02/04/2019 às 18h00min - Atualizada em 02/04/2019 às 18h00min

Uberlandenses são homenageados com aquarelas de Alexandre Zilahi

Artista plástico paulistano que trabalhou em Uberlândia volta para compartilhar novos trabalhos

ADREANA OLIVEIRA
Alexandre Zilahi homenageia artistas que inspiram diferentes gerações (Divulgação)
O paulistano Alexandre Zilahi já nasceu envolto nas artes. O pai foi seu primeiro professor nas artes plásticas, ainda aos 4 anos e idade, e dois anos mais tarde na música. O menino cresceu e assim sua paixão e comprometimento por visões que podem levar a um mundo melhor. “Acredito no poder transformador da arte”, disse o artista, durante entrevista ao jornal Diário de Uberlândia. Ele esteve na cidade há alguns dias para abrir sua exposição “Música, Tons e Cores”, em cartaz na Casa Thomas Jefferson até dia 30 de abril.

“Minha ligação profissional com Uberlândia deu-se entre 1999 e 2005, quando morou por aqui e entre outras atividades foi regente do coro da Banda Municipal. “Fiz grandes amizades por aí que permanecem até hoje e conheço muitos artistas de Uberlândia que estão espalhados pelo mundo”, afirmou ele, logo depois de acertar alguns detalhes de uma nova exposição que estreia dei 15 em São Paulo.

As aquarelas expostas em Uberlândia somam mais de 30. Todas de personalidades ligadas à música, ao teatro, ao cinema ou às artes plásticas. Alguns deles já se foram, deixando saudade e um legado a ser respeitado; outros, estão por aqui, ou pelo mundo, compartilhando seus talentos.

“Não sei te dizer se para fazer sucesso em casa é realmente preciso sair de sua cidade natal, pode até ser que aconteça, mas não acredito que deva ser uma regra”, disse Zihali ao  ser questionado sobre a máxima “santo de casa não faz milagre”. Os uberlandenses têm o mesmo destaque que ícones como Dorival Caymmi, Rita Lee, Tom Zé, Madonna e Stevie Wonder, entre outros, também presentes na exposição.

O mais notável dos uberlandenses retratados é, claro, o inesquecível Grande Otelo, foi engraxate, artista de circo e se destacou como comediante e ator em todo o Brasil, além de cantar, compor e produzir.

Rejane Paiva, nascida em Uberlândia e, atualmente, morando em Zurique, na Suiça, é musicóloga, regente e artista plástica. Integrou a equipe de agentes culturais da Secretaria Municipal de Cultura de Uberlândia entre os anos 1987 a 1999. Criou e dirigiu os coros oficiais dos municípios de Uberlândia, Uberaba e Itumbiara.

Outra homenageada é a pianista Nininha Rocha, conhecida como “a condessa dos pés descalços”, que faleceu no último ano, reconhecida por seu talento e humildade.

Pessoas que não nasceram em Uberlândia, mas fizeram da cidade seu lar e por aqui se estabeleceram também merecem destaque como Edmar Ferretti, professora da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e regente do coral da instituição, criado por ela, há mais de 40 anos.

O musicista Romero Miloni nasceu em São Paulo, em 1940, onde começou seus estudos de música aos 17 anos. Mudou-se para Uberlândia em 1968. Formou-se no Conservatório Estadual de Música Cora Pavan Capparelli e trabalhou lá até sua aposentadoria. Em Minas Gerais, fez parte de diversas bandas, como The Jet Black, na jovem guarda.

Para Alexandre, retratar essas pessoas em suas aquarelas é uma forma de honrá-las pela colaboração de cada uma delas e jamais devem ser esquecidas.

SERVIÇO

O QUE: exposição “Música, Tons e Cores”
QUEM: Alexandre Zilahi
QUANDO: até 30 de abril - visitação das 18h às 21hVisitação  de segunda a sexta-feira e aos sábados das 9h às 12h
LOCAL: Casa Thomas Jefferson (Rua Otília Souza Oliveira 75, Morada da Colina)
ENTRADA FRANCA
INF.: 3228-9720

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »