11/09/2018 às 09h09min - Atualizada em 11/09/2018 às 09h09min

Cobertura vacinal de HPV está baixa

Apenas 16,5% de crianças e adolescentes foram imunizados neste ano nos 18 municípios da SRS de Uberlândia

MARIELY DALMÔNICA
Vacina contra o papilomavírus humano é quadrivalente e está disponível durante todo o ano na rede pública | Foto: Valdecir Galor/SMCS
A vacinação contra o papilomavírus humano (HPV), que pode causar problemas de saúde graves como o câncer de colo do útero, está com baixa cobertura entre o público-alvo na região. Neste ano, apenas 16,5% das meninas entre 9 e 14 anos e dos meninos entre 11 e 14 anos tomaram a primeira dose nos 18 municípios que integram a Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Uberlândia.

A vacina é oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) durante o ano todo e é quadrivalente, ou seja, protege contra quatro tipos de vírus. As formas mais comuns de transmissão do HPV são por meio de contato íntimo desprotegido e pelo contato com a pele de um indivíduo infectado.

De acordo com a coordenadora de vigilância em saúde da SRS de Uberlândia, Rosana Gervásio, a vacina foi implantada para ambos os sexos para diminuir a incidência de câncer no aparelho genital feminino e masculino. “[A vacina] É muito importante, previne contra o câncer de colo de útero e verrugas nas genitais. Vemos que as crianças de 9 anos foram as mais vacinadas [59% do público-alvo], mas a cobertura vacinal nas duas doses está muito baixa, chamando atenção para a faixa etária de 12 e 13 anos”, disse.

Segundo a SRS, tomaram a primeira dose apenas 276 dos 7.957 adolescentes de 13 anos que compõem o público-alvo, índice de 3,47%. Na segunda dose, a cobertura vacinal nessa faixa etária continua baixa, com apenas 403 imunizados entre 7.957 adolescentes (5,07%).

Rosana afirmou que a proteção só é eficaz quando as duas doses da vacina de HPV são aplicadas. “A segunda dose é feita após seis meses [da primeira] e, na maioria das vezes, a população não volta para o reforço vacinal e não garante a imunização. É importante reforçar que é preciso voltar à unidade de saúde para a segunda dose."

Segundo Cláubia Oliveira, coordenadora do Programa de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde, a forma mais eficaz de vacinar o público-alvo é nas escolas. “A vacina está disponível durante todo o ano e em todas as salas de vacina do Município, mas nós aplicamos boa parte nas escolas. A gente percebeu que a estratégia é boa, se tratando de adolescente. Mas ainda temos uma dificuldade, que é a adesão, precisamos que os pais colaborem enviando o cartão de vacina”, afirmou.

Cláubia ainda desmentiu os boatos de que a vacina oferecida pelo SUS seja fraca. “A mesma vacina é oferecida para o SUS e para as clínicas particulares, até o laboratório que fornece é o mesmo.”
 
CLÍNICAS PARTICULARES
 
Geraldo Barbosa, presidente da Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas (Abcvac), disse que a procura pela vacina de HPV diminuiu nos últimos três anos nas clínicas particulares.

“Temos percebido uma queda na procura de 20% a 25% por ano. Em 2017 tivemos um resultado muito ruim, e neste ano estamos com medo de que as vacinas percam. A vacina é a mesma oferecida no SUS, mas as pessoas não estão procurando”, afirmou. O valor da vacina contra o HPV varia entre R$ 380 e R$ 450, segundo Geraldo.
 

Para Rosana Gervásio, notícias falsas em relação às vacinas são um grande problema | Foto: Divulgação

MITOS

 
 “Existem alguns mitos, falando que a vacina faz mal e que tinha sido proibida pelo Ministério da Saúde, mas todas essas notícias foram desmentidas. Outro problema é que os adolescentes não têm aquela frequência nas salas de vacina. E é importante lembrar que nessa faixa etária existem outras vacinas a serem tomadas”, disse Rosana.


 
SOBRE O HPV
 
Quais são as formas de transmissão?
A transmissão do HPV se dá por contato direto com a pele ou mucosa infectada. A principal forma é pela via sexual, que inclui contato oral-genital, genital-genital ou mesmo manual-genital. Portanto, o contágio com o HPV pode ocorrer mesmo na ausência de penetração vaginal ou anal. Também pode haver transmissão durante o parto. Como muitas pessoas infectadas pelo HPV não apresentam sinal ou sintoma, elas não sabem que têm o vírus, mas podem transmiti-lo.
 
Qual é a vacina indicada para prevenção do HPV?
O Ministério da Saúde adotou a vacina quadrivalente, que protege contra o HPV de baixo risco (tipos 6 e 11, que causam verrugas anogenitais) e de alto risco (tipos 16 e 18, que causam câncer de colo uterino).
 
Como a doença se manifesta?
A infecção pelo HPV é tipicamente assintomática (sem sintomas) na maioria das pessoas. Em alguns casos, o HPV pode ficar latente de meses a anos, sem manifestar sinais (verrugas na região genital e no ânus visíveis a olho nu), ou apresentar manifestações subclínicas (não visíveis a olho nu). As manifestações costumam ser mais comuns em gestantes e em pessoas com imunidade baixa.
Pode acometer vulva, vagina, colo do útero, região perianal, ânus, pênis (geralmente na glande), bolsa escrotal e/ou região pubiana. Menos frequentemente, pode estar presente em áreas extragenitais, como conjuntivas, mucosa nasal, oral e laríngea.
Mais raramente, crianças que foram infectadas no momento do parto podem desenvolver lesões verrucosas nas cordas vocais e laringe (Papilomatose Respiratória Recorrente).
 
Qual é o risco de uma pessoa infectada pelo HPV desenvolver câncer?
Aproximadamente 291 milhões de mulheres no mundo têm HPV, sendo que 32% estão infectadas pelo tipo 16 ou 18, ou por ambos, os tipos responsáveis pela maioria dos casos de câncer de colo do útero. Segundo estudos, o HPV está envolvido em quase 100% dos casos de câncer de colo do útero; 85% dos casos de câncer de ânus; 35% de orofaringe; e 23% de boca. Os cânceres de boca e garganta são o 6º tipo no mundo e a incidência está fortemente relacionada ao HPV e à prática de sexo oral.
 
Fonte: Ministério da Saúde
 
 Cobertura vacinal de HPV
 
1ª dose Total população por faixa etária a ser vacinada % população vacinada por faixa etária População Vacinada
10 anos 7.402 11,63 861
11 anos 7.622 6,51 496
12 anos 7.814 4,43 346
13 anos 7.957 3,47 276
09 anos 7.198 59,75 4.301
Total 37.993 16,5 6.280
 
2ª dose Total população por faixa etária a ser vacinada % população vacinada por faixa etária População Vacinada
10 anos 7.402 23,08 1.708
11 anos 7.622 10,69 815
12 anos 7.814 6,3 492
13 anos 7.957 5,07 403
09 anos 7.198 26,49 1.907
Total 37.993 14,0 5.326
 
Fonte: SRS Uberlândia
 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »