22/05/2017 às 18h32min - Atualizada em 22/05/2017 às 18h32min

Produção de Uberlândia é exibida na Grécia

“Uótizap” fala sobre vício tecnológico e outras animações foram selecionadas para outras mostras

ADREANA OLIVEIRA | EDITORA
“Uótizap” foi exibido no Athens Video Art Festival, na Grécia / Foto: Divulgação

Um curta uberlandense de um minuto de duração foi exibido ontem e sábado (20) no Athens Video Art Festival, na Grécia. A seleção foi uma surpresa para o idealizador do projeto, o filme “Uotizap”, Marcelo Branco. Ele é professor de animação e diretor de arte nos curtas produzidos por estudantes nas Oficinas F7 Filmes desde 2002. Nessa tecnologia social, estimulam a criatividade de crianças e jovens na produção de desenhos animados para a difusão de mensagens sobre meio ambiente, direitos humanos e patrimônio histórico. As oficinas F7 Filmes já contam com um acervo de 250 curtas. Entre eles está “O Casamento da Ararinha-azul” (2012, 38 min).

“Desde o lançamento de ‘O Casamento da Ararinha Azul’ quase não sobrava tempo para produzir animações autorais. Por isso resolvi me dedicar à produção do filme ‘Uotizap’, criado a partir de uma ideia recorrente: sabe aquelas crianças que correm atrás de pombos nas praças, geralmente com os pais alheios, envolvidos com os seus smartphones?”, explica Branco. Uótizap só queria a atenção do pai, que estava na tela do celular.

Apesar de ter apenas um minuto de duração, foram necessários três meses para a produção. Ao todo foram 2 mil desenhos que dispensaram o uso de papel. Foram criados diretamente no computador a partir da referência fotográfica de cenas filmadas na Praça Tubal Vilela com atores reais (Branco e a família). O software utilizado na produção é o ToomBoom Studio.

“A técnica que usei em Uotizap é conhecida como rotoscopia. Nela, a animação segue a rota da filmagem live action. Parece moderno, mas a técnica já era usada há 100 anos e ficou popular com ‘Branca de Neve e os Sete Anões’, de Walt Disney, em 1937”, comenta o diretor.

O roteiro sem diálogos destaca a mensagem sobre vício digital e por isso é compreendida em qualquer lugar do mundo. Além da Grécia, “Uótizap” em oito festivais no Brasil, Paquistão, Malta e Estados Unidos.

Os curtas produzidos por crianças e jovens nas Oficinas F7, assim como os bastidores das produções, são exibidos no programa “Animare”, que já conta com três temporadas e 28 episódios, com dez minutos cada, realizado por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, com o incentivo do Grupo Decio e da Rain Bird Brasil.

OUTRAS PRODUÇÕES

As Oficinas F7 realizadas em 2016, no Sesc Uberlândia e na Eseba, geraram vários curtas, como "O Baile", com dois minutos de duração. Este filme apresenta os benefícios da dança na terceira idade e foi selecionado no Anima Latina: Festival de Cine de Animación Latinoamericano, em Buenos Aires.

Outro filme de Marcelo Branco, o inédito "Tóbi, o Obsessor", com 2 minutos de duração, foi selecionado para o Anima Mundi: Festival Internacional de Animação do Brasil, na categoria Futuro Animador. A produção é de crianças das Oficinas F7 de Animação realizadas no Sesc de Uberlândia. “Sempre recebemos com muita alegria a notícia da seleção em festivais e mostras de cinema, mas tem alguns com um ‘gostinho especial’. É o caso do Anima Mundi (RJ e SP), pois o Festival Internacional de Animação do Brasil é um dos mais importantes e concorridos do mundo”, afirma Branco.

Desde 2003, será a 7ª participação deles no festival. “Tóbi, o Obsesor” é um curta de suspense e mostra um fato sobrenatural (Poltergeist) na hora do recreio escolar. De forma espontânea e muito criativa, as crianças desenvolveram um roteiro baseado em fatos espiritualistas, dublaram as vozes e desenharam os seus próprios personagens.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »