31/12/2017 às 05h49min - Atualizada em 31/12/2017 às 05h49min

Bancos e contas digitais oferecem menores taxas

Praticidade e despesas menores têm ampliado procura por serviços online

LAURA FERNANDES | APRIMORAMENTO PROFISSIONAL
Acesso a contas e bancos digitais pode ser feito por computadores ou por meio de smartphones / Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos públicas

 

Muitas vezes, os gastos com as tarifas bancárias não são colocados na ponta do lápis, mas acredite, ao final, pesam bastante no bolso. De acordo com especialistas, o brasileiro gasta, em média, R$ 240 por ano com as transações bancárias. Se por um lado as despesas assustam, por outro, o mercado tem dado opções para quem quer reduzi-las: as contas e os bancos digitais.

Contas digitais são como extensões dos bancos físicos. O sistema atua via internet ou a partir de caixas eletrônicos e disponibiliza quase todos os serviços ofertados em bancos tradicionais, exceto emissão de cheques e atendimento interno. Os bancos digitais, por sua vez, disponibilizam todos os serviços de um tradicional, mas atuam exclusivamente via internet.

As duas movimentações proporcionam maior conforto, agilidade e ofertam redução da taxa de serviços. De acordo com o educador financeiro Sandro Borges, o gasto com as transações realizadas em bancos digitais, por exemplo, gira em torno de R$ 80 anuais, resultando em uma economia, em média, de R$ 160 se comparado às taxas cobradas pelos bancos tradicionais.  Nas contas digitais, por sua vez, sequer há cobrança de taxas.

Além da redução da despesa, Sandro Borges destaca a comodidade oferecida pelos serviços digitais. “Você não enfrenta filas, não paga estacionamento e economiza tempo”, afirma. Segundo ele, tanto os bancos quanto as contas digitais apresentam sistemas seguros e fundo garantidor em caso de fraudes.

“Embora a gente saiba que é possível de ser hackeado, o serviço é todo criptografado. O cliente tem sim segurança para fazer pagamentos, realizar as transações de sua residência e não ter seus números descobertos. Por mais que você não esteja vendo, há uma pessoa que responde pelo serviço”, disse.

O público alvo de bancos e contas digitais são pessoas com faixa etária entre 18 a 40 anos, que estão imersas ou pegaram o surgimento da internet. Embora os serviços estejam ganhando espaço, há quem ainda tenha receio em fazer a adesão. Caso este seja o seu caso, mas ainda assim você tenha interesse nas facilidades e benefícios ofertados, Sandro Borges indica migrar pequenas aplicações e valores aos serviços digitais para conhecer e ganhar confiança em todo sistema.

 

PRATICIDADE

Clientes ressaltam as vantagens dos serviços

O analista de serviços Bruno Rafael do Prado até tem conta em um banco físico, mas apenas para receber o salário da empresa em que trabalha. Há cerca de um ano, ele abriu uma conta em um banco digital atrás de praticidade e baixas tarifas e, desde então, concentra suas transações por lá. "Normalmente eu recebo meu salário, faço o saque e deposito na conta digital. Por lá eu faço as transações ao longo do mês", disse.

O analista afirmou que a taxa de transferência é de R$ 9,50 por transação em seu banco físico, que também tem limite de saque e emissão de extratos, além de outros tributos. Já no banco digital é cobrada uma taxa de assinatura mensal de R$ 9,90 e quase todas as transações são ilimitadas, exceto emissão de cheque, que não é disponibilizada . "Faço mais de uma transferência no mês e pago de mensalidade o que o outro banco cobra por transação", afirmou.

Para abrir uma conta, Prado preencheu um formulário no aplicativo, com anexo de fotos do rosto, do documento de identidade e comprovante de endereço atualizado. O retorno do banco levou cerca de 15 dias. Foi enviada uma senha para entrar no aplicativo do banco e finalizar a conta. O cartão chegou depois de quinze dias.

O analista explica que, a princípio, chegou a ter receio em adquirir os serviços por duvidar de sua segurança, mas, atualmente, confia no serviço. "Não existe uma agência física para você visitar, mas esses bancos online são empresas, pessoas jurídicas registradas legalmente e que respondem legalmente como qualquer outra", finaliza.

O publicitário Pedro Primo Horta da Cunha também utiliza os serviços de um banco digital há cerca de dois anos. Diferente de Prado, o publicitário tem apenas contas digitais, sendo uma no banco Superdigital e outra no Original. Ele conta que optou mudar de plataforma para operações bancárias por causa da praticidade e economia. "Eu gastava em média R$ 90,00 por mês com bancos tradicionais, entre taxas e tarifas de utilização. Hoje pago R$ 9,90 por cada pacote", explica.

 

POSSIBILIDADES

Bancos físicos ofertam economia em contas digitais

Extensão dos bancos tradicionais, a conta digital também é uma solução para diminuir os gastos com tarifas bancárias.  Segundo o educador financeiro Sandro Borges, esta opção tem ganhado cada vez mais mercado.

"Os bancos tradicionais enxergaram isso de um tempo para cá e estão só melhorando seus serviços. Você tem 24h para fazer consultas, transferências onlines e pagamentos de boletos. O custo passou a ser menor porque o banco tradicional percebeu que tinha que se atualizar", explicou.

Além disso, o Banco Central (BC), através de resolução de 2010, obrigou todos os bancos a disponibilizar aos clientes pessoas físicas uma modalidade de conta corrente sem tarifa de manutenção, chamada de Serviços Essenciais.  Este serviços, segundo a resolução, não podem ser cobrados.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »