29/09/2017 às 16h29min - Atualizada em 29/09/2017 às 16h29min

A história de um Rei contada por seu filho

Philipe Van Raemdonck Lima narra a trajetória de Reinaldo, ídolo do Galo

LUKAS DANIEL | ESPECIAL PARA O DIÁRIO*
Reinaldo veio ao Elicer para divulgar sua biografia, escrita pelo filho / Foto: Leonardo Borges/Elicer

 

Para quem vive em Minas Gerais e acompanha um pouco da história do futebol, apenas um primeiro nome é o suficiente para ligar à pessoa ou, nesse caso, ao personagem: Reinaldo. O jogador que fez história com a camisa alvinegra do Atlético Mineiro e usou a amarelinha da Seleção, também ganhou o apelido de Rei, pela genialidade dentro da grande área.

Ele é considerado pela crítica esportiva como um dos jogadores mais talentosos da sua época, além de ser um dos maiores ídolos da história do Galo, time em que atuou por quase 500 jogos.

José Reinaldo de Lima esteve em Uberlândia divulgando o livro “Punho Cerrado – A História do Rei”, que traz a sua biografia, escrita pelo seu filho Philipe Van Raemdonck Lima. Ele conversou com fãs e estudantes durante o Encontro Literário do Cerrado (Elicer). “Muito feliz por tudo que fiz, não posso reclamar de nada, o auge de um jogador profissional é representar a Seleção, e graças a Deus tive o privilégio de disputar uma Copa do Mundo, embora não tenha vencido, poder participar foi uma grande realização. Além disso, sou grato por todo reconhecimento do povo brasileiro”, disse.

O livro narra passagens da carreira do jogador, mas também fala sobre outras fases da vida, como por exemplo, a experiência na carreira política. “O livro foi muito bem escrito pelo Philipe, é um conteúdo especialmente direcionado para torcida do Galo, mas é sem dúvida muito importante para literatura esportiva do Brasil”, disse.

O nome da obra é uma alusão à forma que o artilheiro comemorava seus gols erguendo o punho esquerdo. A biografia conta com diversos depoimentos de ex-companheiros do atleta. Um deles, sobre o seu envolvimento com as drogas e como foi a superação.

Em outro capítulo, Reinaldo fala sobre os bastidores da Copa do Mundo de 1978 na Argentina, com alguns fatores que podem ter atrapalhado a campanha da Seleção Canarinho, como por exemplo, a suposta articulação promovida pela ditadura militar do país para favorecer a seleção da casa.

O filho e autor tem o amor pelo Atlético no seu traço genético e explica que a ideia de escrever um livro contando a trajetória do pai surgiu após ouvir diversas histórias sobre a importância do Rei como jogador e tudo que ele representou no esporte mais popular do país. Atualmente com 26 anos, Philipe não teve a oportunidade de ver o pai jogar, pois Reinaldo abandonou a carreira de jogador quando ele ainda tinha 3 anos de idade. Lançado em setembro de 2016, a obra tem boas vendas e críticas positivas. “Já levamos o livro a mais de cinco capitais, atualmente estamos divulgando em todo estado mineiro, e a repercussão nos surpreendeu positivamente, estamos muitos felizes”, disse.

Durante a exposição do livro, o Rei descartou retornar à vida política, e disse que seu foco está na carreira como técnico. Atualmente, ele comanda a equipe do Tricordiano, de Três Corações, que vai disputar o módulo dois do Campeonato Mineiro do próximo ano, e garante estar muito motivado.

(*) Programa de Formação de Comunicadores Elicer | UFU e Esamc 


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »