24/01/2018 às 05h27min - Atualizada em 24/01/2018 às 05h27min

Roubo de veículos caiu 32% no ano passado

Aumento de crimes violentos é atribuído à mudança de metodologia do comando

WALACE TORRES | EDITOR

O índice de roubo de veículos registrado pela Polícia Militar em Uberlândia nos últimos doze meses apresentou uma redução de 32,11% em relação ao período anterior. O número caiu de 710 roubos em 2016 para 482 no ano passado. As ocorrências de furtos de veículos também tiveram queda de 3,64% no mesmo período, apesar desse tipo de abordagem ser bem mais frequente que o roubo, que é diferenciado do furto em função da existência do contato entre o infrator e a vítima. Foram 1.759 furtos de veículos em 2016 e 1.695 no ano passado.

Os dados fazem parte do balanço operacional referente a 2017 da 9ª Região de Polícia Militar (9ª RPM) divulgado na última semana.

Ainda de acordo com os dados, durante o ano de 2017 houve um aumento de 25% nos crimes violentos registrados em Uberlândia, com destaque para a quantidade de homicídios, que cresceu 15% nos últimos doze meses. Foram 99 ocorrências de assassinatos registradas em 2017 pela Polícia Militar na cidade ante 86 verificadas no ano anterior. A PM atribui esse aumento à mudança de metodologia implementada pelo novo comando desde o início do ano passado.

“Antes, as condutas similares tinham apenas um registro, portanto não retratavam a realidade. Agora não. Fizemos as correções e hoje temos dados reais da situação na região”, diz o comandante da 9ª RPM, Coronel Cláudio Vitor Rodrigues Rocha, ressaltando que os números apresentados em 2017 remetem às estatísticas verificadas no período de 2011/2012. “Mesmo passados seis anos, estamos com dados bastante favoráveis. Temos a 8ª posição no ranking do Estado em termos de crimes violentos e somos a segunda maior cidade do Estado. Significa que o trabalho teve um resultado positivo”, diz o comandante.

Segundo o comandante , a região de Uberlândia era a única do Estado que tinha um parâmetro diferente das demais no registro dos crimes continuados. Pelo sistema antigo, um crime que desse sequência a outras ocorrências, era registrado uma única vez. Três assaltos a comércio que ocorressem na mesma noite e que tivessem as mesmas características dos autores, por exemplo, eram registrados numa única ocorrência policial. Com a mudança, cada ação passou a ser registrada individualmente.

Com relação ao número de homicídios, o comandante destacou que um dos principais problemas em Uberlândia é o crime passional, especialmente a violência contra a mulher. “Nesse tipo de ação, temos a Patrulha de Prevenção à Violência Doméstica. Mas há casos que não conseguimos fazer a prevenção por ser intramuros, ou seja, o crime acontece dentro de casa ou começa em casa”, diz.

OUTRAS OCORRÊNCIAS 

Ao longo do ano passado, a Polícia Militar atendeu mais de 165 mil chamadas pelo número 190 em toda a área de abrangência da 9ª RPM, das quais 144 mil foram somente de Uberlândia.

Na cidade, foram realizadas 9.357 prisões de infratores. O maior número de prisões foi com relação ao tráfico de drogas (2.177 prisões), seguida por autores de roubos (740). Nos doze meses, a PM recuperou 1.592 veículos, apreendeu 349 armas de fogo e outros 56 artefatos que simulavam armamentos.

A implantação do Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) na 9ª RPM foi outra novidade e gerou economia em dinheiro e tempo para a corporação, que não precisou se deslocar até uma Delegacia de Polícia para registrar os eventos decorrentes de infrações de menor potencial ofensivo. “Com isso, conseguimos manter a viatura no local de policiamento e aliviar a Polícia Civil para priorizar a investigação de crimes de maior potencial ofensivo”, disse o comandante.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »