29/03/2017 às 08h44min - Atualizada em 29/03/2017 às 08h44min

Uberlândia está em alerta para dengue

O primeiro LIRAa de 2017 foi concluído e o resultado é de 3,5%, bem maior do que o realizado no ano passado

Da Redação
Agentes de zoonoses visitaram todos os bairros de Uberlândia para realização da pesquisa

O primeiro Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de Uberlândia neste ano foi concluído. O resultado de 3,5% de infestação nos imóveis deixa a cidade em estado de alerta para a dengue, zika vírus, chikungnya e febre amarela, doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. No primeiro levantamento feito em 2016, em abril, o índice foi de 1,4%.

Mesmo com o índice acima do recomendado pelo Organização Mundial de Saúde, que é de 1%, o coordenador do Programa Municipal de Ações para o Controle do Aedes, José Humberto Arruda, considera o resultado abaixo do esperado devido às condições climáticas que Uberlândia registrou nos primeiros meses do ano, quando o ambiente era favorável para proliferação do mosquito.

“Tivemos dias chuvosos que foram intercalados com temperaturas quentes. Esse ambiente é propício para a reprodução do mosquito. Mas, com os intensos trabalhos do Mutirão Cidade Limpa, que começou em janeiro, e as ações de bloqueio que fizemos nos bairros, conseguimos controlar a proliferação”, explicou Arruda.

O resultado deste trabalho proporcionou uma queda de 75,67% nas notificações dos casos de dengue. Nos três primeiros meses do ano de 2017, Uberlândia registrou 1.098 casos suspeitos da doença. No mesmo período do ano passado, esse número era de 4.507.

Pesquisa de infestação

Os 160 agentes da Unidade de Vigilância em Zoonoses (UVZ) que realizam a pesquisa passaram em todos os bairros de Uberlândia entre os dias 13 e 17 de março. Ao todo, foram visitados 10.767 imóveis. Os focos que foram encontrados estavam, mais uma vez, nos domicílios, representando 95%. Dos criadouros encontrados nas residências, 92% estavam nos quintais e corredores e 8% no interior das casas (salas, cozinhas e banheiros).

Os agentes também detectaram quais são os principais depósitos encontrados de criadouros do Aedes aegypti. De acordo com a pesquisa, em 8,5% dos domicílios foram encontradas lonas de plástico. Também foram encontrados pratos de plantas (6,3%), vasilhas plásticas (6,3%), pneus (6,2%) e garrafas (6%).

 

Com o diagnóstico, a equipe técnica do Programa Municipal de Ações para o Controle do  Aedes poderá direcionar de forma precisa as ações para o combate ao transmissor no município. “O LIRAa é um termômetro para as cidades com mais de 100 mil habitantes. De acordo com os índices, vamos nortear e intensificar as   ações conforme   o que foi levantado. O planejamento inclui a realização de mutirões e ações junto  à comunidade, como reuniões nas associações de moradores de bairros e atividades nas escolas”, comentou Arruda.          

 

Informações do LIRAa – março 2017:

 

Imóveis visitados - 10.767

 

Bairros com maiores índices

 

Prosperidade - 20%

Residencial Gramado - 18,5%

Povoado Santa Clara - 15,4%

Lagoinha -14,9%

 

Depósitos predominantes (5 maiores)

 

Lonas - 8,5%

Pratos de plantas - 6,3%

Vasilhas Plásticas - 6,3%

Pneus -6,2%

Garrafas - 6%


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »