08/08/2019 às 07h59min - Atualizada em 08/08/2019 às 07h59min

Canoístas da região remam em prol do curso do Rio Claro

Grupo gastará 3 dias para fazer percurso até a Cachoeira do Salto

EDER SOARES
João Faria durante expedição em cachoeira do Rio Claro, entre Uberaba e Nova Ponte | Foto: Divulgação

Uma turma que gosta de aventuras e luta pela preservação dos cursos naturais de rios está unida em prol do Rio Claro. O curso d’água tem o que é considerado o último canion do Triângulo Mineiro que ainda não possui nenhum tipo de barramento em seu leito, mantendo o curso natural de dinâmica das águas, com grandes quedas e corredeiras. Muito conhecido pelo seu ponto turístico principal, a “Cachoeira da Fumaça”, o Rio Claro fica entre os municípios de Uberaba e Nova Ponte e atrai turistas e amantes da natureza de várias partes do Brasil.

A expedição carregará o slogan “Expedição Salve o Rio Claro Kayak Extremo, Por um rio vivo com saltos livres”. O evento está marcado para acontecer entre sexta-feira (9) e domingo (11) e reunirá atletas de caiaque extremo de várias regiões do país, profissionais locais de Rafting e o coletivo Rio Coletivo Livres MG, além de parceiros e apoiadores que se unem para a conservação do Rio Claro.

A expedição de rafting e caiaque extremo é o primeiro evento do tipo na região a percorrer cachoeiras ainda não exploradas. A equipe é composta pelos canoístas locais João Faria e Ângelo Henrique dos Santos, com o apoio de três atletas referências nacionais deste esporte no país: João Gabriel Araújo, que é catarinense de Blumenau, Jeferson Luís, de Jaciara, no Mato Grosso, além da campeã nacional feminina na modalidade Bianca Bibs, de Socorro (MG).

O objetivo principal do evento, além de alertar para a necessidade da preservação do Rio Claro, é registrar com imagens e vídeos os drops/saltos dos canoístas extremos descendo as diferentes quedas d'água no Cânion da Fumaça para divulgar as potencialidades de ecoturismo e esportes de aventuras.

O destaque será o descenso da Cachoeira Fazenda Salto, com altura superior a 25m, uma corredeira classificada com a maior classe de dificuldade para navegação em todo o Triângulo Mineiro.

“Queremos barrar a chamada Pequena Central Hidrelétrica (PCH) onde é aCachoeira do Salto, que significaria a extinção da queda d’água, a morte de peixes e todo um prejuízo para o turismo e esporte”, disse João Faria, gestor em turismo. “Somos um coletivo do Triângulo que luta para tentar barrar as hidrelétricas nos rios que ainda têm curso natural, e o Rio Claro é o que está mais ameaçado”, finalizou.

Os participantes da expedição sairão de Uberlândia na sexta-feira (9), às 5h, e iniciarão o percurso pelo Rio Claro a partir das 8h, saindo da ponte do Hotel Fazenda, a 55 km. Depois farão a descida por meio de um rapel na Cachoeira da Fumaça, descerão de caiaque até a cachoeira de Coqueiros, passam a queda de Varginha, até chegar ao ponto principal, que é a Cachoeira de Salto.   
 
 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »