10/06/2017 às 04h08min - Atualizada em 10/06/2017 às 04h08min

Tite lamenta derrota e aponta falha no ataque

Brasil perdeu por 1 a 0 para a Argentina em amistoso em Melbourne

AGÊNCIA ESTADO | MELBOURNE
Gabriel Jesus precisou ir para o hospital após o jogo / Foto: Lucas Figueiredo/CBF

 

Tite mostrou cautela e serenidade ao analisar a primeira derrota da seleção brasileira sob o seu comando, ontem, na Austrália. O treinador admitiu que, no revés por 1 a 0 para a Argentina, em amistoso disputado em Melbourne, o time pecou nas finalizações.

"Não tivemos efetividade no ataque", resumiu. A jogada que ganhou mais notoriedade foi o gol perdido por Gabriel Jesus, aos 16 minutos do segundo tempo, quando ele acertou a trave após driblar o goleiro e Willian fez o mesmo no rebote, ao encher o pé.

De modo geral, Tite gostou da apresentação da seleção, que atuou sem seu principal jogador, Neymar, em férias, e com outras baixas. O treinador admitiu que faria testes - a seleção já está classificada para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia. "No segundo tempo, tivemos as melhores oportunidades de gol. Jogamos melhor, articulamos mais jogadas, mas não tivemos efetividade. Por isso, perdemos o jogo", resumiu.

O Brasil fez um primeiro tempo de muita marcação na saída de bola da Argentina, dificultando o passe e, acima de tudo, evitando que a bola chegasse em Messi. Di María, pela esquerda, nas costas de Fagner, fez as melhores jogadas do adversário. Dybala foi bem marcado.

"O primeiro tempo foi mais equilibrado. Conseguimos neutralizar os articuladores da Argentina, Dybala e Messi, mas pelo lado esquerdo eles tiveram certa facilidade", analisou.

Sem esconder o dissabor pela primeira derrota, após nove vitórias seguidas, Tite pregou que ele e a equipe precisavam "absorver" rapidamente o revés. "O sentimento é ruim, por perder, é um sentimento inconteste. Tem de saber absorver, eu tenho de saber absorver para ter a coerência da análise."

 

HOSPITAL

O treinador confirmou que o atacante Gabriel Jesus precisou ser encaminhado a um hospital em Melbourne depois de ter se chocado com Otamendi no fim do segundo tempo. Tite minimizou, porém, a importância do problema. "Ele ficou um pouco desacordado e teve pequeno corte no rosto", informou.

A escalação do jogador do Manchester City na partida da próxima terça-feira, contra a Austrália, ainda não está confirmada. Vai depender de sua condição nos próximos dias. Apesar da pancada, Tite não viu maldade no encontro. "Não teve nenhum momento desleal, mesmo com o Gabriel. O jogo foi intenso, mas sem deslealdade."

Sem Gabriel Jesus, Tite poderá avançar Philippe Coutinho ou manter Taison na frente, que entrou em seu lugar no finalzinho do jogo. Diego Souza também briga pela vaga. "A escalação do Gabriel vai ter um custo, que é o custo da saúde, vamos ter uma avaliação médica para saber", disse o técnico.

 

 

TRANSMISSÃO

TV Cultura tem quase 600% de aumento na audiência

Enquanto a seleção brasileira era mostrada pela TV Brasil e pela TV Cultura, a Rede Globo seguia sua transmissão normal da grade das manhãs de sexta-feira. Pela primeira vez em muitos anos, a emissora não tinha parceria com a CBF para fazer a transmissão de uma partida do Brasil.

O canal e seus parceiros, inclusive em tevê fechada, nada mostraram do jogo de Tite. Como os acordos financeiros não foram fechados, a CBF tratou de assumir a transmissão, abrindo um novo meio de negociar e apresentar os jogos. Contratou o narrador Nivaldo Pietro, da Fox Sports, resgatou Pelé como comentarista e também contou com os comentários Denílson, este último da Band, para a transmissão de um estúdio na sede da entidade que controla o futebol brasileiro, no Rio.

O presidente da CBF, Marco Polo del Nero, concordou em oferecer o jogo, produto raro e caro nos negócios do futebol brasileiro, para os canais educativos e estatais. As imagens eram as mesmas nos dois canais, geradas a partir da organização da entidade máxima do futebol.

A falta de acordo com a Globo, a princípio, pode ter marcado o início de uma nova era de exibição das partidas da seleção e do futebol, de modo geral, no País. Além das emissoras, o jogo foi vendido para alguns sites, como o UOL, que enfrentou problemas durante a transmissão, e para a Vivo, patrocinadora oficial da CBF.

Tanto a TV Brasil quanto a TV Cultura não tiveram problemas durante os 90 minutos de bola rolando, exceto pela demora quando o narrador acionava o repórter, também da CBF, na Austrália, o que era natural pela distância entre as praças (Rio e Melbourne)

Durante a transmissão de Brasil x Argentina, a TV Cultura registrou pico de quatro pontos porcentuais de audiência. Isso representa um crescimento de 566% na média do horário. A TV Brasil superou os dois pontos de audiência em Brasília e alcançou a média de um ponto no Rio de Janeiro e em São Paulo. De acordo com a emissora, o número "coloca a TV Brasil na média das grandes TVs públicas do mundo". Em número de telespectadores, um ponto equivale a 200 mil pessoas.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »