22/09/2019 às 07h30min - Atualizada em 22/09/2019 às 07h30min

Guarany completa 80 anos de sua fundação

Tradicional equipe do bairro Patrimônio acumula quatro títulos da divisão de elite do futebol uberlandense

EDER SOARES
O time do Guarany disputa atualmente a elite do futebol amador da cidade | Foto: Vilmar Silva

A Sociedade Esportiva e Cultural Guarany continua em festa neste mês de setembro, quando o clube está completando 80 anos de fundação. O tradicional Brugre do bairro Patrimônio é um dos clubes amadores mais antigos de Uberlândia em atividade, somente sendo superado por Vasco da Gama e Floresta, times que fazem parte do calendário oficial da Liga Uberlandense de Futebol (LUF).  
O time da zona sul de Uberlândia foi fundado no dia 6 de setembro de 1939 e acumula quatro títulos da primeira divisão do Campeonato Amador. Mais antigas do que Guarany, Vasco e Floresta, estão somente equipes que não existem mais, ou estão licenciadas há muitos anos como o Olaria, Fluminense, Flamengo - essas duas últimas agremiações não são os mesmos clubes em atividade atualmente na LUF; Ipiranga, Saltropeiro, Volante, Botafogo, Aparecida, Atlético Uberlândia, entre outros.

O Guarany vem participando das competições da cidade, de forma ininterrupta, desde a sua fundação, mas nos últimos tempos tem feito campanhas fracas. A partir deste ano, o clube começou uma reestruturação e tem expectativa de voltar a brigar pelo título da elite do futebol amador, como sempre foi de praxe. Na atual temporada, o Bugre ficou a um ponto de conquistar vaga para a segunda fase da Divisão Especial, mesmo assim, o balanço foi considerado positivo pelos atuais comandantes.

O presidente do Guarany é Wenver Leocádio da Silva, popularmente conhecido no futebol da cidade como Zói. Ele começou a sua trajetória como atleta justamente na equipe do bairro Patrimônio, depois passando ainda pelo Colocado, do mesmo bairro. Mais tarde, Zói iniciou uma brilhante carreira no futebol profissional, atuando por clubes como Uberlândia Esporte Clube, onde jogou por seis anos, Inter de Lages (SC) e Brasil de Pelotas (RS). Após se aposentar, voltou para o amador e se sagrou campeão vestindo a camisa do Guarany em 2001.

Zói faz questão de falar da sua gratidão e paixão pela tradicional equipe uberlandense, que lhe deu as primeiras oportunidades na carreira de jogador. “No fundo da minha casa havia um campo de futebol de terra, onde o Guarany treinava, e por vezes, também jogava. E, durante os treinos, mas principalmente os jogos, lá estava eu, atrás de um dos gols, um menino franzino, que atuava como gandula só para poder ficar com a bola por alguns instantes”, disse Zói, que está no terceiro ano de mandato no Brugre, mas que já participa ativamente da vida do clube há sete anos.

“A luta inicial é pela sobrevivência da instituição, e para isso, buscamos parcerias. Algumas nos frustraram, outras até queriam ajudar, mas o cenário não era propício. Mas, Deus não desampara quem luta com fé e principalmente com honestidade. Neste ano surgiu uma parceria que nos fez mudar o foco, a Braspress, e junto a esse grande parceiro, a locomotiva voltará aos trilhos e a pleno vapor”, disse ele se referindo ao atual patrocinador e que promete investir para que no próximo ano o Guarany volte a brigar pelo título.
 
COMEÇO

Time recebeu festa com baile após vitória
O historiador uberlandense Antônio Pereira jogou futebol durante a sua juventude em campos da cidade. Procurado pelo Diário de Uberlândia, ele repassou um pouco do que pesquisou e também vivenciou nos campos de futebol em sua época.

“Dizem que o Uberlândia Esporte Clube (Uberabinha Sport Club) foi fundado em 1922, mas eu tenho notícia de pelo menos seis jogos dele antes disso. O primeiro, comemorando a sua fundação, foi a 4 de agosto de 1918. Assim também com o Bugre do Patrimônio que dizem que foi fundado em 6 de setembro de 1939, no entanto, o jornal “O Lábaro”, de Monte Alegre, registra que no dia 23 de outubro de 1938, o Guarany, de Uberlândia, foi a Monte e jogou contra o Iguatemy FC e venceu por 2 a 1. À noite, o time montealegrense ofereceu festa com baile aos visitantes. Era o costume”, disse Pereira, que seguiu a sua explanação.

“O seu fundador foi o operário da Charqueada Omega, Estêvão Teixeira, que reuniu amigos e companheiros de trabalho para criação do time do bairro. Seu primeiro nome foi Guarany Futebol Clube. Mais tarde mudou para Sociedade Esportiva Guarany e, depois, para Sociedade Esportiva e Cultural Guarany”, afirmou.

Ao que se tem registro, a primeira formação do Bugre contou com a seguinte equipe: Parafuso; Nenzuca e Gomão; Alencar, Estêvão (o primeiro presidente) e Diogo; Lerê, Nego, Evaristo, Saquinho, Tio Li e Geraldo Nhanhá. “As mulheres do bairro, casadas e solteiras, no tempo do campo no Alto da Abadia (o primeiro campo, onde morou bem depois o ex-prefeito Virgilio  Galassi) subiam, nas tardes de jogos, arrumadinhas e armadas de sombrinhas contra o sol, mas contra os adversários também se houvesse enguiço, e contra os juízes ‘ladrões’”, disse o historiador.

“Não havia confusão no campo do Guarany sem sombrinhadas.  E como havia confusões! O velho Patrimônio tem essa característica: é como se fosse uma família só, tanto sofrimento e discriminação sofridos juntos. Por isso, jogadores de futebol, sambistas da Tabajara, soldados do Moçambique, palhaços das folias, cantores de moda caipira, operários, rezadeiras, donas de casa, toda essa gente se reúne em cada uma dessas manifestações como se fosse uma festa caseira”, conta.
 
TRICAMPEÃO
Uma das “lendas” recentes do Guarany e uma das pessoas que mais levantam a causa da bandeira bugrina é o ex-lateral direito da equipe Roberto Rivelino da Silva, o popular Riva. Com a camisa branca e vermelha, ele conquistou três títulos do Campeonato Amador: 1997, 1998 e 2000. Também jogou pelo Arco Iris, Estrela Dalva, Colorado e Grêmio, onde foi campeão em 1994.

Atualmente, Riva integra a diretoria do time e não deixa de expressar todo o seu amor pelo Bugre. “Fui vitorioso, graças à Deu, e sou Guarany de coração, clube onde cheguei em 1995. Tive muitas alegrias jogando pelo Guarany e sou muito feliz também por ser morador do bairro Patrimônio”, disse Riva, que no Bugre jogou e foi campeão atuando ao lado do seu irmão, Ronaldo Tiola, que era centroavante.

Guarany faturou o título do amador em 1998 | Foto: Arquivo Pessoal/Riva

“Tive uma vitoriosa carreira no amador, joguei no expressinho do Uberlândia Esporte, e nas seleções amadoras. A maior parte da minha trajetória foi pelo Guarany, ao longo de cinco anos. O nosso presidente, Wenver, é atuante e vem fazendo um bom trabalho. Ano passado, tivemos alguns problemas financeiros, mas no ano que vem, com o nosso atual patrocinador, temos grandes chances de fazer um time para voltar a ser campeão amador da cidade e resgatar com muito mais força a história do nosso Guarany”, afirmou Riva.
 
Sociedade Esportiva e Cultural Guarany
Fundação
: 06/09/1939
Idade: 80 anos
Sede: Bairro Patrimônio
Títulos Amador de Uberlândia: 1997, 1998, 2000 e 2001

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »