15/10/2017 às 05h36min - Atualizada em 15/10/2017 às 05h36min

Praia Clube inicia busca pelo título

Torcedores e comentaristas apontam time uberlandense como um dos favoritos à conquista da Superliga

ÉDER SOARES | REPÓRTER
Praia realizou diversos jogos preparatórios para a temporada, incluindo a disputa do Mineiro / Foto: Ascom/Praia Clube

 

Chegou o momento de o Dentil/Praia Clube colocar em prática tudo o que foi trabalhado durante os quase três meses de pré-temporada, que incluíram treinamentos, amistosos e o Campeonato Mineiro, competição em que o time foi vice após duas derrotas para o Minas Clube. O Praia estreia na edição 2017/2018 da Superliga Feminina nesta terça-feira (17), às 20h15, contra o Valinhos em São Paulo. Inicialmente, as praianas iriam encarar o Rio do Sul, também fora de casa, mas o time catarinense desistiu da competição por  dificuldades financeiras. 

O clube praiano disputa a Superliga Nacional, o mais importante certame do voleibol brasileiro, desde a temporada 2008/2009, logo após conquistar o título da Liga Nacional, na época a divisão de acesso para a Superliga. 

Nesta temporada, o Praia e sua torcida vivem uma expectativa acima da média. O clube ainda não conseguiu o seu grande objetivo, que é o de levantar o troféu de campeão. Na temporada 2015/2016, o título chegou muito perto, mas a equipe não conseguiu ultrapassar o último e mais temido obstáculo da temporada e perdeu a final diante do todo poderoso Rio de Janeiro, do técnico Bernardinho.

O Diário do Comércio conversou com torcedores, atletas praianos, com o treinador Paulo Coco e também com alguns dos principais comentaristas esportivos especializados em voleibol, no Brasil, para saber o que eles pensam sobre a nova temporada, já que muitos afirmam que o Praia montou o seu melhor elenco de todos os tempos.

 

TREINADOR

O técnico Paulo Coco trabalhou na última temporada pelo Minas Tênis Clube. Agora, no Praia, ele espera encontrar o equilíbrio entre todos os setores do time para o sucesso na competição. 

“É importante que exista uma sintonia entre passe, levantamento, ataque, saque e bloqueio, rigorosamente em todos os setores. Não podemos deixar com que nenhum deles decaia durante a competição, mas, caso isso ocorra, precisaremos ter a sabedoria e eficiência para mudar o quadro em curto espaço de tempo”, disse o treinador, que também falou sobre favoritismo.

“Temos pelo menos quatro equipes com perfil e potencial para disputar o título. O Praia Clube tem um time muito forte e talentoso, sem dúvidas, um dos melhores da competição. Mas para isso se reverter em resultados dentro de quadra, teremos que trabalhar muito”, afirmou.

 

JOGADORAS

Campeã Olímpica pela Seleção Brasileira, Fernanda Garay fará a sua estreia na Superliga vestindo a camisa do Praia. Considerada uma das atacantes com maior poderio ofensivo no voleibol mundial, a gaúcha garante que está com sede de vitórias e de título. 

“Precisamos deixar esta questão de favoritismo para outras equipes, como Rio de Janeiro e Osasco. O negócio é treinar muito, reconhecer os erros nos jogos e corrigir para que não voltem a acontecer. Esta é a fórmula para conquistar um campeonato tão disputado como é a Superliga. Temos potencial para isso, mas temos também uma longa jornada e muito trabalho”, disse.

A central Natasha fez parte do elenco que na temporada 2015/2016 chegou na final da competição. Com o gostinho amargo do vice, ela está sedenta para, desta vez, sentir o sabor especial e doce do título. 

“É difícil quando você sabe que esteve perto, mas não conseguiu. Isso nos amadurece muito e nos prepara para o futuro. Penso dessa forma e acho que é de degrau em degrau que poderemos chegar a uma final, que já é um grande feito”, afirmou. 

 

TORCIDA

Os torcedores praianos estão eufóricos com a equipe, que conta com um verdadeiro show de estrelas, como as campeãs olímpicas Fernanda Garay, Fabiana e Walewska, e a renomada oposta norte-americana Nicole Fawcett, da Seleção dos Estados Unidos.

“É o melhor time que o Praia já montou e tenho certeza que podemos chegar ao título neste ano. É claro que nada é fácil, mas o time tem potencial pra isso. Estarei na Arena Praia em todos os jogos”, disse o músico Rogério Fagundes.

O engenheiro de produção Gustavo Silva tem os pés um pouco mais no chão, mas acredita que o time praiano irá disputar pau a pau com Rio de Janeiro e Osasco. “São estes os três favoritos e ainda acredito que o Rio, por ter o técnico Bernardinho, está um pouco mais na frente. Só que o Praia é o principal adversário dele nesta disputa”, afirmou.  

 

COMENTARISTAS

O campeão olímpico em Barcelona (1992) com a Seleção Brasileira e comentarista Marcelo Negrão entende que pelos anos de projeto, investimento para esta temporada e o crescimento gradativo na competição, chegou a hora de o Praia levantar o caneco. 

“É o time favorito, que já fez a trajetória correta, investindo aos poucos até chegar o momento certo. Chegou a hora de ganhar. É um time que, na minha opinião, precisa dar a resposta. Sei que tem outros times fortes, como Rio e Osasco, que são sempre muito fortes, mas o Praia, até mesmo pelo tempo de maturação, é o grande favorito ao título”, disse.

Já o ex-treinador e comentarista do canal Bandsports Cacá Bizzocchi segue a linha que coloca o Praia entre os quatro favoritos. “Tecnicamente é muito bom, tem um excelente treinador, mas depende de como irá se organizar taticamente em quadra. Às vezes você monta um grande time, mas as peças não dão a famosa liga, um termo muito usado no vôlei. Também é preciso pensar nos cruzamentos lá na frente, quando acontecem os confrontos a partir das quartas de final, pois, de repente, você enfrenta uma equipe que o jogo não casa muito com o seu. São muitas condições, mas o Praia é, sem dúvida, um dos candidatos mais preparados”, afirmou.

 

HISTÓRICO DE DESEMPENHO

Resultados mais expressivos

- Bicampeão da Liga Nacional (2008 e 2010)

- Pentacampeão Estadual Adulto (2006, 2011, 2013, 2014 e 2015)

- Vice-campeão da Superliga Feminina de Vôlei 2015/2016

- 3º lugar na Superliga Feminina de Vôlei 2016/2017
 
- Vice-campeão da Copa Banco do Brasil de Voleibol Feminino 2016

- Semifinalista da Copa Banco do Brasil de Voleibol Feminino 2017

 

Resultados na Superliga ao longo dos anos

2008/2009: 9º lugar

2009/2010: 7º lugar (eliminado nas quartas de final pelo Osasco, 2 a 0 na série)

2010/2011: 7º lugar (eliminado nas quartas de final pelo Osasco, 2 a 0 na série)

2011/2012: 6º lugar (eliminado nas quartas de final pelo Vôlei Futuro, 2 a 0 na série) 

2012/2013: 5º lugar (eliminado nas quartas de final pelo Sesi-SP, 2 a 1 na série)

2013/2014: 5º lugar (eliminado nas quartas de final pelo Sesi-SP, 2 a 1 na série)

2014/2015: 5º lugar (eliminado nas quartas de final pelo Minas, 2 a 1 na série)

2015/2016: vice-campeão (fez a decisão ante o Rexona-AdeS, do Rio de Janeiro, sendo superado por 3 sets a 1, no ginásio Nilson Nelson, em Brasília (DF)

2016/2017: 3º lugar (eliminado na semifinal pelo Osasco, 3 a 0 na série)


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »