04/04/2017 às 09h08min - Atualizada em 04/04/2017 às 09h08min

Periquito não fica fora

Não posso acreditar que o Uberlândia Esporte possa ficar fora do próximo Campeonato Brasileiro da Série D, o de 2018. Para que isto acontecesse o Periquito teria que perder domingo próximo para o Tupi no Estádio Parque do Sabiá e o Villa Nova ganhar do América no Estádio Independência, em Belo Horizonte. Seria o cúmulo do azar. Basta um empate cá ou lá para a vaga ser carimbada para o Uberlândia Esporte. Não posso acreditar nisto por vários motivos. O time do Uberlândia vem jogando bem no Sabiá e vai ter, certamente, mais uma vez o apoio de sua torcida que voltou a comparecer em grande número e realmente participar dos jogos, com incentivo. O Tupi tem 12 pontos ganhos e se agarra agora à motivação de ainda poder conquistar a última vaga mineira para a Copa do Brasil de 2018. Minas tem quatro e o Atlético, que disputa a Copa Libertadores de América e deve nela continuar, só entra nas oitavas de final. Com isto, o quinto colocado fica com a última vaga. O Tupi, pensando e agindo assim, não irá ficar só atrás, só marcando. Até porque tem bons atacantes, como Jajá e Flávio Caça Rato. O Tupi saindo para o jogo vai oferecer espaços na sua defesa para que o time do Uberlândia chegue e faça gol ou gols, o que, inclusive, nos antecipa um jogo bom de ser ver. Já no Independência, o Villa Nova irá com tudo para cima do América, porque tem 10 pontos ganhos e se ganhar irá a 13, atual pontuação do Uberlândia. Se o Uberlândia perder para o Tupi, o Villa empataria no primeiro critério de desempate, em vitórias: 4 a 4. Hoje o Uberlândia ganha por 4 a 3. No segundo critério os dois chegarão à última rodada empatados em 0 a 0. No terceiro, gols marcados, a mesma coisa: 11 a 11. No quarto, que é confronto direto, o Villa Nova ganha, pois venceu o jogo entre os dois em Nova Lima por dois a zero. Só que o Villa vai enfrentar o América, jogo que é um dos mais antigos e tradicionais clássicos do futebol mineiro, com o América garantido na fase semifinal, motivado e buscando mais uma vitória até para chegar à semifinal, que é a repetição de 2016, com mais moral e 21 pontos ganhos, a fim de buscar repetir a eliminação do Cruzeiro. Por tudo isto eu não posso acreditar que o Uberlândia possa perder a última das três vagas mineiras para o Campeonato Brasileiro da Série D de 2018.

Conversas fiadas

Por mim, como profissional, preferia ir aos jogos do Uberlândia em outras cidades, mas não seria por minha conta. Assim fico acompanhando, com bastante atenção, antes, durante e depois dos jogos, pelo rádio. Antes do jogo ouvi jogadores alviverdes se mostrando preocupados com o campo do Estádio Zama Maciel, inclusive as suas “dimensões reduzidas”. Ora, isto é um absurdo. As medidas são as mesmas do Sabiá: 105m x 68m. As adotadas internacionalmente pela FIFA. Captei que o Uberlândia tinha o volante Bruno Moreno muito próximo dos zagueiros, sem sair para jogar e o outro volante, Rodney, correndo muito, como sempre, mas muito nervoso. Faltando 10 minutos para acabar ele foi expulso. Ouvi que o goleiro Juninho, da URT, fez três defesas decisivas para que seu time vencesse. E ouvi, depois do jogo, o técnico Catanoce dizendo que o Uberlândia teve o controle do jogo pela maior parte do tempo, mas faltou o gol. Ora, não pode ser assim tão simplista. Deveria ter feito mais um gol ou, pelo menos, não ter tomado o segundo gol. Ouvi também uma bobagem do técnico da URT, Rodrigo Santana. Disse que se agarrou a uma declaração do presidente Guto Braga do Uberlândia, depois do empate com o Cruzeiro, que o Uberlândia iria a Patos de Minas para ganhar da URT. Se agarrar a motivações assim é mais antigo do que andar pra frente. Ele queria que o Guto dissesse o quê? Muitas conversas fiadas. É ou não é?

 

Relacionadas »
Comentários »