13/07/2019 às 07h00min - Atualizada em 13/07/2019 às 07h00min

Roqueiros de Uberlândia são movidos pela paixão

Nesse Dia Mundial do Rock uma homenagem a quem faz dele o protagonista em suas vidas

ADREANA OLIVEIRA
Banda AP7 toca no palco do London Pub no Dia do Rock na festa que marca os 32 anos da casa | Foto: Divulgação

Desde 1985 o dia 13 de julho foi instituído como o Dia Mundial do Rock, tendo como marco o festival Live Aid, organizado pelo músico Bob Geldof com edições em Londres e Filadélfia com toda arrecadação voltada para o combate à fome na Etiópia. Porém, há mais de 50 anos o senhor rock and roll dita as regras na vida de milhões de pessoas movidas principalmente pela paixão.

Desde 1987 o London Pub, que celebra 32 anos, surgia como um lugar alternativo para as primeiras bandas da cidade que, na época, já faziam suas músicas próprias e consequentemente, abriu também espaço para projetos covers que reforçam que a música boa não tem data de validade, assim como o rock e seus adeptos também não.

Neste sábado (13), no palco da casa mais tradicional da cidade, que sobrevive pela versatilidade, o rock volta ao protagonismo. Nos vocais de uma das duas bandas da noite, a AP7, está o uberlandense Ítalo Miranda, também nascido em 1987.

“É doloroso assumir a idade, mas faz parte. Subir no palco do London no Dia Mundial do Rock é a realização de um sonho pra mim e para a banda. Me lembro do primeiro show que vi lá, um cover do Led Zeppelin incrível, foi logo que liberaram a entrada para menores de 18 anos, eu tinha 17. Nunca esqueci aquilo”, contou o músico, em entrevista ao Diário de Uberlândia.

Completam a AP7 Felipe Ávila (baixo/backing vocal), Antônio Neto (bateria), Ana Fernandez e Thaís Rodrigues (guitarras). Eles farão a segunda metade da noite com clássicos do rock nacional que fazem todo mundo cantar junto, e ainda haverá espaço para músicas da banda, que tem um álbum lançado.

 

“A expectativa é a melhor possível, estaremos ali com nossos amigos cantando de Plebe Rude a Raimundos em versões que contam com a nossa vibe. Rock é tudo pra mim, não tem um dia sequer que eu não ouça algo do estilo. Não vivo só de música, mas me considero uma pessoa de sorte por conseguir fazer do rock parte da minha rotina, tocar todo final de semana e ter o nome reconhecido na minha cidade”, afirmou o músico.


A primeira parte do show será com a banda de Dino Fonseca, com clássicos do rock internacional, com participação dos vocalistas Hugo Barata e Juliana Gomes. O AP7 contará ainda com participação dos vocalistas Ricardo Simplício (Efeito Reverso) e Guilherme (Solken).

Na programação dos 32 anos do London Pub foi gravado, no mês passado, o DVD da festa “Back to 80´s”, a mais tradicional da casa. O resultado o público poderá conferir em breve com a produção do empresário David Moreira, idealizador do projeto e fundador do London.

DOCUMENTÁRIO
Um documentário sobre o rock uberlandense e seus principais personagens está em fase de produção. Com direção de Cristiano Barbosa e produção dele e Eduardo Bernardt, fotografia de Roberto Chacur e Montagem de Carlos segundo, o projeto já encerrou a fase de gravação. A efervescência dos anos 80 é o ponto de partida para produção que para ser concluída precisará da ajuda dos fãs. Segundo Barbosa, na próxima semana será iniciada uma campanha de financiamento coletivo para a finalização da obra. A previsão de lançamento é agosto, entre as festividades de aniversário da cidade. O nome do documentário é “Rock de Ubercity”, em alusão a música composta em 1984 pela Marise Marra e Juber, que estão entre os entrevistados.

SERVIÇO
O QUE: Aniversário do London + Dia Mundial do Rock
QUEM: Banda AP7 e vocalistas Dino Fonseca, Hugo Barata, Juliana Gomes, Guilherme Solken e Ricardo Simplício
QUANDO: hoje, às 23h
LOCAL: London Pub
INGRESSOS: a partir de R$ 20 à venda na portaria do London a partir das 18h ou pelo app London Pub
CLASSIFICAÇÃO: 18 anos
INF.: londonpub.com.br


VIAGEM

Cinco décadas de história em poucas horas


A banda Rudes (foto) se apresenta no Vinil e noite tem ainda Efeito Reverso | Daniel Gringoo/Divulgação


A Efeito Reverso faz homenagem ao Charlie Brown Jr.
No palco do Vinil Cultura Bar, a partir das 23h, se apresentam duas bandas de gerações complementares. A Rudes traz músicos que estão há décadas fazendo um som na cidade. Sandro Aurélio (vocal), Leonardo Rodrigues (guitarra), Bruno Melo (bateria) e Humberto Rodrigues (baixo), integrantes de bandas com destaque inclusive em som autoral, como o Mata Leão.

Na Rudes, que surgiu numa festa de aniversário do vocalista, a ideia contempla músicas dos 50 anos de rock, dos anos 1950 aos 2000, em uma viagem no tempo a cada apresentação. Humberto Rodrigues comenta que só na ativa no rock uberlandense já são no mínimo 30 anos.

“Estamos com uma boa agenda para a Rudes aqui e fora, a aceitação do show está ótima e nosso comprometimento como o que entregamos é a garantia de um som de qualidade. Trabalhamos com um repertório de bandas que têm tudo a ver com a nossa formação como músicos às quais respeitamos muito”, comentou o baixista.

Para ele, rock, mais do que um estilo de vida é paixão. “Você percebe que o rock é um estilo de gente apaixonada, todo mundo que começa a tocar rock é primeiro pela paixão, se vai ter retorno financeiro é outra história. Adoro o que eu faço e não trocaria esse estilo por nenhum outro. Rock é vida”.

DOBRADINHA
E quem curte fazer rock para levar um som de responsa para um público faz a correria necessária. Hoje, por exemplo, além do show do Rudes, o Vinil tem a Efeito Reverso. O vocalista, Ricardo Simplício, fará também uma participação no show da AP7 no London cantando Raimundos e tudo isso é feito com prazer e comprometimento. O Vinil abre às 23h e os ingressos para o show de hoje custam R$ 12. A classificação é 18 anos.

Formada em 2013 em Uberlândia a efeito reverso lançou o EP “Enigma” em 2015, disponível nas plataformas digitais. Além de Simplício conta com Tarcízio Junior (bateria), Carlos Henrique (guitarra) e Celso Junqueira (baixo/vocais).

“Faremos uma homenagem ao Charlie Brown Jr, uma das maiores e melhores bandas do Brasil. Chorão e Champignon deixaram legado gigante junto aos outros membros da banda, e muita saudade. Tocaremos também músicas nossas que estamos apesentando na Enigma Tour”, disse Simplício, que sempre gostou de rock, desde a infância.

“Conheci o estilo ouvindo U2 e Bon Jovi em um CD que ganhei de um amigo na época. Posso dizer que é um estilo de vida pra mim porque em tempos onde dizem que o rock está morto, consigo viver da música atualmente e sobrevivo tocando rock nas casas de show, barzinhos e pubs da cidade e região. Com a Efeito Reverso, além de MG, já fizemos shows em São Paulo e Rio Grande do Sul. O rock também é a melhor maneira de se expressar, seja sobre qualquer tema, na música. É forma de mostrar a não satisfação com tudo e até mesmo a satisfação com algo”.

 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »