28/03/2019 às 09h25min - Atualizada em 28/03/2019 às 09h25min

Peninha traz seus clássicos a Uberlândia

Cantor e compositor paulistano se apresenta no Uberlândia Cultural, com entrada franca

ADREANA OLIVEIRA
Peninha volta aos palcos de Uberlândia, onde fez alguns amigos (Divulgação)
O cantor e compositor paulistano Peninha já viu de tudo um pouco em suas quatro décadas de carreira. Desde um tempo em que se lançava praticamente um, ou até mais, de um álbum por ano, até a era dos singles, em que tudo vai direto para as plataformas digitais. E aos 66 anos ele se mantém antenado com o que acontece no mercado musical e fazendo shows pelo Brasil que destacam uma carreira recheada de sucessos não só na voz dele, como também de outros intérpretes.

Peninha é atração de hoje do show Uberlândia Cultural, que nesta edição comemora os sete anos do Uberlândia Shopping. O evento tem entrada franca. “Eu já toquei em Uberlândia e em uma das vezes foi em um shopping também, mas faz muitos anos. Também estive a passeio na cidade visitando amigos como Régis Danese e Alexandre Pires”, disse o compositor durante entrevista por telefone ao jornal Diário de Uberlândia no início da tarde da última terça-feira.

O uberlandense Alexandre Pires é um dos cantores que tem sucessos de Peninha em seu repertório, assim como Fábio Júnior, Moska, Elimar Santos, Tim Maia, Sandra de Sá, Caetano Veloso e Alejandro Sanz, entre outros.

Entre seus principais sucessos estão “Sonhos”, “Alma gêmea” e “Que dure para sempre”, que certamente estarão no repertório da noite. “Esse show se chama ‘Sonhos e Canções’ e nele apresento uma seleção de músicas brasileiras que vão dos anos 60 aos anos 80”, disse o músico, que virá acompanhado por sua banda. Muitas dessas músicas foram trilhas de telenovelas como “Sem lenço, sem documento” e “Suave veneno”.

Sobre sua relação com os intérpretes, Peninha afirma que a editora tem um papel importante na distribuição de sua obra e que a música chegar no momento certo para determinado artista é o que faz a diferença. “Às vezes fico sabendo que alguém regravou uma música minha pela internet, porque a editora tem autorização para liberar o material. Foi assim que soube da regravação de ‘Sonhos’ pela Paula Toller e também que estava na trilha sonora de uma novela no México com ‘Por eu ter me machucado’ na voz do José Augusto”, contou o músico.

Ganhador de três prêmios Sharp de música, Prêmio Qualidade Brasil 1999 do International Exporter´s Service na categoria compositor e Troféu Imprensa na categoria Melhor Música no mesmo ano, Peninha enxerga a evolução e as mudanças no mercado musical, cada vez mais rápidas, como “uma espécie de apocalipse”. Para ele mudou tudo muito rápido em pouco tempo. “Eu cheguei a trabalhar com fita K7, vinil e CD, hoje pouco se fala ou se fabrica CDs, é uma outra linguagem, uma outra coisa”, disse.

Peninha acredita que muitos sucessos saem de manifestações espontâneas na internet, mas tem certeza que tem muita armação também, mas que isso tende a diminuir com o passar do tempo. “Talvez por isso tanta gente que você vê ali com 200 milhões, 400 milhões de visualizações em um vídeo não consiga leva público aos shows, tem alguma coisa errada ali, é assombroso como o mercado compra isso e muita gente não questiona”, afirmou.

Pai de sete filhos e avô de cinco netos, Peninha ainda ouve muitos artistas novos via plataformas como o Spotify. Ele destaca alguns do segmento gospel. O filho Willy Gregory está na lista. “Ele canta para Deus, é ministro e canta muito bem, a partir dele cheguei a outros artistas. São pessoas muito talentosas, que cantam muito bem e trabalham com estúdios ótimos”, comentou.

Outro filho, Carlos Eduardo, também aderiu à música em outro estilo. “As outras cinco não cantam mas apoiam, aplaudem sempre”, disse.

Para aproveitar melhor o show de hoje recomenda-se chegar mais cedo. Quem puder deve utilizar a carona solidária, já que nesses eventos o estacionamento do shopping costuma lotar. Desde a primeira edição, em 2012, teve um público de 70 mil pessoas no total com artistas como Jorge Vercillo, Tiê, Oswaldo Montenegro, Toquinho, Sandra de Sá, Zeca Baleiro, Alceu Valença, Flávio Venturini e Sá &Guarabyra, Bicho de Pé, Renato Teixeira, Marcelo Jeneci, Leoni, entre outros.

SERVIÇO

O QUE: Show Uberlândia Cultural
QUEM: Peninha (SP)
QUANDO: hoje, às 19h30
LOCAL: Uberlândia Shopping (Praça de Alimentação)
ENTRADA FRANCA: sujeito a lotação
ESTACIONAMENTO: gratuito
CLASSIFICAÇÃO: livre
INF.: uberlandiashopping.com.br

DISCOGRAFIA PENINHA
“Ultimamente” (1972)
“Emoções” (1975)
“Mais Palavras” (1976)
“Peninha” (1977)
“Dia de Sol” (1979)
“Peninha” (1980)
“Todas as Auroras” (1980)
“A Popularidade” (1980)
“Inventor de Canções” (1982)
“Último Beijo” (1985)
“Amo Você” (1988)
“Outra Onda” (1989)
“Me Agarre Forte” (1999)
“Coladinhos” (2001)
“Sonhos e Sucessos” (2004)
“Peninha – Ensaio” (CD e DVD/2012)

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »