14/10/2018 às 07h30min - Atualizada em 14/10/2018 às 07h30min

Um festival de dança mais inclusivo

Com mais de 80 atrações, 26ª edição do evento começa nesta segunda-feira, com entrada franca em todas as atividades

ADREANA OLIVEIRA
Cia Mimulus, convidada, apresentará na abertura o espetáculo “Pretérito Imperfeito” | Foto: Guto Muniz/Divulgação
Aos poucos parece que o Festival de Dança do Triângulo começa voltar aos trilhos de seus anos áureos. Pelo menos essa é a percepção da Secretaria Municipal de Cultural (SMC) de acordo com a procura para participação na 26ª edição do evento, que começa na próxima segunda-feira (15) e vai até 21 de outubro, com entrada franca. Com atividades em diferentes pontos da cidade, o festival, que ganhou o subtítulo “Encontros: razão, emoção e cena”, contará também com intervenções, uma novidade na programação. Segundo Ananda da Costa Viana, coordenadora do Setor de Dança da SMC, a expectativa não poderia ser melhor. “Todos os funcionários estão envolvidos e comprometidos com mais esse festival. A procura dos bailarinos e grupos foi o dobro da edição passada e a movimentação na cidade já acontece”, disse.

Das 213 inscrições recebidas (206 para mostra e 7 para intervenções) foram selecionados 83 grupos que passaram por um crivo no mês de agosto com um corpo de jurados formado por especialistas da área. A lista de selecionados traz grupos de Minas Gerais, São Paulo e Goiás.

Inclusão é outra palavra forte para o festival. Na última quinta-feira (11) a organização do festival confirmou 30 cadeiras com transmissão para deficientes visuais e uma das coreografias selecionadas para a mostra infantil está “Ponto X”, que traz um bailarino com deficiência visual. “Inclusão é muito importante para nós tanto no palco quanto na plateia por isso entre os selecionados há grupos de idosos e de crianças também”, disse Ananda Viana. Um edital específico para os Palcos Livres foi divulgado e a procura também foi grande por parte dos grupos, que fazem apresentações em palcos diferentes da cidade.

A mostra acontece no Teatro Municipal. Foram duas as companhias convidadas, uma para a abertura, a Mimulus Cia de Dança e uma para o encerramento, Balé Jovem Minas Gerais, ambos de Belo Horizonte. A Mimulus vem com o espetáculo “Pretérito Imperfeito”, que faz alusão ao tempo verbal enfatizando a ideia de que as lembranças do passado se reverberam no presente. A Cia utiliza-se do espetáculo para apresentar suas memórias e lembranças, depois de muito investigar e refletir sobre os seus mais de vinte anos de trajetória. O público participa e alimenta o espetáculo compartilhando o que jamais irá esquecer, em pequenos pedaços de papel, bilhetinhos que são incorporados à cena. O espetáculo teve como primeira inspiração a leitura do livro “Pequeno tratado das grandes virtudes”, do filósofo francês Andre Comte-Sponville. Em seguida, caminhou pela mitologia grega, na qual a Dança se apresenta como filha da Memória.

Laboratórios de poesia e de música erudita brasileira contribuíram para que o diretor artístico Jomar Mesquita harmonizasse a trilha sonora, a fala, cenário e luz às pesquisas corporais desenvolvidas em conjunto pelos bailarinos, gerando mais um trabalho surpreendente da Mimulus Cia de Dança. A trilha sonora é composta por músicas instrumentais brasileiras, indo do erudito ao popular. Segundo material de divulgação, desde os anos noventa, a Mimulus Cia de Dança vem priorizando uma proposta singular de retomada do tradicional repertório das danças de salão, mas sempre com o olhar armado na contemporaneidade.

ENCERRAMENTO
Formação profissional para maiores de 17 anos


Ballet Jovem Minas Gerais, companhia convidada, apresentará duas coreografias | Foto: Lena Maia


Convidado pelos organizadores do 26º Festival de Dança do Triângulo, o Ballet Jovem Minas Gerais apresentará as coreografias “Notório” e “Ritos”. É um projeto de formação profissional em dança que atende a uma demanda social, educacional e cultural beneficiando a sociedade em diversas frentes.

O grupo atua, há oito anos, em várias camadas da sociedade e beneficia jovens a partir de 17 anos que almejam ingressar no mercado profissional da dança, mas ainda não têm preparo suficiente para enfrentarem as audições. O Ballet Jovem propicia a estes dançarinos uma vivência como a de uma companhia profissional desde os compromissos e responsabilidades diárias, assim como a oportunidade de se apresentarem em diversos palcos pelo país.

O Ballet Jovem surgiu é fruto da iniciativa da diretoria de ensino e extensão do Centro de Formação Artística da Fundação Clóvis Salgado e o projeto era mantido via lei de incentivo fiscal através das empresas parceiras da Fundação. O projeto atendia ao propósito que foi criado, empregando 38 (trinta e oito) bailarinos no mercado profissional da dança no Brasil e no exterior. Atendia também a todas as demandas dos parceiros por ser um projeto de fácil circulação e grande alcance do público.

Em 2015, com a mudança de gestão e com as atuais dificuldades financeiras, o projeto foi encerrado. Com o intuito de continuar a dar suporte aos jovens que já estavam no projeto e aos que virão, o Ballet Jovem Palácio das Artes, hoje Ballet Jovem Minas Gerais, desvincula-se da Fundação Clóvis Salgado para buscar apoio junto a instituições e pessoas que acreditam na importância da formação na vida das pessoas.

FORMAÇÃO
Atividades reuniram futuros bailarinos, coreógrafos e estudiosos da dança


Claudio Gutierrez ministra oficina de iluminação cênica no Teatro Municipal | Foto: Cleiton Borges/Secom/PMU


Apesar de só começar amanhã, o Festival de Dança do Triângulo vem realizando atividades de formação. A menos de uma semana para o início da programação oficial, o evento já proporcionou estímulo a reflexão, ao conhecimento e à aprendizagem na dança local.

Entre agosto e setembro mais de 200 pessoas passaram pelas atividades gratuitas oferecidas em diferentes pontos da cidade, além das oficinas permanentes disponibilizadas pelo setor formativo e pedagógico do festival. Ao todo foram cinco oficinas realizadas na Oficina Cultural e uma de iluminação cênica no Teatro Municipal.

“A procura pela oficina de iluminação cênica nos surpreendeu”, disse Ananda Viana. Ministrada por Claudio Gutierres, uma das referências nacionais na área, os participantes conheceram um pouco mais sobre este elemento transformador de um espetáculo.

Em agosto 77 pessoas se dirigiram até a Oficina Cultural para atividades com o diretor, coreógrafo e bailarino paulistano, Ricardo Scheir, e com Wanda Bambirra, de Belo Horizonte, que apresentou sua própria metodologia de ensino de dança para o público infantil, envolvendo 27 professores e 43 crianças.

Aprender sobre danças urbanas com um dos coreógrafos da cerimônia de abertura das Olimpíadas de 2016 foi apenas um dos motivos que levou 34 pessoas para a atividade com Fillipi Ursão, na Oficina Cultural, que também foi palco de uma ação com a cantora, bailarina e coreógrafa africana Fanta Kanoté, em setembro. E as atividades seguem até dezembro.
 
26ª edição do Festival de Dança do Triângulo “Encontros: razão, emoção e cena”
PROGRAMAÇÃO*
15/10
17h30 Palco livre – CEU Shopping Park

16/10
20h Foyer do Municipal: abertura oficial – Udi Jazz Big Band
20h30 Palco Italiano do Municipal - Mostra convidada: Companhia Mimulus (Belo Horizonte)
Espetáculo: “Pretérito Imperfeito”
 
17/10
17h30 Palco livre – Pratic Shopping/Terminal Central
20h Palco Italiano do Municipal - Mostra de espetáculo: Grupo Divinadança (SP)
Espetáculo: “Estranho lugar”

18/10
17h30 Palco livre – praça Clarimundo Carneiro
19h30 Foyer do Municipal- Grupo Kaleidoscópio
20h Palco Italiano do Municipal - Mostra de espetáculo: Nalini Cia de Dança (GO)
Espetáculo: “Um mero deleite”

19/10
17h30 Palco livre – Uberlândia Shopping
19h30 – Foyer do Municipal - Gajhab Grupo de Dança
20h – Palco Italiano do Municipal - Mostra de espetáculo: Cia Pariz Arte em Dança (SP)
Espetáculo: “Triunfal”

20/10
16h Teatro Municipal - Mostra infantil: Mostra profissional e amadora com a Cia Marzuq de Danças Árabes, com a coreografia “Maktub”; Kelly Allek Cia de Dança, com a coreografia “Nujum AL Shark”; Dançando com a Vida, com a coreografia “Ponto X”.

21/10
Noite de encerramento
19h30 Foyer do Municipal - Samuel Borges
20h30 Palco Italiano do Municipal - Mostra convidada: Cia Ballet Jovem de Minas Gerais (Belo Horizonte)
Espetáculos: “Notório” e “Ritos”

*Todas as atividades têm entrada franca


 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »