03/10/2019 às 08h05min - Atualizada em 03/10/2019 às 08h05min

Coringa estreia nesta quinta-feira (3) nos cinemas de Uberlândia

Diário conversou com fãs sobre a expectativa do longa de origem do antagonista; sessões de pré-estreia na cidade ficaram praticamente esgotadas

IGOR MARTINS
Arthur Fleck é interpretado por Joachin Phoenix, cotado ao Oscar de melhor ator | Foto: Divulgação

O que seria de um bom super-herói sem um bom vilão? Quando se fala nisso, é possível se lembrar de vários antagonistas que conquistaram seus espaços em filmes e desenhos ao longo da história cinematográfica e dos quadrinhos. Um dos personagens que devem ser mais lembrados pelos fãs de produções deste tipo é o Coringa, anti-herói que rivaliza com o Batman nas obras produzidas pela DC Comics, e que ganha um filme solo pela primeira vez, chegando às telas de cinema hoje em todo o mundo.

O Palhaço do Crime é um dos personagens mais conhecidos e icônicos de todos os tempos, e muito disso se dá pelos atores que representaram o vilão de Gotham City. Jack Nicholson, Jared Leto, Mark Hammil e o falecido Heath Ledger, vencedor do Oscar de melhor ator coadjuvante em 2008 pelo papel do Joker em “Batman: O Cavaleiro das Trevas”, foram alguns dos intérpretes do assassino. Dessa vez, quem assume a pele do anti-herói é Joachin Phoenix no longa dirigido por Todd Phillips.

Phoenix chegou a perder aproximadamente 24 quilos para interpretar Arthur Fleck. O que foi visto nos dois trailers divulgados pela Warner Bros foi um personagem com transtornos mentais claros e uma Gotham City dividida entre a classe mais pobre e a elite, representada no filme por Thomas Wayne, pai de Bruce Wayne. O ator indicado ao Oscar duas vezes pelo prêmio de melhor ator e uma vez como melhor ator coadjuvante, já estava sendo cotado à premiação da Academia antes mesmo do lançamento da produção.

O filme do Joker chega como uma produção jamais vista na história dos filmes de super-herói. Com uma pegada sombria e independente – o longa não tem nenhum vínculo com algum herói ou com qualquer outra produção da DC Comics -, o filme tem apenas um foco: o Coringa. Como, de fato, ocorreu a construção de um vilão assassino e cruel que trabalhava como palhaço em uma agência de talentos e tentava a vida de comediante em Gotham City.

EXPECTATIVA
A expectativa para o filme do Palhaço do Crime é grande em Uberlândia. Até o fechamento desta edição, conforme o Diário apurou, grande parte das sessões de pré-estreia do longa estavam praticamente esgotadas.

Quem deve comparecer ao cinema logo nos primeiros dias de exibição do Coringa é o gerente de produção Osmar Vieira Gomes. Com uma grande expectativa para o longa da DC Comics, o uberlandense quer ver uma interpretação de Joachin Phoenix a altura do que o personagem merece, como aconteceu com Heath Ledger, segundo ele. “Ledger criou o Coringa que sempre víamos nos quadrinhos e nos desenhos. Até hoje é o melhor Joker já interpretado, tomara que possamos ter algo parecido nas telonas com Phoenix”, disse.

A aposta da empresa americana de trabalhar uma história de origem do personagem que tem transtornos mentais pode ser positiva, na opinião de Gomes. O fato de levar ao cinema um enredo em que mostra o que levou Arthur Fleck a se tornar o Coringa é uma boa alternativa frente ao que tem sido visto nas principais produções cinematográficas de super-heróis, de acordo com Osmar.

“Trabalhar com uma história singular do Coringa é muito interessante. Ele é um personagem que trava uma batalha de complexidade e dinamismo e mantém a sua personalidade frente a convivência e conivência social. Ter este tipo de trabalho, de exploração e estudo deste personagem, a forma como ele é abordado pode levar a um novo padrão cinematográfico”, falou o uberlandense.

Para Vinícius Carvalho, fã das histórias vividas por diferentes Coringas em longas e outras produções, o mais novo filme da DC Comics tem tudo para ser um sucesso justamente pelo fato de o novo longa ser exclusivamente sobre a história de Arthur Fleck. “Deve ser um filme bem diferente de tudo o que a DC oua Marvel já fizeram, mas isso não quer dizer que não valha a pena ser assistido”, afirmou o estudante universitário.

O mineiro de 23 anos acredita ainda que Joachin Phoenix pode chegar como um dos favoritos na corrida pelo Oscar de melhor ator, mesmo com a concorrência pesada de outras produções. Leonardo DiCaprio, por exemplo, é um dos que chegam com grandes chances após interpretar Rick Dalton em “Era uma vez em... Hollywood”, de Quentin Tarantino.

“Pelos comentários de cinéfilos e da crítica em geral, acredito que Phoenix chegue muito forte na corrida pelo Oscar. Pelos trailers e pelas entrevistas, nós vemos a dedicação que ele teve com o papel de Arthur Fleck. Houve uma mudança drástica na fisionomia de Phoenix, que chegou a perder mais de 20 quilos para interpretar o personagem. É perceptível que ele se dedicou muito ao papel”, disse Vinícius.

Em caso de vitória de Joachin Phoenix no Oscar como melhor ator, será a segunda vez na história do cinema que um personagem premia dois atores diferentes. Marlon Brando e Robert De Niro venceram as premiações de melhor ator e melhor ator coadjuvante, respectivamente, com os papeis de Vito Corleone, na lendária produção “O Poderoso Chefão”. No caso do vilão, Heath Ledger recebeu o prêmio da Academia em 2008 como melhor ator coadjuvante no filme “Batman: O Cavaleiro das Trevas”.

Coringa está nas salas de cinema de Uberlândia. Confira na Agends Cultural os formatos e horários das sessões do longa-metragem.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »