02/04/2018 às 17h25min - Atualizada em 02/04/2018 às 17h25min

Eddie Vedder e Glen Hansard se despedem do Brasil deixando fãs apaixonados

Final da mini temporada de três shows teve um setlist de 30 músicas e participação de fã no palco

ADREANA OLIVEIRA | EDITORA
Glen e Eddie durante “Hard sun”, do disco “Into the wild” | Foto: Adreana Oliveira

Saltitante como um jogador que já entra com um time vencedor em capo Eddie Vedder subiu ao palco do Citibank Hall, em São Paulo, em plena Sexta-feira Santa. Em alguns momentos da noite ecoavam pela plateia os gritos “Ole, ole, ole, ole, Eddie, Eddie”, algo que ainda emociona o vocalista do Pearl Jam que fez uma série de três shows na capital paulista, com ingressos esgotados, nos dias 28, 29 e 30 de março.

Para acompanhá-lo, como em 2014 na primeira vez que esteve em turnê solo no País, veio o não menos boa-praça Glen Hansard, cantor, compositor e ator irlandês que segundo Eddie “faz um grande favor a ele por viajar tão longe para acompanhá-lo”. O clima entre os dois é de cumplicidade. Com um setlist reduzido para pouco mais de 30 minutos de show, Glen contou com um discreto Eddie do lado do palco o assistindo por quase metade da apresentação.

Depois de “Driftin´”, sétima música no repertório, Eddie interagiu pela primeira vez com a plateia brincando com um casal que estava nas primeiras filas levando o público às gargalhadas. É melhor nem comentar a brincadeira porque só este recorte levaria a interpretações preguiçosas e fora de contexto, do jeito que as coisas estão, levariam a especulações totalmente desnecessárias.

Se a plateia aproveitava os intervalos para ovacionar os músicos, Glen e Eddie, o mesmo não acontecia frequentemente durante suas performances. Em formato intimista, sozinhos com seus respectivos instrumentos, que variavam no palco, eles recebiam um silêncio respeitoso em quase todas as canções para que suas vozes invadissem não só os ouvidos como a alma dos presentes.

Depois de “Sleeping by myself” Eddie, que chegou com o Pearl Jam a São Paulo na sexta-feira anterior, comentou que todo dia, às 16h, caia uma chuva sobre São Paulo. “Quero tentar quebrar as nuvens. Talvez seja minha culpa. Vou cantar uma música para tentar mudar isso, por vocês, porque eu não estarei aqui...” Logo começou a tocar “Here comes the sun” (The Beatles).

Com um setlist que contou com mais músicas do Pearl Jam do que o normal, Eddie Vedder fez a alegria dos fãs de sua banda e claro, não deixou de fora músicas de seus dois discos solo, “Into the wild” e “Ukulele songs”, além de covers de Neil Young, Cat Stevens, Beatles e Bruce Springsteen, entre outros. Em oito delas contou com Glen a seu lado.

Porém, o auge da noite foi totalmente desplugado. Assim como em 2014, os músicos dirigiram-se à beira do palco para cantar à capela, com Eddie no ukulele, “Sleepless nights” (The Everly Brothers), que Eddie já comentou ter sido a primeira música que tocaram juntos. Outro momento memorável foi com uma belíssima canção de Glen, “Falling slowly”.

Essa celebração da música e da carreira desses dois grandes artistas deu o tom da noite chuvosa da Sexta-feira da Paixão com uma certa melancolia e o último “Boa noite, São Paulo”, da temporada. “Eu tô enrolando aqui porque não quero que o tempo passe”, disse Eddie em um momento do show, sentimento que todos na plateia compartilhavam.

NOITE DO SÉRGIO

Eddie Vedder sempre surpreende seus fãs. E Sergio de Almeida Filho, ou Sérgio Vedder, que desde 2000 está à frente de um cover do Pearl Jam, Blaymorphed, de Santo André (SP). Em 2014 ele havia tido a chance de dividir o palco com o ídolo. “Ele ganhou o microfone e um pedestal que o Eddie usou na turnê europeia. Depois disso, perguntei, e agora, o que você dará em troca”, disse o pai, Sergio de Almeida Filho, que acompanhava o show ao lado da esposa, Rosana Barreiro de Almeida.

“O Sergio é formado em Educação Física, tem o cover do Pearl Jam há 18 anos e também é luthier. Em 2015 ele fez uma guitarra e entregou com um bilhete para o Eddie toda feita com matéria-prima brasileira”, contou Rosana, que não cabia em si de tanta felicidade quando Eddie convidou o filho, junto com sua acompanhante, para acompanhar o show do palco, onde serviu vinho a seus convidados e emendou uma série de “Into the wild”.

“Eu fico muito feliz porque o Eddie é uma pessoa boa e os fãs do Pearl Jam são muito legais e unidos. Nós sempre o apoiamos muito”, disse Rosana. E não parou por ai. Os pais do Sergio ganharam também uma dedicatória especial. Eddie cantou para eles “Forever Young”, do Neil Young.

No segundo bis Sergio voltou ao palco para cantar “Black”, um dos maiores hits do Pearl Jam. E Eddie fez questão de mostrar e usar a guitarra feita pelo fã e músico.

NA MADRUGADA

Se Sergio representou todos os fãs no palco, do lado de fora do Citibank Hall, no final do show, algumas dezenas de fãs se apertavam em uma grade à espera da saída de Eddie Vedder. A espera foi de quase três horas. E valeu a pena para quem enfrentou o tempo frio, mas felizmente sem chuva. Nem todo mundo aguentou. Uma fã que completara 50 anos na véspera foi embora pouco depois das 2h30, outra voltou para casa mais ou menos na mesma hora para amamentar os gêmeos de três meses que estavam em casa.

Porém, gente de todo canto do Brasil e um trio que teve a amizade consolidada nas primeiras filas de shows do Pearl Jam esperara e puderam, novamente, confirmar que apesar da grandiosidade como artista, Eddie Vedder é um ser humano melhor ainda.

Como de praxe, um segurança veio na frente e avisou que Eddie cumprimentaria a todos, porém, não iria assinar nada ou fazer fotos, assim poderia atender mais gente. E lá veio ele, acompanhado por Glen, também animado com o final feliz de mais uma turnê.

Eddie elogiou seus fãs, agradeceu e ainda levou alguns itens para autografar no carro. Atendeu ainda a mais um pedido quando viu uma faixa estendida que pedia um “parabéns pra você” para uma menina que foi atendida pelo ídolo.
 
SETLIST

EDDIE VEDDER – CITIBANDI HALL

DATA: 30-03-2017

1) Isn't it a pity (George Harrison)
2) The ship song (Nick Cave & The Bad Seeds)
3) Don't be shy (Cat Stevens)
4) Just breathe (Pearl Jam)
5) Elderly Woman Behind the Counter in a Small Town (Pearl Jam)
6) Wishlist (Pearl Jam)
7) Driftin' (Pearl Jam)
8) Sleeping by myself
9) Here comes the sun (The Beatles)
10) Song of good hope (Glen Hansard – com o autor)
11) Drive all night (Bruce Springsteen com Glen)
12) Far Behind
13) Guaranteed
14) The needle and the damage done (Neil Young)
15) Rise
16) Better Man (Pearl Jam)
17) Forever Young (Bob Dylan)
18) Man of the hour (Pearl Jam)
19) The End (Pearl Jam)
20) Parting Ways (Pearl Jam)
21) Last kiss (Wayne Cochran)
22) Porch (Pearl Jam)

BIS

23) Better Days
24) Sleepless nights (The Everly Brothers com Glen)
25) Falling Slowly (Glen Hansard e Markéta Irglová com Glen)
26) Society (Jerry Hannan com Glen)
27) Smile (Pearl Jam com Glen)
28) Rockin' in the free world (Neil Young com Glen)

BIS 2

29) Black (Pearl Jam com Sérgio)
30) Hard Sun (Indio com Glen)
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »