16/07/2017 às 04h26min - Atualizada em 16/07/2017 às 04h26min

Feira destaca mulheres que são empreendedoras

Representantes de diferentes segmentos encontram um espaço para mostrar seus produtos a um público diversificado

ADREANA OLIVEIRA | EDITORA
Maria Cláudia Nunes participou da feira pela primeira vez e sonha em ter a própria cozinha industrial / Foto: Adreana Oliveira

 

Maria Cláudia Nunes do Carmo Silva não tem curso superior. Trabalha desde que se entende por gente na área de alimentação, como cozinheira. Mas a falta de uma faculdade não a impede de sonhar e nem de empreender. Maria Cláudia era uma das 40 expositoras que participaram, na última quarta-feira (12), da 3ª edição do ano da Feira de Oportunidades promovida pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL). O tema: Mulheres Empreendedoras.

"Participei de um café para empreendedores, onde tomei conhecimento da feira. Estou participando pela primeira vez e gostei muito do espaço. O tema também me chamou a atenção. Me senti acolhida e é gratificante ver outras mulheres conquistando seu espaço e batalhando por um futuro melhor", disse a cozinheira.

A ideia para empreender veio do ramo que sempre trabalhou. O Geração Fit é um projeto desenvolvido pela ONG Ação Moradia, com patrocínio da Cargil e funciona no bairro Morumbi. Foi ali que Maria Cláudia e outras cozinheiras começaram a conhecer e produzir alimentos mais saudáveis. "Eu já fornecia salgados para festas e vi no Geração Fit uma oportunidade ótima de levar uma alimentação mais equilibrada para os eventos. Os clientes gostaram e esse impulso me mostrou que sonhar é possível", disse a cozinheira.

Para Maria Cláudia, cursos de capacitação e o ato de cozinhar em si são mais que atividades corriqueiras, já foram o que considera uma tábua de salvação. "Foi meu trabalho que literalmente me tirou do buraco, da depressão. Sobrevivi a um câncer e toda essa atividade fez com que eu ficasse forte novamente. Ainda continuo sonhando. O próximo passo é ter minha própria cozinha", afirma ela, que ainda trabalha na cozinha da ONG no bairro Morumbi.

Além do segmento de alimentação, estavam bem representadas as áreas de vestuário, calçados, acessórios, beleza, fitness, bem-estar, entre outros. Era possível encontrar bancas de tradicionais potes plásticos a novas técnicas para desenvolvimento pessoal. Sílvia Nascimento levou os livros de um produto, segundo ela, ainda pouco conhecido: a terapia dianética, desenvolvida por L. Ron. Hubbard (1911-1986) em 1950. "É uma teoria que comprova que através da mente você pode eliminar as causas de todos os seus problemas", explica ela que gostou do espaço da feira, da qual participa pela primeira vez, e também da temática.

 

IMAGEM POSITIVA

Para visitante, presença dos jovens é um ponto positivo da feira

Lenice Severino da Silva é aposentada. Visitava a Feita de Oportunidades da CDL com espírito aberto. Ela queria ver o que as mulheres empreendedoras de Uberlândia estão fazendo e não tinha certeza do que iria encontrar. "Estou vendo muitas jovens por aqui e sou do tipo que acredita na juventude. O que mais me chamou a atenção é a disposição diferente do que tenho visto em casa. Se assisto aos noticiários tudo é crise. Aqui, percebo uma realidade diferente, com gente empenhada em tornar o cenário mais positivo", comenta.

Para Lenice, a diferença dos setores representados na feira também é um atrativo a mais para os visitantes. "Tem banca de livros aqui, eu considero quem vende livros hoje pessoas muito corajosas", disse a ex-professora.

Também na área da educação, a pedagoga Luma Lemos resolveu mudar de ramo há dois anos. Já é a segunda vez que participa da feira e voltou porque percebeu a iniciativa como uma oportunidade para divulgar a sua marca de camisetas femininas personalizadas. Luma tem 28 anos e há dois decidiu se dedicar a algo que gosta e tem prazer em fazer. "Sempre gostei de peças personalizadas, me inspirei em outras marcas e o que faço é dar um upgrade em uma peça básica como a camiseta, que pode ganhar ares diferentes com os bordados", disse a empreendedora.

 

AÇÃO SOCIAL

ONG recebe doação de alimentos adquiridos no ato da inscrição

Segundo Naila Corrêa, analista de Marketing da CDL, a procura por um espaço na Feira de Oportunidades é grande. "O espaço é pequeno, por isso não temos como atender a mais marcas de uma só vez", explica. A feira é aberta a sócios e não-sócios da CDL. "Consideramos essa feira como um grande bazar aberto ao público e não temos limitação de segmentos", disse Naila. Quem quiser participar da próxima edição, que acontece em 12 de setembro, pode procurar a CDL para garantir um lugar. Ao todo, são cinco feiras durante o ano.

Rhina Aquino é proprietária de uma franquia de chocolates há três anos em Uberlândia e já conhecia a feira como visitante. Dessa vez, resolveu participar e aprovou o resultado. "É uma excelente forma de divulgação para um público diferenciado e nesta edição, especialmente, para mulheres empreendedoras, é um orgulho para nós ocuparmos este espaço", afirmou a empresária.

A feira também tem um lado solidário. As inscrições são gratuitas, mas é pedida a doação de um quilo de alimento não perecível para doação a instituições da cidade, como a Estação Vida, do bairro Shopping Park. A coordenadora da ONG, Leoni Nunes Pereira Morais, disse que há dois anos participa também com a banca de artesanatos produzidos pela comunidade. "Além disso recebemos a doação dos alimentos, que nos ajuda muito porque servimos quatro refeições ao dia na ONG", afirma.

A ONG atende a crianças entre 6 a 16 anos de idade da comunidade do Shopping Park com atividades educacionais e culturais fora do horário escolar.

 

SERVIÇO

Para saber mais sobre a Feira de Oportunidades da CDL e também sobre palestras, cursos e oficinas abertas a sócios e não sócios acesse o site.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »