17/08/2018 às 08h33min - Atualizada em 17/08/2018 às 08h33min

Uma psiquiatra que vai à loucura

Comédia “Doidas e Santas” traz Cissa Guimarães, Josie Antello e Giusepe Oristanio de volta a Ubelândia

ADREANA OLIVEIRA | EDITORA
Josie Antello, Cissa Guimarães e Giusepe Oristanio começaram o projeto há oito anos | Foto: Divulgação
Na última terça-feira Cissa Guimarães estava ao vivo no “Vídeo Show” (Globo), em participação de casa via vídeo para homenagear Thiago Fragoso, com quem contracenou em “O Clone” (2001). A entrevista com o Diário de Uberlândia estava agendada para as 15h. Como Cissa saiu do ar às 14h57 a repórter esperou dois minutos a mais para ligar.

“Você está linda com essa blusa azul, Cissa”. A atriz e apresentadora agradece e solta uma gargalhada daquelas bem características suas. O entusiasmo na voz era o mesmo da TV. Pergunto se ela é tão workaholic como aparenta. “Um pouco. Adoro meu trabalho, mas também gosto de não fazer nada de vez em quando”, disse ela que já foi apresentadora do programa, entre outros da casa, e tem no currículo mais de 20 novelas e sete filmes.

Cissa Guimarães volta hoje ao palco do Teatro Municipal de Uberlândia, muito bem acompanhada por Giusepe Oristanio e Josie Antello, na peça “Doidas e Santas”, com sessões também amanhã e domingo (sessão com tradução em libras).
O projeto idealizado por ela em 2010 tem contado com casa cheia a cada temporada. “Essa é nossa quarta turnê com o espetáculo e a ideia era levar para cidades nas quais ainda não nos apresentamos. Voltar para Uberlândia, onde estivemos em maio de 2015, foi uma escolha minha. Foi bem daquele jeito ‘eu sou a produtora e quero ir de novo’”, brinca a atriz, mesmo admitindo ser um risco. “As apresentações aí foram tão inesquecíveis, superaram as nossas expectativas e resolvi tentar outra vez, para receber essa energia boa de novo”, afirmou.

O sucesso fenomenal da peça Cissa credita, primeiramente, ao texto de Martha Medeiros, adaptado para a peça por Regiana Antonini. “Sem um bom texto o ator não é nada. Até a nossa diva, Fernanda Montenegro, se pegar um texto ruim não rende. O texto é a base de tudo e a Martha tem uma capacidade incrível, um talento para poetizar o cotidiano de maneira delicada e profunda. São momentos com os quais todo mundo se identifica em um momento ou outro da própria vida”, disse a atriz.

Outro ponto é a química entre os atores em cena. Desde que estrearam, Giusepe só não pode participar de uma das turnês, e foi substituído por Oscar Magrini. “Ele ficou péssimo, sofreu muito. Me ligava para dizer que estava morrendo de ciúme do Oscar. A Josie também é uma querida. A gente se diverte e se emociona. A direção genial do Ernesto Piccolo nos dá ainda mais possibilidades”, contou Cissa.

A atriz e produtora disse ainda que adora acompanhar a repercussão da peça nas redes sociais. “Conheço pessoas que já assistiram cinco vezes. A melhor propaganda do teatro é o boca-a-boca. Adoro quando assistem e voltam com um amigo, um parente, marcam todo mundo nas redes sociais e indicam o espetáculo. Tem gente de Uberaba que já falou que vai para Uberlândia assistir neste final de semana”, revelou.

SINOPSE
Em “Doidas e Santas” Cissa vive a psicanalista Beatriz em um momento de crise: a vida profissional vai bem mas a pessoal está um desastre. Josie interpreta a mãe de Beatriz, dona Elda, com quem ela volta a morar, e a filha adolescente de Beatriz. Giusepe vive o marido Orlando, que após 20 anos de casamento está cada vez mais distante. Josie ainda representa Berenice, a irmã caçula e solteirona de Beatriz, peça fundamental na mudança de atitude da psicanalista que dá o tom do espetáculo.

PRIVILÉGIO
Cissa Guimarães enfatiza o quanto se considera privilegiada por trabalhar com o que ama. “Sou apaixonada pela minha profissão e sei que, infelizmente, muita gente não consegue viver isso”, comentou. A atriz se recorda do primeiro carro que comprou. “Era um Fiat Uno de quinta mão que comprei da Rosamaria Murtinho, que trabalhou comigo na produção. Quando peguei o carro não conseguia acreditar. Pensava ‘eu saio de casa para fazer o que eu gosto e ainda ganho dinheiro que dá para comprar um carro’. Parece loucura, não é?”

Para Cissa vive-se um momento de desmonte da cultura no Brasil. “É preciso criar uma nova plateia no Brasil. As pessoas não querem mais sair de casa para ir ao teatro. Têm entretenimento em casa, no celular. Chegam do trabalho e se trancam. A falta de segurança é outro agravante. Mesmo assim eu sou otimista e tenho esperança. Tudo depende de nós e eu faço a minha parte na engrenagem ao continuar o meu trabalho com muita alegria”, afirmou.

Aos 61 anos, com uma jovialidade incrível, a atriz lembra que viveu parte de sua adolescência no período da ditadura, mas ainda não tinha muita consciência sobre aquilo. Ela afirma que nunca vivenciou uma crise como a atual. “Nunca vi meu país tão trise, maltratado e vilipendiado como agora. Mas isso não impede que eu tenha esperança. Meu neto José vai viver em um mundo muito melhor que esse. Estamos em um buraco e precisamos de amor e união pra sair dele juntos. E nunca é demais dizer que sem cultura não existe cidadania, não existe aprendizado e não existe transformação”.

Amor eterno
Na segunda-feira (20) completam-se 8 anos e um mês da morte do filho de Cissa, Rafael Mascarenhas, que aos 18 anos foi atropelado enquanto andava de skate em um túnel na Gávea, no Rio de Janeiro. Cissa prefere lembrar da data como os oito anos da passagem de Rafael para uma luz maior: “2018, 8 anos, não me importa se o 8 está deitado ou em pé, nós estamos sempre firmes na Eternidade do Amor Maior, deitados no Amor Maior que nos conduz à Paz”, diz um trecho de mensagem publicada por ela no dia 20 de julho. Cissa também é mãe de Tomás e do ator João Velho, assistente de direção de “Doidas e Santas”.

SERVIÇO
O QUE: espetáculo “Doidas e Santas”
QUANDO: hoje (17) e amanhã (18) às 20h30 e domingo (19), sessão com tradução em libras, às 19h
ONDE: Teatro Municipal de Uberlândia (Av. Rondon Pacheco, 7.070, Tibery)
CLASSIFICAÇÃO: 12 anos
DURAÇÃO: 85 minutos
INGRESSOS: R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia) à venda nas lojas Provanza (Center Shopping e Uberlândia Shopping), Bouclé Salon (Francisco Galassi, 940), na bilheteria do teatro a partir das 12h ou pelo megabilheteria.com (com taxa de conveniência)

FICHA TÉCNICA
Baseado na obra de Martha Medeiros
Texto: Regiana Antonini
Direção: Ernesto Piccolo
Elenco: Cissa Guimarães, Giusepe Oristanio e Josie Antello.
Direção Musical: Rodrigo Penna
Assistente de direção: João Velho
Cenário: Sérgio Marimba
Iluminação: Jorginho de Carvalho
Figurino: Helena Araújo e Djalma Brilhante
Design Gráfico: Thomaz Velho Julliana Della Costa
Produtora executiva: Glauce Carvalho
Direção de Produção: Gustavo Nunes
Idealização do Projeto: Cissa Guimarães
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »