14/09/2018 às 08h44min - Atualizada em 14/09/2018 às 08h44min

Uberlândia recebe filmes e documentários do “forumdoc.mg”

ADREANA OLIVEIRA
"Piripkura” é um dos documentários da mostra | Foto: Divulgação
Uberlândia recebe até o próximo domingo (16) mais uma edição do “forumdoc.mg”, Festival do filme documentário e etnográfico - Fórum de Antropologia e Cinema. A mostra está em sua 22ª edição em Belo Horizonte e o braço uberlandense do projeto acontece no Campus Santa Mônica da UFU, Casa Graça do Aché e Museu Universitário de Arte (MUnA). O campus da UFU em Monte Carmelo também receberá sessões. Um dos diferenciais do “forumdoc.mg”, que tem sessões gratuitas, é a possibilidade de contar com especialistas para comentar as sessões. Neste ano são Junia Torres e Ewerton Belico, ambos belo-horizontinos e integrantes da Associação Filmes de Quintal, que realiza o festival na capital mineira.

Segundo a Filmes de Quintal, o festival foi criado em 1997 com o objetivo de compartilhar filmes que não eram exibidos nas salas de cinema convencionais. Eles buscavam ainda promover reflexão e formação crítica de público, fomentar a pesquisa e a qualificação da produção audiovisual.

Na programação estão as mostras “Imagens do Antropoceno”, “Contemporânea Nacional” e “Contemporânea Internacional”. Ao todo são 12 filmes distribuídos em 9 sessões comentadas que tiveram início ontem.
Entre os destaques está “Meu corpo é político”, de Alice Riff, que aborda o cotidiano de quatro militantes LGBT que vivem em periferias de São Paulo. A partir da intimidade e do contexto social dos personagens, o documentário levanta questões contemporâneas sobre a população trans e suas disputas políticas.

Outro filme que será exibido é “Piripkura”, de Mariana Oliva, Renata Terra e Bruno Jorge. Nele, dois índios nômades do provo Piripkura sobrevivem cercados por fazendas e madeireiros numa área ainda protegida pela floresta amazônica. Jair Candor, servidor da Funai, acompanha os dois desde 1989. Ele faz expedições periódicas e monitora vestígios que comprovam a presença deles para impedir a invasão da área. No ano passado, o documentário ganhou o Prêmio Direitos Humanos de Amsterdã no Festival Internacional de Documentários de Amsterdã (IDFA).

Haverá emissão de certificado para os participantes interessados. A realização local é do Laboratório de Antropologia, Linguagens e Saberes (LALiS), do Instituto de Ciências Sociais da UFU.

PROGRAMAÇÃO
HOJE (14)
Local: Campus Santa Mônica – Auditório 3C (Biblioteca)
10h “ATL” (Brasil, 2017, cor, 6 min), de Edgar Corrêa Kanaykõ
“Piripkura” (Brasil, 2017, cor, 82 min), de Mariana Oliva, Renata Terra e Bruno Jorge
Local: Casa Graça do Aché (Av. Cesário Crosara, 4.187, bairro Roosevelt)
19h30 “Rainhas” (Brasil, Angola, 2018, cor, 90 min), de Júnia Torres
 
SÁBADO (15)
Local: MUnA (Praça Cícero Macedo, 309, bairro Fundinho)
15h“Baronesa” (Brasil, 2017, cor, 73 min), de Juliana Antunes
17h “El Mar, La Mar” (EUA, 20174, cor e P&B, 95 min) de Joshua Bonnetta e J.P. Sniadeck
19h “Arábia” (Brasil, 2017, cor, 96 min), de Affonso Uchôa e João Dumans
 
DOMINGO (16)
Local: MUnA
15h “A Gis” (Brasil, 2016, cor, 20 min), de Thiago Carvalhares
“Meu corpo é político” (Brasil, cor, 72 min), de Alice Riff
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »