22/09/2016 às 09h35min - Atualizada em 22/09/2016 às 09h35min

Arquivo X: entenda possível ligação de Eike Batista com prisão de Guido Mantega

Ex-ministro da Fazenda foi preso em 34ª fase da Operação Lava Jato; MPF diz que ele pediu a empresário R$ 5 milhões ao Partido dos Trabalhadores

De boné e jaqueta pretos, Guido Mantega chegou à sede da Polícia Federal em São Paulo e será transferido para Curitiba

De boné e jaqueta pretos, Guido Mantega chegou à sede da Polícia Federal em São Paulo e será transferido para Curitiba

Repordução/TV Globo
De boné e jaqueta pretos, Guido Mantega chegou à sede da Polícia Federal em São Paulo e será transferido para Curitiba

Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda nos governos Lula e Dilma Rousseff, foi preso na manhã desta quinta-feira (22) durante a 34ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Arquivo X.

O nome, contudo, nada tem a ver com a série de ficção científica que fez sucesso na televisão nos anos 1990 e foi reeditada recentemente. É uma referência ao grupo empresarial do ex-bilionário Eike Batista, que usava siglas terminadas em "X" para nomear suas empresas.

Além de Mantega, a OXS, uma das empresas de Batista, também é alvo da operação, que, segundo a PF, mobilizou cerca de 180 policiais e 30 auditores da Receita Federal para cumprir 33 ordens judiciais.

Os investigadores dizem que Mantega teria atuado diretamente junto a Batista para negociar pagamentos de dívida de campanha partidária.

Mantega foi detido em prisão temporária – que, por lei, dura cinco dias e pode ser prorrogada por igual período. Por ora, não há nenhuma ordem judicial contra Batista.

A prisão pegou o País de surpresa. Em maio, o jornal "Folha de S.Paulo" disse que Mantega teria sido mencionado em delações premiadas como suposto "responsável por cobrar doações para a campanha de Dilma Rousseff em 2014", mas até agora não havia sinais de que ele seria preso ou indiciado.

Veja abaixo como o Ministério Público explica a ligação entre Mantega e Batista.

Pedido de R$ 5 milhões

Arquivo X faz referência ao grupo empresarial de Eike Batista, que usa siglas terminadas em

Arquivo X faz referência ao grupo empresarial de Eike Batista, que usa siglas terminadas em

Fabio Pozzebom/Agência Brasil
Arquivo X faz referência ao grupo empresarial de Eike Batista, que usa siglas terminadas em "X" em suas empresas

Segundo informa o Ministério Público Federal, Eike Batista, ex-presidente do Conselho de Administração da OSX, prestou depoimento a procuradores e declarou que em novembro de 2012 "recebeu pedido de um então ministro e presidente do Conselho de Administração da Petrobras, para que fizesse um pagamento de R$ 5 milhões, no interesse do Partido dos Trabalhadores (PT)".

Ainda de acordo com o MPF, Batista disse que, para fazer o repasse, firmou um contrato "ideologicamente falso" com uma empresa de publicitários já denunciados na Operação Lava Jato. Essa empresa foi acusada de firmar contratos fictícios para lavar dinheiro cuja origem era ilícita.

Em depoimento ao MPF, Batista teria detalhado como foram feitos os repasses. Após uma primeira tentativa frustrada, em dezembro de 2012, foi feita – em abril do ano seguinte – uma transferência de US$ 2,35 milhões no exterior entre contas de Batista e dos publicitários.

Fraude e pagamentos indevidos

MPF e PF apuram suposta irregularidade em contrato da Petrobras para construir plataformas para exploração do pré-sal

MPF e PF apuram suposta irregularidade em contrato da Petrobras para construir plataformas para exploração do pré-sal

Fernando Frazão / Agência Brasil - 8.11.2015
MPF e PF apuram suposta irregularidade em contrato da Petrobras para construir plataformas para exploração do pré-sal

Nesta quinta-feira, a Polícia Federal cumpriu ordens de prisão, busca e apreensão e de condução coercitiva – no qual a pessoa é levada a prestar esclarecimentos em uma unidade policial – em Minas Gerais, em Brasília, no Rio de Janeiro, em São Paulo, na Bahia e no Rio Grande do Sul.

Essa fase da Lava Jato investiga suspeita de fraude e de pagamentos indevidos envolvendo contrato da Petrobras para a construção de duas plataformas para exploração de petróleo na camada do pré-sal.

LEIA TAMBÉM: Em NY, Temer é questionado por investidores sobre impacto de medidas impopulares

Além de Mantega, também foram alvos dessa fase da investigação executivos das empresas Mendes Júnior e da OSX Construção Naval S.A.

As duas empresas fazem parte de um consórcio que, em julho de 2012, firmou com a Petrobras um contrato, no valor de US$ 922 milhões, de construção de duas plataformas para explorar campos da camada do pré-sal.

"As consorciadas, que não detinham tradição no mercado específico de construção e integração de plataformas viabilizaram a contratação pela estatal mediante o repasse de valores a pessoas ligadas a agentes públicos e políticos", afirma o MPF em texto divulgado no site da instituição com detalhes da Operação Arquivo X.

A BBC Brasil entrou em contato com o advogado de Guido Mantega. Mas, até o fechamento deste texto, o advogado Luiz Roberto Batochio não havia retornado para comentar as acusações da PF e do MPF contra o ex-ministro.

Mantega foi preso quando se encontrava no hospital Albert Einstein, em São Paulo, para acompanhar a cirurgia de sua mulher, que sofre de câncer. A PF também cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do ex-ministro.

A reportagem também não conseguiu contato com a empresa Mendes Junior nem com o grupo OSX.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »