06/04/2017 às 09h46min - Atualizada em 06/04/2017 às 09h46min

Espetáculo vai além dos contos de fadas

Voltada para o público infantil, musical fala de separação de forma divertida e lúdica

ADREANA OLIVEIRA | EDITORA
Da Redação
GUGA MELGAR/DIVULGAÇÃO Carol Futuro e Pablo Áscoli foram especialmente escolhidos para o espetáculo

É fato que a maioria dos pais tende a proteger os filhos de situações e assuntos considerados “difíceis”. Muitas crianças crescem com as fábulas que terminam com aquele “e viveram felizes para sempre” na última página dos livros ou antes dos créditos finais dos filmes. Mas a vida real não é assim e a relação familiar sofreu alterações nas últimas décadas. “O casamento que durava para sempre agora que dure enquanto for bom para os dois. Falamos de separação para crianças de uma forma que seja vista também como algo positivo, que traga algo bom”, afirma a diretora do espetáculo “A Gaiola”, Duda Maia, em entrevista por telefone ao jornal Diário do Comércio.

O musical, que será apresentado no Teatro Municipal de Uberlândia amanhã, por mais que seja direcionado ao público infantil, tem atraído um público de “0 a 80 anos”. “Recebemos um feedback muito bom da plateia. Às vezes eu fico ouvindo os comentários depois do espetáculo e sai cada coisa... tem adultos que agradecem por contarmos essa história, alguns voltam para levar mais crianças para assistir”, comenta Duda.

Estrelado pelos atores-cantores, Carol Futuro e Pablo Áscoli, “A Gaiola” conta a história de um passarinho que cai na varanda de uma menina, e enquanto a menina cuida dele, os dois se apaixonam. Quando o passarinho fica curado e eles têm que se despedir, resolvem aprisioná-lo em uma gaiola. A partir desse dia, surgem as alegrias e os questionamentos de "ficar preso". E, por fim, com a decisão de sair da gaiola, um final otimista e surpreendente. A adaptação conduz a história convidando o leitor infantil a uma reflexão sobre gostar do outro.

Mesmo as crianças menores de dois anos se conectam ao espetáculo, à sua maneira. “As crianças têm uma percepção diferente, estão muito ligadas ao canal da sensibilidade e a música ajuda muito nesse ponto, elas participam, cantam, batem palmas. A trilha sonora do Rico Viana, que temos em CD e estará à venda no teatro, cria essa conexão com as crianças menores, é como se formasse uma cama para a dramaturgia”, afirma a diretora.

Duda Maia chegou a Uberlândia na terça-feira (4) com a equipe de produção e os atores protagonistas da história, Carol Futuro e Pablo Áscoli, para cuidar de todos os detalhes no teatro. Além da apresentação de amanhã aberta ao público, houve apresentações fechadas para escolas que adquiriram pacotes previamente. “A formação de público para o teatro é muito importante e temos nesse espetáculo elementos que despertam o interesse das crianças, aquelas maiores, na faixa dos oito anos, já entendem bem a situação da menina e do pássaro”, afirma a diretora.

ELENCO

Duda Maia elogia os atores – e também cantores - Carol Futuro e Pablo Áscoli. Ela afirma que o texto foi escrito para eles, que são amigos há mais de 20 anos, o que agrega mais sentimento ao espetáculo. “Não sou do tipo que entrega tudo pronto. Gosto de chegar aos ensaios, acompanhar o trabalho de corpo dos atores, a partir daí vamos montando também a trilha sonora. É um processo muito mais prazeroso e coletivo e não vejo outras pessoas nesses 


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »