19/05/2019 às 10h33min - Atualizada em 19/05/2019 às 10h33min

Às vésperas do show em Uberlândia, Slash fala sobre paixão pela estrada e sincronia com Myles Kennedy

Cidade vai receber turnê “Living the dream” na segunda-feira (27) na Arena Sabiazinho

ADREANA OLIVEIRA
Show ocorre no dia 27 de maio na Arena Sabiazinho | Foto: Divulgação
Na próxima terça-feira (21) Slash iniciará ao lado de Myles Kennedy & The Conspirators sua mais longa temporada em solo brasileiro. Até o dia 3 de junho eles passarão por oito cidades brasileira, Uberlândia é a única do interior a receber a turnê “Living the dream” na segunda-feira (27), na Arena Sabiazinho.

Em tradução livre o nome da turnê é “Vivendo o sonho” e é exatamente que o guitarrista, um dos ícones e sua geração, faz neste momento. Em entrevista ao Diário de Uberlândia, em um intervalo da turnê, Slash disse estar ansioso e feliz por chegar a lugares por onde nunca passou. A repórter faz questão de deixar bem claro o quanto esse show é aguardado por seus fãs da cidade e região, muitos deles já se deslocaram para alguma capital para vê-lo em alguma outra turnê.

“Estar na estrada é o melhor dessa vida e chegar a lugares onde nos apresentaremos pela primeira vez faz com que a gente fique ainda mais animado com essa turnê, que será a mais longa que já fiz no Brasil, país que admiro muito pela alegria e pelo carinho dos fãs que sempre me acolheram muito bem por aí”, explicou.

E não foram poucas as oportunidades. Slash já veio ao Brasil com a banda que o projetou para o mundo, o Guns n´Roses, veio com o Velvet Revolver, um supergrupo que contava com três outros ex-GNR (Duff McKagan, Matt Sorum e Izzy Stradlin) e o saudoso Scott Weiland (Stone Temple Pilots). Também fez passagens por aqui com o Snakepit, projeto solo.

Mas parece que foi com Myles Kennedy &The Conspiratos que o guitarrista criou mais afinidade. “Living the Dream”, o álbum que dá nome à turnê, é o terceiro álbum deles juntos e saiu pelo selo do próprio Slash, o Snakepit. As 12 músicas já dariam um show e tanto. Das baladas (“Lost inside the girl”) aos rocks de arena (“Mind your manners”), passando por hits que seriam sucessos radiofônicos se o rádio em geral ainda tocasse rock (“Driving rain”).

Slash resume Myles Kennedy em uma palavra: dinâmico. “Ele tem uma voz muito particular, muito versátil. Quando estamos com a banda tudo parece ser muito fácil porque a gente queria isso, fazer uma música simples, rock and roll puro e simples”, disse ele sobre o músico que além de carreira solo também está à frente do Alter Bridge.

Completam a banda o baixista Todd Kerns, o baterista e percussionista Brent Fitz e o guitarrista Frank Sidoris. Segundo Slash, eles se tornaram bons amigos e se divertem muito entre um show e outro, mas principalmente no palco.

“As coisas fluíram muito bem no estúdio, foi um disco relativamente fácil de gravar e de transpor para os shows. Temos tocado entre sete e oito músicas dele nesta turnê e creio que vocês vão gostar de como soam ao vivo. A audiência brasileira é apaixonada por música, isso eu guardo muito bem de vocês, é como um coração pulsante”, disse o músico.

E por falar em coração, Slash tem um bem forte. Com um longo histórico e abuso de álcool e drogas ele meio que, deu uma sobrecarregada no seu. Em 2001 recebeu o diagnóstico de cardiomiopatia – que prejudica o bombeamento do sangue para o corpo. Recebeu do médico um prognóstico de seis semanas de vida.

“Não vou te dizer que existe um Slash antes ou depois desse diagnóstico. Eu continuei levando a minha vida como queria e aos poucos as mudanças aconteceram naturalmente, conscientemente. Estou limpo já faz muitos anos e isso não faz tanta diferença, continuo curtindo fazer música e estar na estrada”, disse o músico que lançou uma autobiografia em 2008, com Anthony Bozza, que indico para todos que querem conhecer um pouco mais sobre ele.

“Posso me considerar uma pessoa abençoada por conhecer diferente países, diferentes pessoas, fazer novos amigos e ter uma ótima equipe comigo. A arte está no meu coração e isso é o que vou continuar fazendo enquanto meu coração bater”, comentou o músico.

E sobre o show de Uberlândia, tanto Slash quanto a banda não esperam menos que um público apaixonado pelo rock para compartilhar essa noite juntos. “É interessante porque sei que tenho fãs dos 8 aos 80 anos e é muito bom ver essa diversidade na plateia e me sinto bem ao sabe que aquelas pessoas estão ali, juntas, pela nossa música. Não há nada mais poderoso que isso”.

FAMÍLIA

Apesar de adorar essa vida na estrada, Slash também gosta de voltar para casa e ficar um tempo com os filhos London e Cash. London, o mais velho, tem 16 anos e como o pai deve seguir carreira musical. O jovem atualmente é baterista de uma banda chamada Classless. Já Cash, de 14 anos, gosta de futebol.
 
LIVING THE DREAM TRACKLIST

1 “The call of the wild” É uma abominação é uma nova doença, bem a hora chegou,abaixe o volume e respire e num mundo tão alto eu não posso gritar qdo você é um escravo da máquina
2 “Serve You Right”
3 “My antidote”
4 “Mind your manners”
5 “Lost inside the girl”
6 “Read between the lines”
7 “Slow grind”
8 “The one you loved is gone”
9 “Driving rain”
10 “Sugar Cane”
11 “The great pretender”
12 “Boulevard of broken hearts”

SERVIÇO
O QUE: Living the Dream Tour
QUEM: Slash – Feat. Myles Kennedy & The Conspirators -
QUANDO: 27 de maio
LOCAL: Arena Sabiazinho (Av. Anselmo Alves dos Santos, 3.415, Tibery)
HORÁRIO: abertura dos portões 18h e Início do show às 22h – banda de Abertura: Republica
INGRESSOS: R$ 220 (3º lote arquibancada), R$ 330 (2º lote pista premium), R$ 220 (2º lote pista) e R$ 500 (camarote) - meia-entrada para todos os setores exceto camarote – à venda na loja da B Concerts no Center Shopping e pelo ingressorapido.com.br (com taxa de conveniência)
CLASSIFICAÇÃO: 16 anos
INFORMAÇÕES: 3231-0145

 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »