28/05/2017 às 05h45min - Atualizada em 28/05/2017 às 05h45min

“Nasce” promove cidadania pelo esporte

Projeto é desenvolvido para alunos da região norte de Uberlândia e depende de parcerias para se manter

EDER SOARES | REPÓRTER
Ao todo, mais de 120 alunos participam das aulas oferecidas pelo Nasce no poliestportivo do Jardim América / Foto: Eder Soares

O que menos importa no Núcleo de Ação Social para Cidadania e Esporte (Nasce) são os troféus e medalhas conquistadas. A formação do cidadão e a preocupação em tirar crianças jovens e até adultos das ruas vêm em primeiro lugar. O projeto, que oferece aulas gratuitas de jiu-jítsu, capoeira e futebol desde novembro de 2012, funciona no Poliesportivo do Bairro Jardim América, na zona norte da cidade, local cedido pela Fundação Uberlandense do Turismo, Esporte e Lazer (Futel).

Atualmente, participam do projeto mais de 120 alunos com idades a partir dos 5 anos. O responsável por toda a concepção é o sargento da Policia Militar (PM) Denílson Borges, de 45 anos, que é também atleta de jiu-jítsu e dono de diversos títulos pelo Brasil e também no exterior.

Apesar dos poucos recursos para investir no projeto e a falta de apoio do empresariado de Uberlândia, que na maior parte das vezes acaba batendo a porta na “cara” do sargento Denílson e também dos seus heróis apoiadores, pais de alunos e também o professor de capoeira do projeto, Maciel Rodrigues, o Gigante, o Nasce vem cumprindo um importante papel na sociedade local.

Os poucos recursos vêm através de parcerias com o Ministério Público Federal e a Justiça Federal, mas que ainda ficam muito aquém do esperado. A equipe de jiu-jítusu, por exemplo, com vários talentos não consegue sair de Uberlândia para participar de competições, pois as viagens e estadias são caras demais para que a garotada do projeto possa participar e se desenvolver ainda mais dentro do esporte.

O sargento Denílson garante que o montante tem sido suficiente para a manutenção do projeto, que consegue, ainda, garantir material esportivo e alimentação gratuitos para os alunos. “É claro que pedimos uma maior atenção, principalmente dos empresários locais, pois o Nasce tira crianças das ruas, da marginalidade e do convívio com as drogas. Na verdade, entendo que esta é a nossa maior luta no projeto, e não apenas ganhar troféus e medalhas. Gostaríamos de fazer muito mais pela nossa cidade, principalmente por estas crianças e adolescentes. A gente se sente muito feliz em ver a dedicação de todos eles e a satisfação que eles têm de vir para os treinamentos”, disse o sargento.

Constantemente Denílson e Gigante promovem quadrangulares de competições dentro do projeto. A intensão é, o quanto antes, fazer com que os alunos do Nasce voltem para as competições regionais e nacionais. “Temos aqui alunos que foram campeões regionais. Precisamos ser mais vistos pela sociedade para que este modelo de desenvolvimento esportivo sirva como exemplo para que outros também apareçam. A nossa preocupação sempre estará voltada para a formação do cidadão, e o esporte tem esta força, pois educa a criança e o adolescente, que passam a conhecer conceitos de hierarquia e cidadania para, dessa forma, seguirem um caminho de bem. Se não se tornarem campeões, com certeza vão se tornar cidadãos de bem”, afirmou.

As aulas no Poliesportivo do Jardim América acontecem durante toda a semana, nos períodos da manhã e também da tarde. A maior parte dos alunos do projeto mora na região norte da cidade, nos bairros Jardim América, Santa Rosa, Liberdade, Pacaembu, Cruzeiro Sul, Gramado e Nossa Senhora das Graças, mas as aulas estão abertas para pessoas de todas as regiões. “A distância acaba dificultando um pouco para que crianças de outras regiões possam vir, até pela questão do custo. Mas não temos restrição de localização e o projeto está aberto para quem quiser participar”, disse Denílson.

 

FORMAÇÃO

Alunos reconhecem importância dos ensinamentos

São várias as histórias de alunos do projeto Nasce que mudaram as vidas baseados nos conceitos e metas do esporte. Aluna da capoeira, Ana Beatriz Felipe de Souza, de 14 anos, está no projeto desde o começo, em 2012, passou pelo jiu-jitsu e hoje, na capoeira, garante que não tem a intenção de abandonar o esporte. “Eu gosto muito do ambiente do projeto, dos professores e dos amigos que aqui nós fazemos. Aprendemos aqui que o esporte vai muito além de apenas participar de competição e ganhar títulos, mas que o principal objetivo é fazer parte da formação das pessoas para a vida. Apesar de entender que poderíamos ter mais apoio, acho que o Denílson e o Gigante vêm fazendo um papel maravilhoso dentro daquilo que eles podem”, disse.

Já Yan Santos, de 14 anos, está no Nasce apenas há um ano, mas já é um apaixonado pelo jiu-jítsu. “Por enquanto quero seguir no jiu-jítsu mesmo, mas quem sabe migrar para o MMA, não sei bem ainda. Só sei dizer que aqui sou muito feliz, gosto demais dos professores, daquilo que eles nos ensinam, que são coisas que vou levar para toda a minha vida. A importância do esporte na vida de crianças, por exemplo, deveria ser uma situação melhor vista pelos empresários. Poderiam nos apoiar mais para que possamos também ter a possibilidade de disputar competições fora de Uberlândia”, afirmou Yan. Em um ano de projeto ele ainda não sabe o que é participar de um campeonato fora da cidade.

 

PARCERIA

Professor de capoeira começou com aluno

O professor de capoeira Maciel Rodrigues, o Gigante, está com o sargento Denílson no projeto Nasce desde o começo, em 2012. Ele era aluno do jiu-jítsu e agora atua como professor de capoeira. “Nosso trabalho visa resgatar pessoas e dar oportunidade para que elas tenham acesso ao esporte. Eu tenho filhos e sei da importância que tem o esporte tem na parte social para crianças e adolescentes. Sinto-me bastante realizado em fazer parte de um trabalho como este. Espero que os empresários tenham uma maior sensibilidade para trabalhos como o nosso”, afirmou Gigante, que já participa de projetos sociais há 18 anos. “Tínhamos um trabalho semelhante a este no bairro Santa Rosa, mas devido a vandalismo no local muitas das vezes ficávamos sem energia. Eu fui na Futel e conseguimos este espaço aqui no Jardim América e, graças a Deus, com essa parceria com o Denílson, temos feito um excelente trabalho, dentro das nossas possibilidades”, disse.

 

PROFESSOR CAMPEÃO

Denílson volta a competir neste ano

Aos 45 anos, o fundador do projeto Nasce acumula também em seu cartel vários títulos no jiu-jítsu. Denílson Borges ficou afastado por dois anos dos tatames por motivos pessoais, mas pretende voltar a defender Uberlândia nas competições nacionais e internacionais ainda este ano. “Eu comecei em agosto de 2004 com o professor Fábio Camargo, e de lá pra cá o jiu-jítsu se tornou parte de minha vida. Aprendi muitos conceitos positivos dentro deste esporte e agora pretendo passar para meus alunos para que possam seguir o mesmo caminho. Parei nestes dois anos das competições, graças a Deus não por contusão, mas já estou quase pronto para retornar aos tatames e voltar a defender nossa cidade pelo Brasil e pelo mundo”, disse o sargento Denílson.

O uberlandense tem no currículo títulos como o de tricampeão mundial máster em 2009, 2011 e 2013, todos disputados na cidade de São Paulo com a chancela da Confederação Brasileira de Jiu-Jítsu Esportivo (CBJJE). Tricampeão Pan-americano, hexacampeão brasileiro, campeão do Mercosul, bicampeão Sul-americano, campeão da Copa América e vários regionais, na categoria máster a partir dos 30 anos. A previsão é que Denílson possa voltar a lutar no próximo mês no Campeonato Mundial de São Paulo.

 

SERVIÇO

Aulas

Os interessados em participar do projeto Nasce, no Jardim América, devem ir de segunda a sexta-feira, nos horários de aulas, no Poliesportivo do bairro Jardim América, na avenida Anália Resende Siquerolli.

- Segunda-feira

9h às 11h – Jiu-jítsu adulto

14h30 às 16h30 - Futebol

18h30 às 20h - Capoeira

- Terça-feira

9h às 11h - Jiu-jítsu infantil

14h30 às 16h30 - Jiu-jítsu infantil

- Quarta-feira

9h às 11h – Futebol e Jiu-jítsu adulto

14h30 - Futebol

18h30 – Capoeira

- Quinta-feira

9h às 11h - Jiu-jítsu infantil

14h30 - Jiu-jítsu infantil

- Sexta-feira

9h às 11h - Jiu-jítsu infantil e adulto

14h30 às 16h30 – Futebol

18h30 - Capoeira


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »