violência acabam passando despercebido na nossa rotina. “Muitas vezes, as desigualdades sociais são tidas como naturais. Por isso, os pobres, as pessoas relegadas às periferias, que não têm a assistência pública que deveriam ter, acabam ficando a mercê do tráfico e de outros tipos de violência. O problema é que isso, em geral, não nos choca, nos preocupa ou nos causa uma repulsa. A Igreja se preocupa e lança novamente esse tema, no intuito de mobilizar a sociedade em geral e pensar ações coletivas para, caso não seja possível erradicar, ao menos minimizar essa violência”, disse.

Questões macro, como tráfico de drogas e um alarmante movimento pela revisão do estatuto do desarmamento, devem ser tratadas durante a Campanha da Fraternidade 2018, conforme o vigário. Além disso, durante a quaresma, a Igreja também pretende abordar a violência cotidiana, que envolve crimes passionais, agressividade no trânsito, entre outros. 
 
MISSAS
 
A participação de fiéis nas missas programadas para a Quarta-feira de Cinzas (14) no Santuário Nossa Senhora Aparecida foi acima do esperado pelo padre Claudemar Silva. “É um dia de trabalho, o comércio já voltou a funcionar e, mesmo assim, o número foi muito bom. Tivemos uma participação como nas missas de domingo e a resposta foi bem expressiva por parte dos fiéis”, disse.

Em Uberlândia, várias missas foram realizadas ao longo do dia. Durante as celebrações, os católicos foram ungidos com cinzas na testa com sinal de humildade e de reconhecimento da fragilidade humana.
 
ORAÇÃO
 
No último dia 4, o Papa Francisco convocou cristãos e não-cristãos para um dia de oração e jejum em favor da Paz, que será celebrado no próximo dia 23.

Na Quaresma, os católicos são orientados a exercitar o jejum, a esmola e a oração. Em seu texto, o Papa reiterou que “dedicando mais tempo à oração, possibilitamos ao nosso coração descobrir as mentiras secretas com que nos enganamos a nós mesmos para procurar finalmente a consolação em Deus”.

O pontífice também defendeu que a prática da esmola liberta da ganância. “Como gostaria que a esmola se tornasse um verdadeiro estilo de vida para todos!”, escreveu.

Por fim, a respeito do jejum, Francisco afirma que a prática ”tira força à nossa violência, desarma-nos, constituindo uma importante ocasião de crescimento”.

Francisco também citou a iniciativa “24 horas para o Senhor”, que convida a celebrar o sacramento da Reconciliação num contexto de adoração eucarística. Em 2018, ela será celebrada nos dias 9 e 10 de março, inspirando-se nestas palavras do Salmo 130: “Em Ti, encontramos o perdão”. Em cada diocese, pelo menos uma igreja ficará aberta durante 24 horas consecutiva, oferecendo a possibilidade de adoração e da confissão sacramental.
 
SERVIÇO
 
No dia 23 o Santuário Diocesano Nossa Senhora Aparecida promoverá o dia de oração, conforme a programação a seguir:
 
7h:   Santa Missa pela Paz e abertura do dia de oração e jejum
8h:   Exposição do Santíssimo Sacramento
12h:  Oração do Santo Terço (Mistérios Dolorosos)
15h:  Oração do Terço da Misericórdia e da Providência
18h:  Oração do Santo Terço (Mistérios Gloriosos)
19h:  Santa Missa pela Paz e encerramento do dia de oração e jejum
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »