17/10/2015 às 00h00min - Atualizada em 17/10/2015 às 00h00min

'Não se pode aceitar um pacto de impunidade', diz Marina sobre crise política

Marina Silva passou sete dias no Japão participando de reuniões e ministrando palestras

Ewerthon Tobace
BBC Brasil
Ewerthon Tobace/BBC Brasil

Para Marina Silva, ex-candidata a presidente e líder da recém-oficializada Rede Sustentabilidade, a crise política chegou a um limite "inadmissível" e exige das lideranças "todo o rigor e senso de responsabilidade" para lidar com as denúncias feitas até agora. "Não se pode aceitar em hipótese alguma um pacto de impunidade", disse em entrevista exclusiva à BBC Brasil, em Tóquio, ao comentar o possível acordo entre o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o governo para evitar sua cassação em troca de barrar um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Cunha, acusado por delatores de receber dinheiro do esquema de corrupção na Petrobras, ficou em situação frágil após a informação de que ele e seus familiares tiveram contas bancárias bloqueadas na Suíça – o deputado vem evitando comentar o assunto e anteriormente negou manter contas no país europeu. Ele também nega negociações com o governo e a oposição. Marina, terceira colocada na eleição do ano passado, passou sete dias no Japão a convite dos jornais Mainichi e São Paulo Shimbun, onde se reuniu com lideranças e ministrou palestras sobre sustentabilidade. Em conversa com jornalistas, falou sobre a economia brasileira. "Temos uma crise econômica mundial que nos afeta também, mas boa parte desses problemas são na verdade causados por decisões políticas equivocadas", disse. "Para retomarmos os investimentos e o desenvolvimento teremos antes de resolver a crise política. Ela está sendo responsável por perdermos conquistas importantes na economia e na inclusão social, que até bem pouco tempo atrás achávamos que eram processos duradouros." Depois, na entrevista à BBC Brasil, Marina criticou o estilo de fazer política do atual governo. Confira os principais trechos da entrevista.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »