17/01/2022 às 19h44min - Atualizada em 17/01/2022 às 19h44min

Mais de R$ 350 mil serão gastos para reparos na avenida Rondon Pacheco

Parte da via ficou totalmente destruída após temporal que atingiu a cidade no último domingo (16)

MARIELLE MOURA
Em alguns pontos, o asfalto da avenida foi completamente retirado pela enxurrada | Foto: PM/Divulgação
Mais de R$ 350 mil serão gastos para reformar a avenida Rondon Pacheco e ruas adjacentes devido aos estragos causados pela forte chuva que atingiu Uberlândia na tarde deste domingo (16). Os Ministérios Públicos Estadual (MPMG) e Federal (MPF) emitiram uma recomendação para a Prefeitura de Uberlândia e o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) para que medidas sejam adotadas a fim de solucionar os problemas de drenagem da via.

Durante coletiva de imprensa realizada na tarde desta segunda-feira (17), o prefeito Odelmo Leão comentou que, de acordo com meteorologistas, neste domingo choveu cerca de 73 milímetros durante 20 minutos, volume muito além do esperado. “Não há captação fluvial nem em Uberlândia, nem no Brasil, nem no mundo que suporte uma chuva neste volume”, disse. 
 
O secretário de Gestão Estratégica de Uberlândia, Raphael Gonzaga Silveira, informou que estudos feitos em Uberlândia sobre as bacias da cidade indicaram que a avenida Rondon Pacheco é a principal delas. “Em 2021 contratamos um estudo sobre as principais bacias de Uberlândia e a Rondon Pacheco é o principal ponto de deságue da nossa cidade. A Rondon agrupa 12 sub bacias de Uberlândia, que estão em bairros adjacentes, então grande parte de todo esse volume que é escoado, o destino final dele é a avenida e, consequentemente, o Rio Uberabinha. Estamos falando de uma área de mais de 22 km quadrados que capta e destina toda a água à Rondon”, explicou.

Ainda de acordo com o secretário, o estudo realizado no ano passado mostrou que 80% dos 22 quilômetros quadrados já contam com construções para evitar que todo o volume de água seja direcionado à avenida. Galerias e bocas de lobo fazem com que a água escoe superficialmente. 

O secretário informou ainda que, devido ao fenômeno atípico que aconteceu no domingo, o nível do Rio Uberabinha subiu dois metros. “A calha do nível do Rio Uberabinha subiu bastante. Nós conseguimos ver que em alguns pontos o rio subiu mais de 2 metros. O deságue das galerias das avenidas é o rio e quando o rio sobe, a capacidade de escoamento fica um pouco comprometida,”, disse.

Por fim, Raphael informou que apesar das chuvas, não há risco de transbordamento do Rio Uberabinha. “Não tem risco de transbordar, os estudos mostram isso. O Rio Uberabinha sobe momentaneamente no decorrer da chuva, mas 20 minutos após a chuva ele já abaixa bastante o nível, portanto, não apresenta risco. É claro que as construções irregulares, aquelas que estão em locais indevidos, que estão dentro margem do rio, essas podem estar expostas a riscos “, completou. 

Odelmo ainda falou sobre as estratégias que estão sendo feitas para que enchentes como a de domingo não aconteçam na cidade. “Estamos fazendo no Santa Luzia recuperação das duas represas, levantamento na rua ao lado do Camaru, recuperação da represa do Camaru, além de outras recuperações ao longo do Córrego da Lagoinha para evitar que essa água chegue à avenida Rondon Pacheco”, informou.

CHUVA
A chuva do último domingo (16) causou diversos estragos em Uberlândia. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, somente na Av. Rondon Pacheco, que ficou inundada, foram 23 chamados para atendimentos. As principais ocorrências foram de quedas de árvores, veículos ilhados, além do resgate de uma pessoa. O Hospital Santa Marta e o Praia Clube também foram atingidos pelo temporal. 

Em diversos pontos da avenida Rondon Pacheco o asfalto foi arrancado. As equipes da Secretaria de Trânsito e Transportes (Settran) e Defesa Civil compareceram ao local para analisar os danos e remover parte do asfalto danificado na pista. O Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) também foi acionado para conter o vazamento de um canal de esgoto. 

De acordo com informações da Climatologia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em alguns pontos da cidade, como em uma das estações de medição no setor Leste, na Estação INMET, o nível de precipitação chegou ao número de 75,4 mm. A Estação Jardim Patrícia, Setor Oeste registrou 6,4 mm; Estação São Jorge, Setor Sul: 18,4 mm; Estação Pampulha, Setor Sul: 73,5mm; Estação Centro, Setor Central: 74 mm; Estação Industrial, Setor Norte: 4,8 mm

O Prefeito Odelmo Leão informou ainda que as pessoas que tiveram as residências atingidas tiveram apoio da equipe e uma avaliação da Defesa Civil será feita. “Toda equipe que estava na rua ontem ofereceu todo apoio à população, inclusive oferecendo levá-los para hotéis", explicou. 

O coordenador regional da Defesa Civil, capitão Sócrates, comentou durante entrevista coletiva sobre a força-tarefa realizada pelos órgãos de segurança para evitar estragos e principalmente proteger motoristas e pedestres em áreas de risco. “A partir do momento da chuva, foram colocados pela Polícia Militar avisos de interdições via aplicativo Waze e as viaturas foram designadas para os locais de alagamentos para fazermos desvios de trânsito. Os bombeiros também ficaram em pontos estratégicos, inclusive um motociclista chegou a rodar na enxurrada e foi resgatado sem ferimentos”, informou. 

A secretária de Governo e Comunicação, Ana Paula Junqueira, falou sobre os avisos emitidos pela Defesa Civil por SMS para avisar a população. “Temos através da prefeitura o envio de SMS sobre a previsão do tempo. Para a pessoa receber o alerta, basta ligar no zap da prefeitura, escolher a opção 7, fazer o cadastro e a pessoa passa a receber os avisos”, disse. 

O coordenador da Defesa Civil, capitão João Batista Afonso, falou sobre a importância da ajuda da população em situações de enchentes para que a situação não se agrave tanto. “Todo uberlandense sabe onde são as áreas de risco. Ontem, mesmo com a interdição da  avenida Rondon Pacheco, vários veículos furaram o bloqueio. Então é importante ter respeito e consciência. Fazemos o que é possível, mas a população tem que colaborar”, frisou.

RECOMENDAÇÃO 
Em uma ação conjunta, os Ministérios Públicos Estadual (MPMG) e Federal (MPF) emitiram uma recomendação para a Prefeitura de Uberlândia e o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) para que medidas sejam adotadas pelo Município a fim de solucionar os problemas de drenagem da avenida Rondon Pacheco. O documento foi divulgado ainda neste domingo (16), após a repercussão dos estragos causados pela chuva. 

Entre as recomendações, o MPE e o MPF pedem que a Prefeitura apresente, no prazo máximo de 30 dias, uma vistoria quanto à capacidade de vazão, drenagem e segurança da Av. Rondon Pacheco, assim como nos bairros vizinhos. A recomendação, que é assinada pelos promotores de Justiça Luiz Henrique Acquaro Borsari e Fernando Rodrigues Martins, argumentam não ser esta a primeira situação envolvendo as chuvas e seus efeitos na Avenida Rondon Pacheco, o que, segundo o documento, "mostra a ausência de políticas públicas e falta de prevenção e precaução no local, além dos diversos investimentos já utilizados para reparos da avenida”.

Durante a entrevista realizada na tarde desta segunda-feira (17), o prefeito informou que vai responder a recomendação com tranquilidade. “Ainda não tive tempo de ver essas coisas, eu estava cuidando de outras hoje, mas não me preocupo porque vamos estar com muita tranquilidade respondendo ao Ministério Público. O que mais temos aqui é planejamento e prevenção, junto à Polícia Militar, bombeiros e todos os órgãos ligados à Prefeitura. Inclusive, temos um órgão de prevenção, o Cometec, que trabalha 24 horas por dia e está atento a qualquer incidente na nossa cidade, seja na chuva ou em qualquer outro período. Todos os projetos que temos obedecem às notas técnicas de engenharia”, completou.  


 

Notícias Relacionadas »
Comentários »