13/02/2017 às 08h40min - Atualizada em 13/02/2017 às 08h40min

MERCADO DE TRABALHO Para pegar senha no Sine é preciso madrugar

Maioria dos entrevistados trocaria de área de trabalho caso encontrassem vaga em outro setor

ADREANA OLIVEIRA | REPÓRTER

A partir das 2 horas é possível encontrar pessoas aguardando na fila para pegar uma senha no Sine de Uberlândia.

Enquanto muita gente acorda cedo para fazer uma caminhada, ir à academia ou tomar um café para começar os trabalhos ou os estudos, outros precisam madrugar por outro motivo: procurar um emprego. No Brasil de 12 milhões de desempregados as oportunidades começam a surgir aos poucos. Na sede do Sistema Nacional de Emprego (Sine) de Uberlândia, às 7h da sexta-feira (10), início do final de semana, a fila de pessoas que procuram um trabalho virava o quarteirão, começando em frente ao Sine, na avenida Nicomedes Alves dos Santos, e continuando na rua Ladário Teixeira.

A expectativa da maioria ali era, quem sabe, já começar a semana com novas perspectivas. Jovens e adultos, graduados com duas faculdades e pessoas com o segundo grau incompleto dividiam a mesma calçada. Grazielle Alex Guimarães, 20 anos, segundo grau completo, chegou a Uberlândia há pouco mais de um mês. Natural de Marzagão (GO), veio com uma tia, que já conhecia a cidade, começar uma vida nova. “Por lá não está muito diferente, tem muita gente desempregada. Eu espero encontrar algo aqui. Nunca fui de escolher serviço, o que vier já está valendo”, afirmou ela, a segunda na fila. Saiu de casa, no Jardim Brasília, à 1h30 e chegou ao Sine por volta de 2h15.

Grazielle Guimarães foi de carona para o Sine com Wagner Aparecido Alves Ribeiro, 30 anos, técnico em eletrônica, que mora no bairro Maravilha. Desempregado há um mês, ele não tem muitas opções, como a colega. “Para mim, tem que ser técnico em eletrônica ou eletricista, fora isso não seria eficiente”, afirma ele, que tem ensino médio completo.

Patrick Paulino de Souza, repositor, 24 anos, uberlandense, e Rafael Santos Aquino, 23 anos, pintor natural de Nova Ponte, afirmam que podem trocar de área se houver oportunidade. Souza já está há dois meses sem trabalho de carteira assinada e Aquino, há 20 dias. “Não quero ficar parado muito tempo, quanto antes procurar melhor. Infelizmente, já fui encaminhado para duas vagas mas não deu certo”.

A expectativa dos entrevistados é um misto de crença de que a economia dará indícios de recuperação neste ano e o cenário vai melhorar, com uma certa descrença sobre o que está por vir. Porém, a maioria concorda que, pior do que 2016 dificilmente será.

 

FATOR IDADE

Seleção para pessoas até 35 anos dificulta situação para os mais velhos

Aos poucos, com a longa espera pelo atendimento, as pessoas conversavam em grupos para passar o tempo. “Dizem que não precisa vir de madrugada para a fila, mas se você chega aqui às 7h já não consegue mais a senha”, afirma Jacqueline Batista Gonçalves, de 43 anos, uberlandense graduada em Nutrição, com tecnólogo em logística e atualmente cursando Teologia. Ela chegou por volta das 4 da manhã na fila. Atualmente, trabalha no mercado informal e busca um emprego com carteira assinada. Segundo ela, o fator idade é um complicador para quem já passou dos 30 anos. “Eu procuro algo na área de logística ou administração, mas muitas vagas procuram profissionais de até 35 anos de idade”, lamenta.

E no Brasil que está em vias de “reformar” a Previdência e que, por alto, pode-se estimar que levará o brasileiro a se aposentar com no mínimo 65 anos de idade, Osvaldo Vieira Júnior, 55 anos, segundo grau completo, procura uma colocação há 8 meses também nos ramos de logística ou administração e sente que a idade tem dificultado o alcance de seu objetivo. “Além disso algumas vagas pedem mais qualificação mesmo que o salário não acompanhe as exigências técnicas”, avalia.

FILAS

Na sexta-feira em que a reportagem do jornal Diário do Comércio acompanhou a fila do Sine, dificilmente quem chegou depois das 7h30 seria atendido com uma das 200 senhas que seriam distribuídas a partir das 8h. Alguns cidadãos comentam que a distribuição de senhas em horários diferentes e mais de uma vez ao dia poderia amenizar a situação.

 

Serviço

Sine Uberlândia

Av. Nicomedes Alves dos Santos, 136 – Centro

Telefone: 3236-7188

Funcionamento: das 8h às 17h

Documentos necessários:

•   CPF (ou Folha da Receita Federal, ou dos Correios com o número ou na Identidade, ou na Carteira Nacional de Habilitação)

•   Cartão do PIS

•   Carteira de Trabalho e Previdência Social

•   Carteira de Identidade


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »