01/05/2019 às 08h00min - Atualizada em 01/05/2019 às 08h00min

Atriz mineira busca apoio para circulação e espetáculo

DA REDAÇÃO
(Divulgação)
Artistas independentes têm buscado cada vez mais o apoio para seus projetos nos chamados financiamentos coletivos, ou vaquinha virtual, uma alternativa à falta de patrocínio privado ou leis de incentivo. A atriz e dançarina mineira Juliana Maltos, natural de Araguari formada pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) está com uma campanha para viabilizar a circulação do espetáculo “Massemba – De onde vem meu samba?”, que faz parte do projeto Roda Moinho.

Mesmo residindo em Natal (RN), ela mantém os laços com o Triângulo Mineiro e divulga Uberlândia e Araguari por onde passa. O espetáculo é uma obra do grupo de artes Comboio, que traz integrante das duas cidades mineiras e tem a proposta de levar a turnê a 10 estados brasileiros neste ano.
Segundo Juliana, a ideia é proporcionar a formação de público com a cobrança de um ingresso de valor simbólico, R$ 5, e levar a debates sobre temas relevantes como o racismo, tolerância religiosa, entre outros.

O grupo surgiu em 2014  e conta, além de Juliana Maltos, com Cláudia Panteleão (direção), Gabriela Diniz (produção/contra-regragem) e Felipe Potigua (contra-regragem/dramaturgia). O grupo já realizou ensaio aberto em Uberlândia em junho de 2017 e estreou no Sarau Sons Poéticos dentro do projeto Circulação “Contando histórias” entre agosto e dezembro de 2018. O trabalho também foi apresentado na 4ª Mostra Galhofas em Descalvado (SP). Agora, som Juliana em performance solo, nos dias 11 e 12 de maio o espetáculo será apresentado em Natal.

SINOPSE

“Massemba de onde vem meu samba?”, convida para chegar no alpendre de casa e escutar uma história, dessas que se escuta com carinho, com cheiro de laranja descascada na horta. Convida para entrar nas memórias da atriz, aprendiz de sambadeira que compartilha suas lembranças e expectativas de um mundo mais tolerante e fraterno. As cenas, que hora se confundem no conto/canto de uma personagem menina-moça, leva no seu trilho histórias e estórias dos outros. O espetáculo-contação passa pelas temáticas afro-brasileiras, tolerância religiosa, desigualdade/inclusão social, igualdade racial/liberação do preconceito, e tudo isso com a alegria da cultura popular aqui escolhido como a manifestação/patrimônio imaterial do Brasil: samba de roda.

SERVIÇO

Para colaborar com a circulação do espetáculo “Massemba”, do grupo de Artes Comboio acesse: http://twixar.me/jlcK.
 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »