11/06/2017 às 05h49min - Atualizada em 11/06/2017 às 05h49min

Hábito da leitura é maior na região Sudeste

104 milhões de brasileiros valorizam a cultura da leitura

VINÍCIUS ROMARIO | REPÓRTER
Ana Gabriela: “Ler é melhor que ver um filme, porque podemos criar as situações em nossas cabeças” / Foto: Vinícius Romario

 

Com 11 anos, a estudante Ana Gabriela Medeiros dos Santos já tem o próprio caderno de histórias escritas por ela. A intenção, segundo conta, é que essas histórias sejam publicadas no futuro. A ideia foi estimulada pela leitura, hábito que vem desde os 5 anos. “Gosto muito de ler, gosto de ter os livros e sonho em ter uma biblioteca na minha casa”, afirmou Ana Gabriela.

A garota faz parte dos 104,7 milhões de brasileiros que têm valorizado a cultura da leitura. É o que aponta uma pesquisa divulgada pelo Instituto Pró-Livro no ano passado. De acordo com o estudo, 56% da população havia lido pelo menos um livro nos últimos três meses na época do levantamento. A última pesquisa em relação ao mesmo tema foi divulgada em 2011 e apontava que 50% dos brasileiros eram leitores.

A pesquisa mais recente do Pró-Livro também revelou que a região Sudeste do Brasil tem o maior percentual de leitores, 61%. Essa parte do País representava o segundo lugar no estudo de 2011, com 50%. A região Sul do Brasil aparece em último lugar, com 50% da população se enquadrando como leitores.

O levantamento aponta também que a região Sudeste apresentava o maior índice de livros lidos (inteiro ou em partes) nos últimos três meses (na época da pesquisa), com um total de 2,98 – índice que ultrapassa a média nacional de 2,54. O Centro-Oeste fica em segundo lugar, com 2,52; o Norte, com 2,44; o Nordeste, com 2,15; e o Sul, com 2,05. Em 2011, o Centro-Oeste apresentava uma média de 2,12, seguido do Nordeste com 2,00, do Sudeste com 1,84, do Sul com 1,68 e do Norte com 1,51.

Ana Gabriela contribuiu para que o Sudeste melhorasse o desempenho. Ela conta que demora cerca de uma semana para ler um livro, e sempre tem títulos diferentes na cabeceira da cama. “O melhor da leitura é que a gente pode imaginar as situações. Ler é melhor que ver um filme, porque na leitura temos que criar as situações em nossas cabeças, o que ajuda muito a trabalhar a nossa criatividade”, disse Ana Gabriela.

Estudante do curso de Direito, Giovana Santos, de 17 anos, se envolveu tanto com a leitura que acabou criando um blog para tratar sobre o tema. Segundo ela, que lê em média cinco livros por mês, a leitura, além de proporcionar conhecimento, também acabou lhe rendendo grandes amigos. ”A leitura foi e ainda é a grande influência da minha vida, além de ter ajudado no desenvolvimento da minha fala e escrita”, afirmou Giovana Santos.

 

PERFIL

De acordo com a pesquisa do Pró-Livro, as mulheres leem mais que os homens. O levantamento mostra que, dos entrevistados do sexo feminino, 59% se encaixaram como leitoras. No sexo masculino o número foi de 52%.

Os mais jovens também se destacam nesse quesito. Segundo o levantamento, entre 5 e 10 anos, 67% se declararam leitores. Entre 11 e 13 anos apresentou o maior porcentual, 84%. O número também é bom quando se leva em consideração os leitores que têm entre 14 e 17 anos, 75%. Acima dos 40 anos, os índices de leitores ficaram abaixo dos 50%.

Outro dado importante apresentado pela pesquisa é que 49% dos entrevistados afirmaram que a leitura traz conhecimento, 23% afirmaram que o hábito auxilia na atualização e crescimento profissional, e 22% disseram que ler ensina a viver melhor.

Segundo a professora e bibliotecária Maria Cecília Mendes Borges, esses números trarão bons resultados no futuro. “Sem dúvida que a leitura ajuda demais no desenvolvimento do ser humano e, quanto mais cedo o contato com os livros, melhor”, disse Maria Borges.

 

CENTOPEIA

Projeto de escola municipal envolve pais e filhos na leitura

Mães e professores são partes fundamentais no desenvolvimento do gosto pela leitura. De acordo com o levantamento, somados, eles representam 25% em relação à influência desse hábito.

A Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) do Bairro Pampulha, na zona Sul de Uberlândia, é um exemplo disso. Há oito anos desenvolveu o projeto Centopeia. Nele, os alunos de 4 e 5 anos levam para casa um livro por semana e, na semana seguinte, devem apresentar a história na frente dos colegas de sala. Com essa idade, as crianças ainda não leem por conta própria, e é nesse momento que a disposição dos pais ajuda.

“Gosto muito dos livros, principalmente quando tem princesa, porque fico me imaginando como uma também”, disse a aluna Maria Eduarda Nunes, de 5 anos.

De acordo com a mãe dela, Franciele Silva Nunes, o projeto Centopeia tem auxiliado muito no desenvolvimento educacional da filha. “Além de ser um momento em que nos divertimos lendo as histórias, a Maria Eduarda se sente especial quando chega o momento dela de apresentar o livro escolhido na frende dos coleguinhas. Claro, lembro sempre o tanto que a leitura é importante para a melhoria do conhecimento das crianças”, disse Franciele Nunes.

Viviane Peixoto Santos é mãe do Daniel Peixoto, de 2 anos, e, segundo ela, o filho também adora livros. “Temos que incentivar essa prática, porque ajudará de várias formas a criança, tornando-a mais inteligente, preparada e criativa”, ressaltou Viviane Peixoto.

A professora e bibliotecária Maria Cecília Mendes Borges confirma que o projeto Centopeia é o grande sucesso da escola. “É ótimo para a gente quando chegam crianças pedindo para levar mais livros para a casa”, afirmou Maria Borges.

 

LEITURA DIGITAL

Outro índice que apresenta sensível alteração de acordo com a região do país é o número de leitores de livros digitais. Atualmente, o Sudeste atinge o topo da lista com mais leitores deste tipo de mídia (48%), seguido do Nordeste (23%), depois Sul (12%), Centro-Oeste (10%) e Norte (7%).

A pesquisa aponta ainda que a maioria dos leitores de livros eletrônicos são homens, cursando Ensino Superior e com idade entre 18 e 29 anos. Dentre os leitores de livros digitais, 91% afirmam terem lido pelo menos um livro, em papel ou digital, inteiro ou em parte, nos últimos três meses, e 61% declararam “gostar muito” de ler. Estes resultados indicam que o leitor de livros digitais é o leitor assíduo que tem passado a realizar suas leituras também no formato eletrônico.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »