01/07/2019 às 11h34min - Atualizada em 01/07/2019 às 11h34min

Os encantadores Saltimbancos

Espetáculo do Emcantar será apresentado nesta terça-feira (2) no Teatro Municipal em Uberlândia

ADREANA OLIVEIRA
“Os Saltimbancos” traz história que tem a ver com a gênese do grupo | Foto: Thiago Cardinalli/Divulgação

O projeto Boca de Cena traz nesta terça-feira (2) uma história que desde o início dos anos 80 está no coletivo imaginário de muitos brasileiros. O grupo Emcantar, de Uberlândia e Araguari, apresenta no Municipal o musical “Os Saltimbancos”, uma história que muito tem a ver com a gênese da criação do próprio grupo. Segundo um de seus fundadores, diretor artístico do espetáculo e ator Marco Aurélio Querubim, intérprete do Jumento, a adaptação de Chico Buarque de Hollanda e o filme “Os Saltimbancos Trapalhões” (1981) fez a história mais conhecida no Brasil do que no exterior.

A tradução de Chico para a peça dos italianos Sergio Bardotti e Luis Enríquez Bacalov - “I Musicanti” – inspirada no conto "Os Músicos de Bremen", dos irmãos Grimm, para Querubim, foi um trabalho de gênio, digno de Chico Buarque. “A montagem brasileira graças aos Trapalhões e ao Chico facilitou com que a obra fosse mais conhecida aqui do que fora, segundo pesquisas que fiz. É uma obra muito especial que consta no repertório de muitos grupos e companhias teatrais que trabalham com música e teatro. E na perspectiva da coletividade e solidariedade também está nas nossas bases”, disse Querubim.

Ainda no início do grupo, fundado em 1996, eles adaptaram a música “Todos juntos”, em 1998, para apresentação nas escolas, ainda de forma bem simples. “Naquele momento da criação do grupo a força da coletividade presente na história daqueles quatro bichos que conduzem o espetáculo tinha tudo que precisávamos, foi uma experiência muito bacana e ali mesmo ficamos com esse desejo de um dia montar o musical”, contou o diretor.

E foi em 2014 que o projeto começou a tomar forma. Apresentado com atores e banda ao vivo, o espetáculo segue em construção. “Sempre enxertamos uma coisa aqui, outra ali, que torna o espetáculo mais dinâmico, mas nada que descaracterize a obra. Cada montagem deve ter suas peculiaridades e no nosso caso tem essa questão de estar relacionada à nossa história”, explicou Querubim.

CIRCULAÇÃO

Apresentações nos distritos dão novo fôlego ao grupo


Performance apresentada na Escola Municipal do Moreno, em junho passado | Foto: Divulgação

“Os Saltimbancos”, do Emcantar, acaba de realizar uma turnê que passou por distritos e pequenos vilarejos nos arredores de Uberlândia e região como Cruzeiro dos Peixotos, Tenda dos Morenos e Martinésia. Para Marco Aurélio Querubim, circular com esse espetáculo por essas escolas, com toda estrutura de palco, som e luz, dá um novo fôlego para o grupo em sua luta de democratizar o acesso à arte.

“Para nós é uma grande alegria poder levar esse espetáculo para essas comunidades. Fico me perguntando quando essas pessoas teriam a oportunidade de ver algo dessa qualidade em suas escolas ou mesmo no nosso Municipal”.

A temática da solidariedade é outro ponto que torna o espetáculo ainda mais atrativo e mais necessário no tempo em que vivemos. Pela experiência de mais de 20 anos com o Emcantar, Querubim afiram que o grupo trabalha para chegar em lugares onde o acesso à arte é difícil. Ele comenta que segundo índices do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) encomendados pelo Ministério da Cultura durante a gestão de Juca Ferreira (2008/2011 e 2015-2016), cerca de 90% da população brasileira não frequenta cinema ou teatro.

“Isso é muito sério e nós estamos no Sudeste, região que considero privilegiada. Pelo nosso trabalho percebemos que a falta do acesso à arte cria uma lacuna considerável na formação de qualquer pessoa. Na infância a criança não distingue entre brincar e fazer arte e quando tem oportunidade, acesso para dar vazão a seus talentos é todo um mundo de descobrimento que a cerca”, afirmou.

Para ele, a maior batalha de grupos como o Emcantar é promover esse acesso à arte. Para isso eles já têm duas tecnologias educacionais, a Parangolé, que trabalha com canções e brincadeiras e Escutatória, que envolve o processo criativo. “Incentivando os professores a verem que o estímulo estético que vem por meio das linguagens artísticas é aliado na construção da identidade do sujeito podemos ter ótimos resultados”.

SERVIÇO
O QUE: Projeto Boca de Cena - Musical “Os Saltimbancos”
QUEM: Grupo Emcantar
QUANDO: terça-feira (2), às 20h
LOCAL: Teatro Municipal de Ubelândia
CLASSIFICAÇÃO: livre
INGRESSOS: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada) à venda a partir das 14h na bilheteria do teatro ou pelo megabilheteria.com (com taxa de conveniência)
INFOMAÇÕES: 3235-1568
 
FICHA TÉCNICA
Direção Musical: Carlim Ribeiro
Direção Artística: Marco Aurélio Querubim
Elenco e Vozes: Marco Aurélio (Jumento), Ana Lopez (Cachorro), Luciene de Andrade (Galinha) e Viviane Rodrigues (Gata)
Banda: Carlim Ribeiro (Violão, Teclado, Guitarra e Arranjos), Carlos Júnior (Baixo, Flauta Transversal, trompete, Percussão e Arranjos) e Ivan Ribeiro (Bateria)
Figurino, cenografia e visagismo: Pablo Mendonça
Sonorização: Ricardo Campos
Iluminação: Ewerton Claudino
Coordenação de produção: Chayene Cotrin
Produção executiva: Nayara Fernandes
Assistente de produção: Luiza Gonzaga, Ioleides Cabral e Cláudia Miranda
Assessoria de imprensa: Michele Borges | Ciclo Acessoria
Registro fotográfico e videográfico: Yuji Kodato
Designer gráfico: Quinttana Comunicação
Música original: Luiz Enriquez Bacalov
Texto original: Sérgio Bardotti
Tradução e Adaptação originais: Chico Buarque

*Esse espetáculo é licenciado pela SBAT (Sociedade Brasileira de Autores)


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »