01/11/2017 às 17h43min - Atualizada em 01/11/2017 às 17h43min

Coleção Brasiliana ganha um portal inédito

DA REDAÇÃO

Está no ar desde o dia 27 de outubro o Brasiliana Iconográfica, primeiro portal a reunir desenhos, aquarelas, pinturas e gravuras de quatro das principais coleções brasilianas públicas e privadas, e a disponibilizar para o público no ambiente digital conteúdo e informações sobre a iconografia brasileira em algumas peças fundamentais produzidas desde a chegada dos europeus ao País, no século 16. Criado a partir da parceria firmada em 2016 pela Biblioteca Nacional, Instituto Moreira Salles, Itaú Cultural e Pinacoteca de São Paulo, a premissa é, no futuro, incorporar e disponibilizar acervos de outras coleções e instituições, tanto do Brasil quanto do exterior.

O portal contempla um recorte do universo ligado à brasiliana. O termo envolve tudo o que diz respeito à cultura e história do Brasil, datado a partir do século 16, quando começam a circular os primeiros mapas e livros sobre a América Portuguesa, abrangendo também pinturas e estudos científicos sobre a natureza do país, difundidos ao longo do século 19.

Direcionado para um amplo espectro de visitantes, do curioso ao pesquisador, o conjunto inicial de cerca de 2,5 mil obras do portal dará acesso às imagens em alta definição de cada coleção, com recurso de zoom para que as obras possam ser observadas em detalhes, assim como trará informações sobre elas: origem, temas, histórias e ficha catalográfica. Os trabalhos de cada autor serão lincados diretamente à Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras.

Para o portal, a seleção das imagens considerou desde registros originais e únicos (como aquarelas, desenhos e pinturas a óleo), até gravuras de circulação avulsa ou ilustrações de livros, de autoria de artistas profissionais ou amadores, tanto estrangeiros como brasileiros, mas privilegiando a iconografia produzida pelos chamados artistas viajantes. Do ponto de vista cronológico, as imagens datam desde a chegada dos portugueses no século 19 até o início do século 20.

O ineditismo desta iniciativa público-privada tem como objetivo ampliar a democratização do acesso às coleções, aprofundar a transparência dos acervos e reafirmar a garantia da perenidade das obras por meio do universo digital. Além de aumentar o intercâmbio entre as instituições e aprimorar os processos de catalogação destes acervos históricos, o projeto também divulga os acervos e estimula relações, conexões e estudos de assuntos relacionados.

Periodicamente ampliado com novas imagens, o portal será mais que uma base de dados, contando com a curadoria de Valéria Piccoli, curadora-chefe da Pinacoteca de São Paulo, e textos da jornalista Laura Greenhalgh, que trarão conteúdos que deixarão o espaço sempre dinâmico. A Biblioteca Nacional, o Instituto Moreira Salles, a Pinacoteca de São Paulo e o Itaú Cultural ficam por um período à frente da gestão do portal, governança que posteriormente pode ser assumida por novos integrantes ou parceiros, nacionais ou estrangeiros. Acesse clicando aqui.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »