27/09/2017 às 14h34min - Atualizada em 27/09/2017 às 14h34min

Um morre e dois ficam feridos em desabamento de obra

Trabalhadores voluntários construíam igreja no local

VINÍCIUS ROMARIO | REPÓRTER
Canteiro de obras era formado por voluntários que construíam igreja em regime de mutirão / Foto: Vinícius Romario

 

Um trabalhador morreu e outros dois ficaram feridos após um desabamento de terra em uma obra no início da noite de terça-feira (26), no bairro Tibery, na zona leste de Uberlândia. No local, voluntários em regime de mutirão construíam uma igreja da Congregação Cristã do Brasil. A Defesa Civil esteve no local ainda no dia do acidente e interditou a obra.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, os três faziam escavações quando a terra desabou. Paulo Henrique Mendes, de 41 anos, ficou totalmente soterrado, foi socorrido inconsciente e levado para o hospital, mas não resistiu e morreu. A segunda vítima ficou com a terra até a cintura e foi levada para a Unidade de Atendimento Integrado (UAI) do bairro, mas já recebeu alta. O terceiro trabalhador teve apenas escoriações e dispensou atendimento médico.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil, João Batista Afonso, o canteiro de obras foi interditado, porém, uma escavação feita rente a uma casa ao lado também pode desabar. “Vamos liberar somente esse pedação para que coloquem estacas e façam o escoramento, caso o contrário, parte da casa ao lado também pode desabar”, disse Afonso.

Já em relação à obra, Afonso afirmou que é necessário esperar a avaliação de engenheiros para saber se havia alguma irregularidade. “Pelo que conferimos até o momento, os papeis e documentos estão em dia, mas precisamos saber qual eram as condições de trabalho do canteiro de obras”, ressaltou Afonso.

Fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) também foram até o local durante a tarde de hoje. “Ainda temos informações preliminares e agora esperamos as investigações do nosso engenheiro de segurança que irá avaliar as causas, entrevistar pessoas que estavam aqui no momento do acidente e fazer um laudo que pode levar cerca de 30 dias”, disse o delegado do MTE, Juracy Reis.

Ainda segundo ele, até o fim da manhã de hoje, ninguém havia se apresentado como responsável pela obra.

No mesmo período, fiscais do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção e do Mobiliário de Uberlândia, Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (Sinticom-Tap) estiveram no local e constataram irregularidades. De acordo com eles, em uma primeira avaliação, foi possível confirmar que o escoramento utilizado na escavação foi feito de maneira errada.

A reportagem conversou com responsáveis pela Congregação Cristã do Brasil, mas eles não quiseram se pronunciar. 


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »