25/06/2017 às 05h37min - Atualizada em 25/06/2017 às 05h37min

Aos 38 anos e com um vôlei de alto nível

Em sua terceira temporada no Praia Clube, a central Walewska pensa no título e a possibilidade de continuar jogando

EDER SOARES | REPÓRTER
Alexandre Arruda/CBV

 

Aos 38 anos, a central Walewska, campeã olímpica com a Seleção Brasileira na Olimpíada de Pequim (2008), parte para a terceira temporada seguida vestindo a camisa do Dentil/Praia Clube. No início do mês passado, quando confirmou o acerto para mais uma temporada no time uberlandense, a central disse que este seria o seu último ano como jogadora profissional, encerrando dessa forma uma carreira que começou em 1995 em escolinhas de vôlei de Belo Horizonte, cidade natal da jogadora.

Na apresentação do time para a temporada 2017/2018 da Superliga, na última segunda-feira (19), Walewska voltou um pouco atrás em sua decisão e disse que prefere esperar o final desta temporada para sentir como o seu corpo irá reagir. “Vamos um pouco com calma, acho que preciso ver como vou reagir ao final de mais uma temporada, afinal de contas não sou mais nenhuma menina e para continuar jogando em alto nível em uma Liga como a nossa, é preciso muita disposição. Ainda me sinto bem e vamos ver o que resolvo depois dessa Superliga”, disse.

Em relação à sua longevidade no voleibol, já que não é nada comum atletas com a média de idade de Walewska em atividade e jogando em alto nível, a meio de rede garante que acabou encontrando a sua própria receita para seguir tanto tempo na ativa e encantando os torcedores. Dormir e se alimentar bem, além de fazer, fora de quadra, atividades complementares como o pilates, ajudam no rendimento na hora dos jogos. 

“Quando decidi ser atleta, procurei saber o que eu precisava para ser uma jogadora de alto nível. Então, sempre me alimentei bem e sempre descansei bem. Dessa forma consigo ter maior qualidade de força e técnica”, conta.

Uma grande meta da central praiana no seu final de carreira é ajudar o Praia Clube na conquista do título inédito da Superliga. Para ela, o time precisa se sentir livre de pressão e pensar passo a passo no maior objetivo. “Acho que não existe uma receita pronta para chegar ao título, ainda mais se tratando de uma competição como a Superliga. É preciso trabalhar muito, para aos poucos, ir evoluindo até chegar à final”, afirmou.

 

UBERLÂNDIA

O fato de estar pela terceira temporada seguida vestindo a camisa do Praia Clube na Superliga mostra afinidade de Walewska com a cidade de Uberlândia. A jogadora garante se sentir em casa. “Uberlândia é uma cidade incrível e que eu aprendi a admirar e a gostar muito. Indico para todas as pessoas que conheço, principalmente pela qualidade de vida que se tem aqui. É uma cidade linda”, disse a central, que também não poupou elogios ao seu clube.

“Não é porque estou aqui, mas o Praia tem uma estrutura como poucos clubes do mundo. Aqui, a jogadora encontra tudo aquilo que precisa para desempenhar o seu melhor voleibol”, afirmou.

 

GLÓRIAS

Trajetória na Seleção Brasileira começou em 1998

Walewska foi convocada pela primeira vez para a Seleção Brasileira em 1998 pelo então técnico Bernardinho. No ano seguinte, ganhou a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos do Canadá. Em 2000, foi bronze nas Olimpíadas de Sydney.

Em 2002, abandonou a seleção por não concordar com os métodos de trabalho do técnico Marco Aurélio Motta. Só ganhou nova chance quando José Roberto Guimarães assumiu, em 2003. Com o novo treinador, esteve na campanha que deu ao Brasil o segundo lugar na Copa do Mundo e a vaga nas Olimpíadas de Atenas (2004).

Antes dos Jogos na Grécia, a jogadora sofreu uma tendinite e não conseguiu repetir o pódio de Sydney. Amargou com a equipe a eliminação histórica sofrida para a Rússia, nas semifinais, e a derrota para Cuba, na disputa do bronze.

Após o fracasso na Grécia, sobreviveu à reformulação implementada pelo técnico José Roberto Guimarães. Como titular, foi campeã do Grand Prix e vice do Mundial, ambos em 2006.

Em 2007, veio o vice-campeonato do Pan-Americano e da Copa do Mundo de Vôlei. Mas em 2008 conquistou o tricampeonato do Grand Prix, sendo eleita a melhor bloqueadora do torneio. Em agosto do mesmo ano consagrou-se campeã olímpica em Pequim, onde se despediu da Seleção Brasileira. Voltou à seleção somente para jogar a Copa dos Campeões no ano de 2013. Após o fim da temporada 2013/2014, assinou com o Minas para defender novamente o clube que a revelou.

 

PERFIL

Walewska Moreira de Oliveira

Naturalidade: Belo Horizonte (MG)

Data de nascimento: 01/10/1979

Posição: Central

Altura: 1,90m

 

Clubes ao longo da carreira

Minas Tênis Clube: 1997/1998

Rio de Janeiro: 1998 a 2003

São Caetano (SP): 2003/2004

Sirio Perugia (Itália)  2004 a 2007

Murcia (Espanha) 2007/2008

Zarechie (Rússia) 2008 a 2011

Vôlei Futuro (SP) 2011/2012

Campinas 2012 a 2014

Minas Tênis Clube 2014/2015

 

CONQUISTAS PELA SELEÇÃO BRASILEIRA

Jogos Olímpicos

Ouro Pequim 2008

Bronze Sydney 2000

 

Campeonatos Mundiais

Prata Japão 2006

 

Copa do Mundo

Prata Japão 2003

Prata Japão 2007

Bronze Japão 1999

 

Grand Prix

Ouro Itália 2004

Ouro Itália 2006

Ouro Yokohama 2008

Prata Japão 1999

Bronze Filipinas 2000

 

Copa dos Campeões

Ouro Japão 2013

 

Jogos Pan-americanos

Ouro Winnipeg 1999

Prata Rio de Janeiro 2007


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »